Home » Ciência » Engenharia » Engenheiros criam o Drone Subvoador

Engenheiros criam o Drone Subvoador

A rigor não é novidade criar drones que voam e afundam, tenho um amigo que tem um (sorry, Henrique) a novidade é o drone afundar E voltar a voar. Foi o que o pessoal da Universidade Rutgers criou.

3 anos atrás

sub5

Em Viagem Ao Fundo do Mar a nave auxiliar do submarino futurista SeaView (que todo mundo na época falava “Civil”) era o subvoador, um veículo em forma de arraia, capaz de voar e submergir. Na prática são dois problemas fundamentalmente diferentes e opostos.

Um avião precisa ser o mais leve possível, um submarino precisa ser forte e resistente para sobreviver à pressão. E se você criar uma estrutura de materiais compostos, o submarino ficará leve demais. Terá que usar asas para submergir, mas as asas em um avião funcionam em sentido oposto. Geram sustentação, não submersão, o que seria péssimo aliás na Ponte Aérea.

Uma solução é esquecer isso tudo e pensar em termos mais práticos. Como fizeram estudantes de engenharia da Universidade Rutgers, de Nova Jérsei. Eles, com uma verda da Marinha exploraram o problema de criar drones anfíbios, e deu certo.

Underwater2_618x400

Com dois conjuntos de rotores, o de baixo, girando invertido proporciona inicialmente força de submersão, e debaixo d'água auxiliam na propulsão. Um drone assim pode chegar muito mais rápido a um local de acidente ou um alvo, mergulhar e cumprir sua missão.

Rutgers Today — New Underwater Drone Flies AND Swims

As pesquisas ainda estão em fase inicial, o próximo passo é criar um sistema de comunicação melhor do que fios, que funcionam bem para torpedos mas drones precisam de mais agilidade. A parte ruim é que ondas de rádio são notoriamente ruins de usar dentro d'água (algo a ver com fótons molhados) e a alternativa é usar algum tipo de comunicação por sonar.

Só que com a velocidade do som na água sendo de 1.484 m/s o ping ficaria intolerável, imagine um drone a 5 km de distância e você levando mais de 6 s para ter um comando confirmado. Esse drone terá que ser muito mais autônomo que qualquer quadcóptero.

De resto, quando aparecer na DX versão mais baratinha que os US$ 618 mil que a Marinha está investindo no projeto, vai fazer o maior sucesso levar um pro clube pra tirar fotos dentro da piscina. 😉

Fonte: Neatorama.

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários