Home » Ciência » Robótica » Jia Jia, a robô chinesa que entende linguagem natural

Jia Jia, a robô chinesa que entende linguagem natural

A robô de 3ª geração da Universidade de Ciência e Tecnologia da China entende o que você fala e cumpre ordens, mas não é muito expressiva (embora vaidosa)

3 anos atrás

cyborg

Enquanto alguns tarados constroem fembots na forma de artistas de cinema (o que levantou discussões na internet sobre a viabilidade ou não da homenageada processar o tal por abuso no uso de sua imagem, mas relevo), na China a pesquisa robótica é coisa séria. A natureza é cruel e é muito mais simples produzir robôs não humanos (que andam ou rolam, não importa) mas o sonho de conseguirmos algo próximo de um David ou de uma Cameron irá nos perseguir eternamente.

Os malucos da Universidade de Ciência e Tecnologia da China apresentaram nesta semana um modelo que embora não seja tão avançado, impressiona em sua capacidade de reconhecer linguagem natural.

A robô japinha em questão é a Jia Jia, essa belezinha aqui:

jia-jia-001

Créditos: Xinhuanet

Ela é a terceira geração de robôs interativos desenvolvidos pelos pesquisadores da universidade e é bastante avançada em comparação aos seus antecessores. Primeiro sua aparência é bem mais natural porém há um motivo para isso: os esforços foram concentrados em sua capacidade de reconhecimento de ambiente e interpretação de linguagem natural, seus servo-motores não são tão avançados a ponto de expressar emoções mais complexas.

Ainda assim ela foi direto para o Vale da Estranheza, é inevitável:


Bảo Châu Bùi — Jia Jia - Robot giống người 3

Sim, Jia Jia é bem vaidosa. 🙂

Ela possui conexão com a nuvem e é capaz de receber ordens simples de forma natural, além de fazer movimento mínimos. Ela não anda, robôs humanoides com tal capacidade e que o fazem de forma fluida vão demorar um bom tempo para aparecer, principalmente por termos perdido a dra. Kanako Miura, especialista na área. O Asimo é uma das poucas exceções.

Foram três anos de pesquisa, principalmente para fazer com que suas expressões combinassem minimamente com o que ela fala. Claro que ela ainda parece um manequim, mas os pesquisadores prometem melhorias nesse sentido já na próxima versão. Desde que não imitem o Ricky Ma…

Fonte: Xinhuanet.

relacionados


Comentários