EUA passará a solicitar dados de redes sociais para emitir vistos

usa-visa

Ao contrário do prometido anteriormente pelo presidente Barack Obama, viajar para os EUA mesmo para passear vai ficar ainda mais difícil para algumas pessoas, principalmente para quem fala o que quer na internet: o Departamento de Segurança Interna aprovou uma nova proposta que autoriza os órgãos de imigração norte-americanos a analisar a presença online de todos aqueles interessados em tirar visto para entrar no país.

A ideia é acrescentar um novo campo de entrada de dados no formulário de solicitação de visto e/ou autorização para viagens a quem precisa, em que o solicitante deverá fornecer os links de suas páginas sociais na internet. Embora tenha sido sinalizada como “opcional”, a gente sabe o quão chatos de galocha os agentes de imigração são com qualquer vírgula colocada fora de lugar ou uma gaguejada durante a entrevista. Logo, quem não adicionar suas redes sociais (considerando que o mesmo possua presença online) ou omitir alguma entrada relevante só estará dando um excelente motivo para seu pedido de visto ser sumariamente rejeitado.

E como podem notar abaixo, o Departamento de Segurança dos EUA deseja cobrir todas as pontas possíveis.

social-media-entry-data-form-proposal

Proposta para o campo de entrada de dados das redes sociais

A proposta visa obviamente identificar potenciais terroristas tentando entrar em solo norte-americano (na verdade é a oficialização de algo que já fazem por baixo dos panos) e não deve afetar cidadãos de países que não necessitam do visto, mas independente disso a novidade foi muito mal recebida por uma série de organizações de defesa à liberdade, direitos civis e privacidade. A American Civil Liberty Union já declarou com todas as letras que o processo vai aumentar a inda mais a discriminação voltada a comunidades árabes e muçulmanos (jura?), e mesmo pessoas com nomes e sobrenomes relacionados (o que não faz muita diferença nesse caso).

Por outro lado, há a preocupação legítima de que tendo posse dos endereços, o que pode ser entendido como uma autorização de escrutínio o governos dos EUA passe não só a fuçar nos conteúdos livres como tenha poder de exigir acesso a conteúdo bloqueado (perfis trancados) junto às redes sociais, além de coletar mensagens e contatos dos candidatos.

Não é essa a primeira vez que o governo dos EUA tenta forçar a barra. A CISA, uma lei de cibersegurança que não seria mais do que uma backdoor enfrentou resistência de empresas como Apple, Dropbox, Google e várias outras. O desejo do FBI de ter acesso livre ao iOS e Android foi outra ação duramente criticada, principalmente pelas autoridades ignorarem o princípio de presunção de inocência. Da mesma forma, a Regra 41 que recentemente entrou em vigor dá plenos poderes ao Bureau para invadir qualquer dispositivo conectado cujo IP seja desconhecido.

De qualquer forma, quem adora meter o pau nos EUA mas vai todo ano fazer compras em Miami deve estar adorando essa nova medida. Thanks, Obama.

Fonte: Politico.

Relacionados: , , , , , , , , , ,

Autor: Ronaldo Gogoni

Profissional de TI auto-didata, blogueiro que acha que é jornalista e careca por opção. Autor do Meio Bit e Portal Deviante, podcaster/membro fundador/Mestre Ancião do SciCast e host/podcaster do Sala da Justiça.

Compartilhar

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto Frio Peças, Cupom de desconto Mundo da Carabina, Cupom de desconto JBL, Cupom de desconto Costa Cruzeiros, Cupom de desconto Loja do Mecânico, Cupom de desconto Staples