Indústria de games lucra US$ 91 bilhões em 2016; mercado mobile fica com quase metade do bolo

mario

A chegada de Mario aos smartphones pode se reverter em grandes lucros para a Nintendo

Entra ano, sai ano e o lucro da indústria de games segue cada vez mais rompendo todos os limites. No entanto os números referentes em 2016, segundo a empresa de análise SuperData Research surpreendeu todo mundo: só neste ano a venda de games se reverteu em US$ 91 bilhões em receita, sendo que o mercado mobile responde por quase metade do montante, US$ 41 bilhões.

Para dar uma ideia das dimensões, em 2015 a indústria do cinema lucrou “apenas” US$ 38,5 bilhões globalmente. Pois é.

Os números não são fruto de mero acaso. O mercado de games voltado a dispositivos móveis está finalmente amadurecendo, com as produtoras investindo cada vez mais dinheiro em títulos de qualidade, sejam para desenvolvimento ou na divulgação. A era dos “joguinhos casuais” feitos nas coxas passou, agora temos estúdios que jogam pesado e injetam expertise e grana, e o resultado é o que se espera: o El Dorado não existe mais (aqui e aqui).

Games em mobile passaram a ser coisa séria, ou você tem uma ideia genial e conta com um excelente marketing e suporte, ou será atropelado pelas grandes como Rovio, Gameloft, EA, Supercell e etc. As consequências são óbvias: em 2016 consumidores gastaram US$ 41 bilhões com games mobile, sendo Pokémon GO e Clash Royale os principais estreantes do ano.

pokemon-go

O sucesso de Pokémon GO impulsionou e muito os ganhos do mercado mobile

Dentre os títulos mobile, a Supercell (comprada este ano pela Tencent) ficou com as medalhas de prata e bronze de games mais lucrativos, com Clash of Clans abocanhando US$ 1,2 bilhão e Clash Royale, US$ 1,1 bilhão. O campeão em receita foi Monster Strike, um game de monstrinhos da japonesa Mixi desenvolvido pelo ex-Capcom Yoshiki Okamoto (outrora o cabeça da série Street Fighter), com US$ 1,3 bilhão em 2016. Em computadores nada muda: League of Legends lidera a lista ao arrecadar US$ 1,7 bilhão, com isso conquistando também a coroa de game mais lucrativo de 2016.

Já os consoles levaram uma surra: Call of Duty: Black  Ops III foi o campeão mas no entanto rendeu “só” US$ 591,1 milhões no período, seguido por FIFA 16 (US$ 387,4 milhões), Grand Theft Auto V (US$ 378,9 milhões), Tom Clancy’s The Division (US$ 261,8 milhões) e Destiny (US$ 214,1 milhões).

Isso posto não é de estranhar a mudança de direção da Nintendo, ao decidir levar suas principais franquias para os smartphones e tablets de forma bastante controlada (Pokémon GO não conta, a franquia é administrada pela The Pokémon Company e a casa do Mario não é sua única acionista). Embora seja a única fabricante de consoles que permanece no azul (já que ela não atua em vários mercados como Sony e Microsoft), ignorar o mercado mobile enquanto o de consoles portáteis não anda bem das pernas não é uma decisão muito inteligente, mesmo com a proposta híbrida do Switch.

O futuro é incerto: a Sony não está disposta a investir em um novo portátil e mesmo a Nintendo não lucra com o 3DS tanto quanto no passado. Embora uma migração completa para o mercado mobile seja muito improvável (ela vende hardware no fim das contas, esse é o principal motivo de Super Mario Run não ser uma experiência completa), é possível vermos outras IPs da empresa rodando em iPhones e iPads muito em breve.

Fonte: SuperData Research.

Relacionados: , , , , , , , , , , , ,

Autor: Ronaldo Gogoni

Profissional de TI auto-didata, blogueiro que acha que é jornalista e careca por opção. Autor do Meio Bit e Portal Deviante, podcaster/membro fundador/Mestre Ancião do SciCast e host/podcaster do Sala da Justiça.

Compartilhar

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto Frio Peças, Cupom de desconto Mundo da Carabina, Cupom de desconto JBL, Cupom de desconto Costa Cruzeiros, Cupom de desconto Loja do Mecânico, Cupom de desconto Staples