Home » Internet » Comissão Europeia quer que YouTube pague mais royalties

Comissão Europeia quer que YouTube pague mais royalties

Mais uma da UE contra o Google: a Comissão Europeia acata pedido de artistas e gravadoras e propõe que YouTube pague mais dinheiro de royalties.

3 anos atrás

lady-gaga

Lady Gaga encabeça a lista dos artistas exigindo que a Comissão Europeia arranque mais grana do YouTube

Outro dia, outra bordoada da Comissão Europeia no Google. Essa novela se estende pelos últimos três anos e as acusações já vieram de todos os lados, mirando desde o motor de buscas ao Android, o Adsense e o Google Imagens. Segundo a visão do maior e mais burocrático bloco econômico do mundo Mountain View se tornou grande demais, detém demasiado poder nas mãos e como todos sabemos, não é nem um pouco boazinha e intencionalmente freia a competitividade e a inovação.

Uma das propostas para equilibrar o jogo endossadas pela comissária para a Competição Margrethe Vestager (que ODEIA o Google, é bom frisar) é partir a companhia em duas e obrigar a divisão responsável pelo motor de busca a compartilhar seu algoritmo com os competidores, fomentando o surgimento de novas empresas e promovendo uma competição justa. Isso sem falar em multas e outras medidas, como a tentativa de obrigar a empresa a aplicar o Direito ao Esquecimento globalmente (movimento puxado pela França e até onde se sabe, será apoiado pela Comissão).

A bola da vez é o YouTube. Não é de hoje que artistas, compositores e gravadoras enchem o saco da plataforma de vídeos para não só frear a pirataria como exigem que ele pague mais dinheiro de royalties por execução, ou melhor, paguem o devido dinheiro já que ela reverte única e exclusivamente o montante gerado pelos ads. Não importa se é um artista com 20 Grammys na estante ou o Nick Ellis, não tem royalties para ninguém e a única grana que verão é a dos anúncios.

Obviamente que isso não seria tolerado por muito tempo. A RIAA está em vias de modificar o DMCA para que este passe a exigir mais comprometimento do YouTube e outras plataformas a respeito da pirataria, mas quando o assunto é grana a coisa muda. Para tentar reverter essa situação um grupo de mais de mil artistas incluindo Lady Gaga, Ed Sheeran, a banda Coldplay e outros enviaram uma carta aberta à Comissão cobrando um endurecimento nas regras contra o YouTube. E para surpresa de ninguém as sugestões foram acatadas.

A Comissão está propondo mudanças nas leis de copyright que vai obrigar o YouTube e outros serviços (lógico que o alvo é o Google) a abrirem a carteira e pagarem tudo o que devem em termos de direitos de execução, além da grana dos ads. Não obstante os serviços serão obrigados a informar aos artistas e gravadoras quanto lucraram com os vídeos e mais, serão forçados a modificar seus algoritmos a fim de combater mais severamente a pirataria, com o Content ID identificando e derrubando automaticamente qualquer vídeo hospedado com trechos de materiais protegidos por copyright.

Essa última medida está levantando uma controvérsia dos diabos, pois em teoria o YouTube não faria distinção entre uma cópia de um videoclipe e uma cover de um fã, tratando todos com a mesma rigidez e aniquiliando tudo. Em última análise, caso tais propostas passem o canal do Nick poderia ser atomizado por completo.

Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia disse o seguinte:

Eu quero que jornalistas, editores e autores sejam pagos por seu trabalho de forma justa, independente dele ter sido feito em um estúdio ou na sala de estar, se distribuído offline ou online, se é publicado impresso ou na internet.”

O Google retrucou dizendo que desde 2007 já pagou o equivalente a US$ 3 bilhões a artistas e gravadoras. Obviamente, não é o bastante.

Essa briga está longe de acabar. É bem provável que o Google não consiga sustentar a guerra por muito tempo e seja derrotado em todas as instâncias, e acabe fazendo o que fez quando a Espanha exigiu que o Google News pagasse por link indexado, isso se os artistas não forem chorar as pitangas à Comissão quando a grana parar de entrar.

Fonte: BBC.

relacionados


Comentários