Home » Engenharia » Top Gear estava certo: ciclistas não são confiáveis

Top Gear estava certo: ciclistas não são confiáveis

Lance Armstrong? Nah, totalmente ultrapassado. Os ciclistas picaretas modernos inventaram algo muito melhor: o Dopping Mecânico, instalando motores ocultos em suas bicicletas. Trapaça? Com certeza, mas genial.

4 anos atrás

x4dXRm9

No começo do ano uma competição de ciclismo off-road terminou muito mal pra uma dona chamada Femke Van den Driessche. Essa atleta belga, campeão nacional e européia na categoria teve a corrente de sua bicicleta partida logo no começo da corrida, e como todos que recebemos e-mails sabemos, quebrar correntes traz consequências terríveis.

No caso da Femke as consequências começaram a aparecer quando a bicicleta foi inspecionada e descobriram fios suspeitos saindo do assento. Um exame mais minucioso e acharam algo parecido com isto:

moto-doping

É um motor miniaturizado que vai dentro do quadro da bicicleta e se encaixa no eixo dos pedais. Em termos de física está longe de ser a posição ideal mas funciona muito bem se você tiver o mesmo objetivo da Femke, ocultar a existência da marmotagem.

Sim, Femke Van den Driessche é uma trapaceira. Uma trapaceira linda de 19 anos, mas uma trapaceira.

femke-van-den-dreissche-min

Isso só comprova o que tenho percebido: todos os ciclistas profissionais que conheço são trapaceiros (ok, tecnicamente só conheço ela e o Lance Armstrong). A categoria é altamente competitiva e a arrogância dos atletas faz com que dopping seja comum, mas agora inventaram o Dopping Mecânico.

A briga está tão boa que o fabricante da bicicleta está processando a Femke, por ferrar com a imagem deles (que não vendem bicicletas motorizadas). Ela por sua vez justificou a trairagem dizendo que… wait for it… a bicicleta era emprestada de um amigo.

O caso não é isolado, há um monte de ciclistas trapaceiros usando esses motores, que custam 10 mil euros e são vendidos para uso legítimo, como atletas se recuperando de acidentes, ou em fase inicial de treino.

Os atletas e equipes negam veementemente, mas há toda uma comunidade que acompanha as corridas e percebe comportamentos anômalos, como esta estranhíssima bicicleta que depois de caída começa a se mover de novo:


Nick Squillari — Ryder Hesjedal's motor in bike? stage 7 Vuelta a Espana 2014.

A situação está tão complicada que as autoridades do ciclismo (se é que existe isso) estão usando câmeras térmicas para identificar motores escondidos:

Mechanical-doping-thermal-imaging

Agora o melhor: esses motores são obsoletos, só trouxas pobres usam. Há um esquema que custa 200 mil euros e envolve modificar os pneus, colocando imãs de neodímio presos no aro, cortar os garfos de fibra de carbono, inserir bobinas e fechar.

Essas bobinas são ligadas a uma bateria e uma unidade controladora que por sua vez acompanha o monitor cardíaco do atleta. Se ele ultrapassar um determinado número de batimentos, as bobinas recebem carga e passam a agir como um motor elétrico.

motor4-1024x734

Segundo um engenheiro anônimo que falou com a Gazzetta dello Sport, só ele vendeu mais de 1.200 unidades, com potência entre 20 e 60 watts, capazes de transformar um competidor mediano em um fenômeno. O sistema é indetectável se você não procurar especificamente por ele e várias equipes usam sem conhecimento dos atletas.

O pior dessa história é que o dopping mecânico parece estar tão disseminado que ao menos no ciclismo top é impossível eliminá-lo, os quadros da categoria seriam dizimados. O jeito é fingir que o problema não existe. Funciona pro pessoal da maromba e seus esteróides.

Fonte: Fittish.

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários