Home » Ciência » A primeira StartUp trilionária irá nos salvar do afogamento

A primeira StartUp trilionária irá nos salvar do afogamento

Vivemos um tsunami de informações, hoje não conseguimos aproveitar nem uma fração de tudo que chega até nós. É hora de alguma startup preencher esse nicho, descobrindo uma forma de coletar filtrar hierarquizar e exibir acontecimentos em tempo real, sem redundância, spam ou alarmes falsos. Quem fizer isso está rico.

4 anos atrás

darkknightwall

Toda vez que acontece alguma grande tragédia eu gosto de fuçar o Twitter e coletar informações. Invariavelmente todo caso começa com uma ou duas referências, se espalha, mais gente começa a compartilhar informação local, então começa a segunda leva. Aí a informação original é recompartilhada, às vezes traduzida. 

A terceira fase começa quando um perfil de notícias online, daqueles sem muita credibilidade reporta o caso. Nesse momento outros perfis de notícias replicam o primeiro e a fonte passa a ser o que tem mais nome. As pessoas então replicam a informação desses perfis. Note que a informação original não se alterou nem foi adicionada de novos dados.

Os grandes portais então entram, as pessoas repassam mais e mais, em seguidas os spammers sequestram as hashtags e a informação nova postada se perde no meio de milhões de tweets diferentes replicando o mesmo conteúdo.

Imagine então que isso se repete em dezenas de outras redes sociais, blogs, fóruns e sites de fotos. Dependendo do acontecimento, em poucos minutos o tempo de mineração até achar informação nova se torna proibitivo.

Matrix_I_basecamp_h1

Estamos afogados em dados, mesmo no campo individual. Meu arquivo de fotos pessoais, tiradas por mim, tem 22.594 imagens. 100% delas depois do lançamento da Sony P31. Todo dia que bebo rezo pro álcool afetar áreas menos nobres, como o córtex motor, e não afetar a zona de memória onde organizo essa zona. Não há outro meio eficiente de catalogar esse tipo de informação, não ao alcance do usuário rasteiro.

Precisamos de ferramentas que façam o trabalho de curadoria. Antigamente isso se chamava imprensa, mas como perceberam que não têm agilidade suficiente preferem fazer posts sobre ratos comendo pizza, né G1?

Imagine algoritmos inteligentes que vasculhem redes sociais atrás de eventos como incêndios, terremotos, asteróides, explosões. Esses algoritmos detectariam a importância do evento, começariam a recolher e analisar posts levando em conta proximidade geográfica, cronológica, conteúdo multimídia, que também seria analisado e montaria uma compilação dos fatos, não dos tweets ou posts ou fotos.

Novos posts seriam continuamente analisados, mas somente a nova informação real seria adicionado à curadoria. Isso eliminaria a redundância, o spam e os trending topics, a maior inutilidade do Twitter.

É possível? Com certeza, mas não é fácil, ou alguém já teria feito, mas mesmo assim é preciso tentar. Temos toneladas de informação fluindo diariamente, informação essa que pode ser usada para incontáveis fins, e só analisamos uma fração mínima, da forma mais superficial.

Estamos vivendo uma revolução semelhante ao surgimento da Estatística. Os dados sempre existiram era questão de coletar e tabular, e feito isso ganhamos o poder de estudá-los, identificar problemas e propor soluções. A informação está aí, o difícil é coletar.

E esse difícil vai render muito, muito dinheiro.

relacionados


Comentários