Consoles portáteis: o fim da estrada?

ps-vita-new-3ds

Outrora símbolos da jogatina de bolso, os consoles portáteis vêm perdendo cada vez mais espaço conforme os anos vão se passando. A evolução galopante dos smartphones e tablets, aliada à sua multifuncionalidade e preços irrisórios de seus títulos fizeram com que os dispositivos dedicados fossem devorados pelos seus rivais, e pelo andar da carruagem o futuro não parece que será muito diferente.

A geração de portáteis anterior, capitaneada pelo Nintendo DS e seguida de longe pelo Sony PSP vendeu muito bem, só que ela viu no meio de seu ciclo de vida a ascenção dos smartphones como dispositivos multitarefa que podiam fazer de tudo: desde ligações a gerenciamento e produtividade a claro, rodar games. Embora simples no início, os valores muitas vezes inferiores aos títulos dos portáteis acabaram por atrair uma grande quantidade de pessoas que só queriam jogar e se distrair, sem ter que gastar muito. Claro que não podemos nos esquecer das microtransações, hoje presentes em todas as plataformas mas no começo o valor final de um título era um fator determinante para muitos abrirem mão de seus portáteis.

Ainda assim a indústria e o público fiel resistiram. Disseram que jogos mobile não teriam nunca a precisão de um controle dedicado, que eram simples, bobos e feitos para jogadores casuais. Portanto os smartphones e tablets não representavam uma ameaça para o mercado. Ainda assim, a partir de 2009 o market share dos handhelds começou a diminuir.

Até que chegou este dia:

Epic Games & Chair Reveal “Project Sword” at Apple Special Event

Quando a Epic Games demonstrou o primeiro demo de Project Sword no evento especial da Apple em 2010, game que viria a se tornar Infinity Blade todo mundo ficou de queixo caído, inclusive Steve Jobs. O então CEO da maçã sabia que seu smartphone era poderoso, mas nunca sequer cogitou que ele seria capaz de entregar gráficos e jogabilidade tão bons como um portátil fazia com títulos mais elaborados, se aproximando até mesmo de um console de mesa. Naquele dia ele se tocou que Cupertino tinha no iPhone e no iPad dois excelentes dispositivos para games AAA e desde então a Apple tratou de posicionar ambos como grandes plataformas do mercado de games.

A indústria mobile inteira correu atrás e acabamos com um cenário onde games grandiosos rodam nos aparelhos que carregamos para todo lado. A Nintendo, que havia revelado o 3DS na E3 daquele ano e a Sony, que estava trabalhando no PS Vita não levaram a possibilidade futura de uma mudança no cenário a sério, ainda batiam na tecla que os portáteis eram imbatíveis por diversos fatores. Pagaram para ver, e o resultado é este:

chart

Cada vez mais consumidores gastam mais com games nas lojas mobile do que nos portáteis, principalmente com títulos que giram entre free-to-play e valores irrisórios, bem abaixo dos full-price da concorrência. O 3DS, embora esteja vendendo muito bem ainda não superou seu antecessor, e o mesmo vale para o PS Vita. A Nintendo se defende, diz que o console vendeu mais que o PS4 e o Xbox One juntos (o que é uma bela falácia, ele foi lançado dois anos e meio antes) e afirma que não irá a lugar nenhum, mas a Sony já reconheceu que o mercado hoje é bem diferente, e talvez investir em uma nova plataforma móvel não seja o melhor a fazer no momento.

Independente de jogos elaborados ou não, os estúdios se tocaram que diferente do que acontece com o 3DS e o Vita, todo mundo já anda com seus smartphones. Explorar esse público e torná-lo consumidor ávido de joguinhos se tornou essencial, e hoje temos players como Rovio, Supercell, King e GungHo enchendo as burras de grana.

O jogador hardcore, aquele que batia no peito que controles físicos eram o máximo e uma tela touch nunca traria uma precisão igual nunca se tocou, mas a indústria sim: nem o melhor kit de botões e joysticks pode competir com a maioria do mercado, com onde o dinheiro está. Esses jogadores não são mais a regra, são a exceção. E exceção não dá lucro, portanto serão abandonados em prol de manter as finanças em dia. Aceitem que dói menos, o mercado mudou.

O futuro? A Sony não está animada para lançar um novo portátil e dado o que ela fez com o Vita, é provável que ela jogue a toalha. A Nintendo, que embora pareça resistir também é uma empresa como qualquer outra, e percebeu a mudança na direção do vento: o NX, seu próximo console de mesa dá fortes indícios de que será uma plataforma híbrida, sem falar na parceria com a DeNA para levar seus títulos para smartphones e tablets. Ainda que não sejam suas franquias mais valiosas, tal movimento não seria sequer cogitado em outros tempos. Mas como a água bateu no pescoço…

Relacionados: , , , , , , , , , , , , , ,

Autor: Ronaldo Gogoni

Profissional de TI auto-didata, blogueiro que acha que é jornalista e careca por opção. Autor do Meio Bit e Portal Deviante, podcaster/membro fundador/Mestre Ancião do SciCast e host/podcaster do Sala da Justiça.

Compartilhar

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto Frio Peças, Cupom de desconto Mundo da Carabina, Cupom de desconto JBL, Cupom de desconto Costa Cruzeiros, Cupom de desconto Loja do Mecânico, Cupom de desconto Staples