Home » Cultura » Barraco: Apple e Spotify trocam acusações em público

Barraco: Apple e Spotify trocam acusações em público

Spotify acusa Apple de reprovar nova versão de seu app para favorecer o Music; a Maçã responde alegando que o serviço concorrente está mentindo.

3 anos atrás

lavadeiras-lucilia-de-brito

Temos que entender uma coisa sobre a Apple: a estratégia do Jardim Murado funciona muito bem para ela e assim sendo, quem quiser brincar no seu playground deve se adequar às suas regras, sem exceção. Muita gente achou um descalabro a Playboy no iOS não trazer nenhuma mulher pelada, mas Hugh Hefner preferiu perverter seu principal produto a ignorar a plataforma da maçã.

Os serviços de streaming não são exceção. A Apple possui o Music, uma solução própria e é esperado que ela imponha certas condições para concorrentes operarem em sua plataforma de modo a favorecer su próprio produto, só que isso não impediu o Spotify de botar a boca no trombone. De fato nenhum dos lados está muito certo nessa história, mas o Spotify tem menos razão que a maçã.

O rolo se deu na última quinta-feira, quando o Spotify enviou uma carta ao Congresso dos EUA acusando a Apple de se valer de práticas desleais para favorecer seus próprios produtos. Nela a empresa sueca reclama que uma nova versão do app fora barrada como forma de dar preferência ao Music, alegando somente que o Spotify infringia uma “regra de modelo de negócios”. Pouco mais de um ano atrás o Tidal fez uma acusação semelhante contra a Apple, de que ela forçaria um modelo desvantajoso para os concorrentes de modo a torná-los desinteressantes frente À sua própria solução.

Aí você para a pensa “Apple malvada como sempre”, só que o buraco é mais embaixo.

apple-music

Tal estratégia vindo de Cupertino não é novidade, porém a réplica vindo da empresa deixou as coisas um pouquinho mais complicadas. Uma nova carta, desta vez emitida pela Apple pelo SVP e conselheiro-geral Bruce Sewell tratou de esclarecer alguns pontos da declaração do Spotify, dizendo com todas as letras que o concorrente está mentindo (ou “faltando com a verdade”, num termo mais correto). A recusa das últimas versões do app por parte da Apple se deu porque o serviço de streaming removeu a opção de in-app purchases, impedindo que um usuário gratuito faça a assinatura premium de dentro da versão para iOS.

Acontece que como a Apple embolsa 30% de todas as operações financeiras dentro dos aplicativos de sua loja (no caso do Spotify, essa taxa foi reduzida para 15%), o preço da assinatura dentro do app é efetivamente mais caro. Embora o usuário tenha a opção de assinar de fora do aplicativo a maçã não gostou nada de ter uma fonte de renda podada unilateralmente. Dessa forma ela barrou a atualização.

Abaixo, o tweet de Jonathan Price do Spotify revela como o app no iOS se comportará agora. Note que ele não fornece nenhuma opção de assinatura e é isso que desagradou Cupertino.

O que o Spotify não entendeu é que a Apple tem sim o direito de exigir que seu app inclua a opção de assinatura, mesmo que isso signifique um valor mais alto a ser cobrado mensalmente. O serviço deu uma de esperto para não dividir o bolo com a maçã e quer jogar com as próprias regras, e reclama quando a atualização é barrada. A Apple inclusive informa que o app atualmente ainda infringe as regras da App Store, dando a entender que fará nova avaliação para que o Spotify se adeque às normas.

Vamos entender o seguinte: não há mocinhos nessa história. A Apple de fato joga sujo para promover suas próprias soluções mas é preciso entender que é a casa dela, logo quem quiser entrar tem que jogar pelas suas regras. O Spotify se comporta como o convidado que quer ditar ao dono da residência como proceder, o que me lembra o hilário caso recente de um bando de estagiários que resolveram se rebelar contra o dress code da companhia onde trabalhavam. E foram todos demitidos, com razão.

Dessa forma não há como não defender a Apple nessa, com ressalvas. Ela vai fazer de tudo para promover o Music em detrimento de Spotify, Deezer e cia. limitada? Sim, é a casa dela, a maçã dita as regras e não o contrário (enquanto elementos externos não a forçarem a tomar jeito). Ao Spotify só restam duas opções, ou se adequa ou puxa o carro.

Fonte: recode.

relacionados


Comentários