John S. Chen, o homem que salvou a BlackBerry

Era uma vez uma companhia de dispositivos móveis que dominava o segmento de smartphones, principalmente por sua excelência em dispositivos com teclados físicos. Na época ninguém imaginava que um celular esperto seria voltado para o usuário comum, este que se virasse com os V3 e outros modelos mais simples.

Então em 2007 veio a Apple com o iPhone e a BlackBerry, na época RIM não considerou que ele seria um concorrente direto. Mike Lazaridis, co-fundador e então CEO da companhia canadense desdenhou do produto da maçã, dizendo que ele era “uma estação multimídia” enquanto seus smartphones “eram voltados para os power users”. Mesmo a chegada do Android, que seguiu o formato do iPhone (à força) e abriu mão de teclados físicos não fizeram a BlackBerry mover um dedo em prol de se reinventar, continuou bradando aos quatro ventos que era referência no mercado empresarial e que a política BYOD (Bring Your Own Device) não daria em nada.

Bem, todo mundo viu o que aconteceu a seguir: com o passar dos anos a BlackBerry foi do topo ao nada, o valor de suas ações despencaram de US$ 140 (na época do lançamento do iPhone) para menos de US$ 6 em 2013, época em que a água finalmente atingiu o pescoço. Sem saída, um conselho se formou para tentar colocar ordem na casa e conter o sangramento (embora ainda gastasse com jatos enquanto demitia funcionários). no fim das contas, como as coisas continuaram complicadas o então CEO Thorstein Heins (aquele) foi afastado e deu lugar a John S. Chen, de perfil mais austero e por isso mesmo uma esperança para ao menos manter a empresa nos trilhos antes do fim, já que para evitar a falência muitos cogitavam a venda como única alternativa.

Só que Chen trabalhou nos últimos quatro anos não apenas para curar as feridas e sim para recuperar a saúde financeira de modo a manter a BlackBerry viva e independente, mesmo que para isso remédios amargos tivessem que ser receitados. O pior deles foi abrir mão da produção interna de smartphones, passando a licenciar a marca para parceiros como a TCL (dona da Alcatel) e a Infracom. O outro foi deixar de dar murro em ponta de faca, abandonar o BB10 (que era um bom SO, como o sucesso pontual do Passport demonstra) e abraçar o Android, ainda que isso representasse fazer da empresa canadense apenas mais uma OEM do robozinho. O diferencial no entanto foram suas soluções internas agregadas em lançamentos como o Priv e o DTEK50, como por exemplo o BlackBerry Hub e o foco em segurança, prometendo entregar smartphones seguros de verdade e corrigindo falhas do Android.

Deixando de se focar em smartphones, a BlackBerry voltou sua total atenção novamente para o mercado corporativo, oferecer soluções de software para companhias era sua área de excelência e agora ela investe em produtos da Internet das Coisas para Empresas, a chamada “Enterprise of Things” (EoT) incluindo wearables e outros dispositivos inteligentes, tudo rodando Android. Chen acredita que há lugar para gadgets seguros em todos os setores, e a BlackBerry espera suprir esse mercado crescente.

O resultado veio agora: embora tenha registrado um prejuízo de US$ 47 milhões no último trimestre e ainda enfrente resistência no mercado de software, o analista da RBC Dominion Securities Paul Treiber divulgou uma nota, explicando que a BlackBerry não integra mais sua lista de risco, apontando que a empresa está crescendo e se consolidando novamente no mercado. De fato Chen conseguiu salvar a companhia, ainda que ela não chegue nem perto da glória de outrora. E o CEO também não é imune a declarações desastradas, o que leva a BlackBerry a meter os pés pelas mãos de vez em quando.

A BlackBerry vai seguir de agora em diante como uma pequena OEM para o Android, ao mesmo tempo que tenta se firmar no mercado de software para grandes companhias e fornecer soluções seguras para a Internet das Coisas. Melhor do que ter ido para a vala, pelo menos.

Fonte: Business Insider.

Relacionados: , , , , ,

Autor: Ronaldo Gogoni

Profissional de TI auto-didata, blogueiro que acha que é jornalista e careca por opção. Autor do Meio Bit e Portal Deviante, podcaster/membro fundador/Mestre Ancião do SciCast e host/podcaster do Sala da Justiça.

Compartilhar

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto Frio Peças, Cupom de desconto Mundo da Carabina, Cupom de desconto JBL, Cupom de desconto Costa Cruzeiros, Cupom de desconto Loja do Mecânico, Cupom de desconto Staples