Home » Indústria » Rapidinhas Foxconn: fábrica “para turista ver” na China e demissões em massa no Brasil

Rapidinhas Foxconn: fábrica “para turista ver” na China e demissões em massa no Brasil

Foxconn montará nova fábrica na China aberta a visitantes para melhorar sua imagem; no Brasil, fim da Lei do Bem resulta em quase 500 funcionários demitidos

4 anos atrás

foxconn

A Apple pode tentar o quanto quiser, mas é impossível dissociar a imagem de exploradora da Foxconn. A companhia chinesa, que é bom lembrar monta produtos para uma infinidade de outros clientes de diversos setores de tecnologia é famosa por seu histórico de péssimas condições de trabalho e alto índice de suicídios, sem falar em uma ou outra ação envolvendo estudantes ou graduandos em troca de créditos estudantis, onde aí não precisa pagar nem o pouco que reserva a seus empregados.

Por causa disso a montadora chinesa está disposta a mudar essa imagem, ao menos para os turistas que estiverem dispostos a visitarem suas instalações. Mas claro, nem tudo é o que parece.

Não é de hoje que a Foxconn tenta mudar sua imagem. No ano passado a fábrica de Shenzhen foi aberta à visitação de jornalistas norte-americanos, mas como era de esperar da China toda a ação foi fortemente controlada, os visitantes não foram permitidos a entrar e nem visualizar o chão de fábrica ou de andar livremente. Ou seja, só viram o que a Foxconn quis mostrar.

Agora a montadora está com planos de instalar um novo centro de manufatura na província de Jiangsu, onde está a capital Pequim. A nova unidade seria uma “fábrica de turismo tecnológico” especialmente preparada para receber visitantes, que testemunhariam em primeira mão novos produtos saindo da linha de montagem. Claro que não será nada como um iPhone ou um PS4, mas ela daria o direito do turista comprar os itens recém montados na loja que será instalada na fábrica, mais especificamente TVs LCD. Ela contará também com um home theater, uma enfermaria e um playground para as crianças, como se fosse um parquinho mesmo.

Claro que só sendo muito ingênuo para acreditar que a Foxconn irá mudar seus métodos, mas ao menos os chineses estão tentando mudar sua imagem por lá. Já por aqui…

foxconn-brasil-jundiai

Unidade da Foxconn Brasil em Jundiaí

Os efeitos da Lei do Bem já estão sendo sentidos pela população, e não falo apenas do fim dos preços camaradas. A unidade da Foxconn Brasil, instalada em Jundiaí anos atrás foi tratada com toda a pompa pela presidente Dilma e o então ministro de Ciência e Tecnologia Aloizio Mercadante por permitir a montagem de iGadgets no país e como consequência (na cabeça deles) permitir a redução dos preços.

Na prática ela nunca mostrou a que veio, subsídios foram retirados, a Apple nunca reduziu um centavo do preço e para piorar os chineses tentaram importar seu MO para cá, o que não deu muito certo. Agora, com o fim do Programa de Inclusão Social a demanda das fabricantes foi reduzida, já que as pessoas estão apertando os cintos e não estão comprando tantos dispositivos móveis. Resultado, a Foxconn Brasil está cortando gastos.

Claro, isso significa passaralho: de acordo com informes a unidade da Foxconn em Indiatuba demitiu 480 funcionários que trabalhavam na linha de montagem de smartphones da Sony Mobile, e mais 200 rodariam até junho. Não há muito o que fazer, como o governo cortou subsídios e os preços dispararam, a tendência é o mercado esfriar e a demanda diminuir, e os cortes só continuarem.

relacionados


Comentários