Home » Engenharia » China quer uma fatia do mercado de motores de aviação

China quer uma fatia do mercado de motores de aviação

Para surpresa de ninguém a China decidiu que já gastou dinheiro demais comprando motores de aviação das empresas ocidentais. Decisão lógica? Criaram uma empresa para criar e construir os próprios motores. Investindo quase 8 bilhões de dólares.

3 anos atrás

292CAA0700000578-3102312-image-a-1_1432898111156

É ótimo brincar que a China é uma grande Deal Extreme, mas não podemos esquecer que eles são uma potência industrial como nunca visto na História da Humanidade. Eles possuem uma capacidade de produção sem igual, e em algumas décadas saíram de uma nação agrária para um país que possui uma estação espacial e já pousou robôs na Lua. A China que faz o produto Xing-Ling é a mesma China que faz o iPhone que todo mundo quer.

Por isso é preciso levar bem a sério o desejo chinês de entrar no ramo de motores de aviação. É algo bem, bem complicado, as empresas do ramo possuem décadas de know-how, não existe motor de aviação mais-ou-menos. Por isso até hoje a China, mesmo nos aviões que fabrica usa motores importados. Qual o peso disso? Nos últimos 4 anos 30% de todas as importações chinesas foram motores de aviação.

Beijing não está contente com isso, e fundou uma empresa para pesquisar desenvolver e construir motores avançados. É a Aero Engine Corp. of China. Qual o tamanho da brincadeira? A empresa tem capital inicial de US$ 7,6 bilhões. Funcionários? 96 mil. Noventa e Seis MIL funcionários. A Pratt & Whitney tem 35 mil funcionários. No mundo inteiro.

Vão conseguir? Digamos assim, criar do zero um motor de aviação é um bruta trabalho de chinês.

Fonte: CNN.

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários