Home » Áudio e vídeo » Trek is Back, baby!

Trek is Back, baby!

Aconteceu! Depois de longos dez anos uma nova série de Star Trek foi anunciada, com estréia para janeiro de 2017. Vai demorar, mas vejam pelo lado bom, trekkers: o JJ arrumou um star warszinho no meio pra distrair a gente enquanto isso!

4 anos e meio atrás

hipercronicas_Star_Trek_USS_Enterprise_in_Earth_orbit_divulgacao

Até setembro de 1966 seriados de ficção científica na TV eram poucos e voltados para crianças não muito inteligentes. A Ficção que vicejava na literatura não era a mesma que chegava em casa. Na estante Asimov e Clarke, na televisão Dr Who e Perdidos no Espaço.

Com Jornada nas Estrelas descobrimos todo um Universo intrincado, com diversas raças, gente que resolvia os problemas usando inteligência (Scotty já usava a ciência até fazer bico antes do Matt Damon nascer) e diplomacia. Enquanto o Vietnã pegava fogo Jornada nas Estrelas pregava a primeira-diretriz de não-interferência.

Cyborgs-Locutus2

Enquanto hoje tem gente que reclama (da forma errada) por diversidade e inclusão na ficção científica, em 1966 Jornada nas Estrelas mostrava mulheres, russos, japoneses e negros interagindo com profissionalismo e respeito.

De lá para cá Jornada nas Estrelas, em suas 6 encarnações foi uma série criada para fazer pensar, trabalhando de formas diretas ou alegóricas os mais variados temas sociais, exaltando mérito, lealdade, amizade e outros valores positivos. Mesmo em Deep Space Nine, sua visão mais Dark, Star Trek não deixou de seguir a proposta original: ser uma visão otimista do futuro.

Hoje, cercados de distopias, é algo que faz falta.

O último episódio de uma série da franquia foi ao ar mais de 10 anos atrás, em 13/5/2005. Enterprise se despedia com um episódio decepcionante, apesar de estar em sua melhor temporada.

maxresdefault (2)

Durante dez anos não tivemos episódios como The City on the Edge of Forever, que ousou questionar o pacifismo cego, ou The Measure of a Man, quando tiveram que decidir se máquinas sencientes têm direitos, ou The Inner Light, onde Picard passa uma vida inteira em alguns minutos, tendo que lidar com a perda dessa vida depois.

Chain of Command é uma discussão sobre tortura e como isso afeta os sobreviventes. Devil in the Dark é um Monstro da Semana onde no final os monstros são os humanos. Em Nothing Human o médico da Voyager cria uma versão holográfica de um médico cardassiano para ajudá-lo a salvar uma paciente. Só que o tal médico era um criminoso de guerra que fazia experimentos com prisioneiros. Seria válido usar esses conhecimentos?

STDS9-582x388

Em Tuvix dois personagens se fundem em um acidente de teletransporte, criando uma terceira entidade. reverter o processo significaria efetivamente matar um ser racional. É válido tirar uma vida para salvar duas?

Star Trek ensinou que as necessidades da maioria se sobrepõe às necessidades da minoria, ou de um só, mas também ensinou que acima de tudo isso há a lealdade pessoal, e que o mundo não é preto e branco. Mesmo assim o mundo do Século XXIV é um mundo onde você é reconhecido por suas capacidades, seus talentos e habilidades, um mundo onde ninguém olha de lado ou discrimina outra pessoa por causa de cor, sexo raça ou espécie.

Agora, para alegria de todos Star Trek vai voltar. Foi anunciado que Alex Kurtzman, roteirista do reboot da franquia nos cinemas e produtor de séries como Fringe foi escolhido para ser produtor-executivo, showrunner de uma nova série de Jornada nas Estrelas.

3f448330857e4ca7ba40ab5465a3c2cb62cdb98c

Ainda não há nada, nem roteiristas, nem conceito, nada, exceto a vontade e no caso isso basta. Em janeiro do Ano Que Vem (2015 já acabou, aceite) estreará na CBS a nova série, mas só o primeiro episódio. Os outros serão veiculados na CBS All Access, o serviço de streaming da emissora.

Curioso como dois ou três anos atrás a idéia de uma série feita direto pra streaming seria sinônimo de desastre mas hoje temos Demolidor, House of Cards, OITNB e tantas outras de sucesso.

Esperemos que essa nova série ache seu espaço na internet, sem a pressão dos anunciantes e da emissora obcecada com audiência. Star Trek tradicionalmente demora a achar sua voz, e Enterprise morreu por impaciência da emissora. Se tudo der certo, e os fãs colaborarem, essa nova série tem tudo para ter uma vida longa e próspera.

Fonte: Star Trek.

 

relacionados


Comentários