Bill Gates sugere a criação de um “imposto sobre robôs” para combater o desemprego

Bill Gates jogou para o alto todas as preocupações que tinha com a Microsoft e hoje limita-se apenas a ser o Grilo Falante no ombro do CEO Satya Nadella, atuando como conselheiro de tecnologia. Seu foco hoje está exclusivamente em fazer do mundo um lugar melhor através da Bill & Melinda Gates Foundation em diversas frentes, desde promover a expansão de distribuição e desenvolvimento de novas vacinas (e comprando uma briga ferrenha com os anti-vaxxers de plantão) ou fomentando o desenvolvimento de novas tecnologias de privadas e camisinhas.

Agora Bill voltou seus olhos para um cenário que anda preocupando muita gente: o aumento do desemprego causado pela adoção cada vez maior de robôs e IAs. E para ele isso poderia ser resolvido com um remédio bem amargo: impostos.

Isso não é uma afirmação exagerada ou apocalíptica: os robôs de fato irão substituir os humanos a médio prazo em diversas frentes de trabalho, desde as mais óbvias (como linhas de produção como já ocorre hoje) a outras mais ou menos especializadas. Um bom exemplo é o Watson, a super IA da IBM que irá substituir 34 funcionários de uma seguradora japonesa; já a agência de notícias AP já usa algoritmos para publicar informes econômicos desde 2015.

No entendimento de Gates, um cenário onde robôs roubem o emprego de humanos e os deixem em uma situação de severa desvantagem competitiva não é saudável para ninguém e propôs uma alternativa um tanto controversa para remediar tal situação:

Hoje, se um humano produz uma receita de US$ 50 mil numa fábrica aquele montante é taxado; se um robô é capaz de fazer a mesma coisa, seu trabalho deve recolher impostos na mesma proporção.”

Isso mesmo: Gates defende a criação de um imposto a ser recolhido pelos fabricantes e donos de robôs, nos casos em que os mesmos roubarem o emprego de humanos e a carga tributária deveria ser a mesma cobrada um funcionário humano, o que simplesmente mata o caráter de economia em automatizar as linhas de produção: se não há vantagem alguma em ter uma máquina ao invés de um humano se a empresa terá que desembolsar a mesma quantia em impostos todo mês, por que migrar?

Gates acredita que as empresas não têm o direito de embolsar essa grana, que deveria ser revertida para programas de capacitação de funcionários que perderam seus empregos para robôs e IAs; dessa forma eles poderiam ser realocados no mercado de trabalho em áreas como serviço social, saúde, segurança, educação e outros que causem impacto imediato na comunidade, onde a mão-de-obra humana ainda é essencial.

Ainda que haja uma preocupação real por trás disso (um estudo da Universidade de Oxford estima que 50% de toda a mão-de-obra do planeta será realizada por robôs até 2033) as chances de empresas e fabricantes de autômatos concordarem com a taxação do trabalho de robôs é ínfima, para não dizer nula. Tal ação levaria a discussões intermináveis sobre se é correto privar empresas de tais impostos (governos odiariam isso, fato) enquanto grandes companhias, que já economizam muito hoje bateriam o pé contra a ideia de recolher direitos trabalhistas de máquinas para capacitar desempregados. Verdade seja dita, o capitalismo é cruel.

É uma discussão interessante de fato, que inevitavelmente será colocada em pauta mais cedo ou mais tarde. Bill Gates só apontou para o óbvio.

Fonte: Quartz.

Relacionados: , , , , , , , , ,

Autor: Ronaldo Gogoni

Profissional de TI auto-didata, blogueiro que acha que é jornalista e careca por opção. Autor do Meio Bit e Portal Deviante, podcaster/membro fundador/Mestre Ancião do SciCast e host/podcaster do Sala da Justiça.

Compartilhar

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto Frio Peças, Cupom de desconto Mundo da Carabina, Cupom de desconto JBL, Cupom de desconto Costa Cruzeiros, Cupom de desconto Loja do Mecânico, Cupom de desconto Staples