Home » Cultura » Efeito Taylor Swift? Prince resolve retirar quase todas as suas músicas dos serviços de streaming

Efeito Taylor Swift? Prince resolve retirar quase todas as suas músicas dos serviços de streaming

Efeito Taylor Swift: o cantor Prince manda retirar suas músicas do catálogo de serviços de streaming como Deezer, Spotify e Rdio.

4 anos atrás

Laguna_Prince_Purple_Rain

Streaming, ó aqui pra vocês (crédito: Engadget)

Duas semanas atrás a bonitinha da Taylor Swift escreveu um textão™ contra os três meses gratuitos do Apple Music. Dizia defender artistas independentes mesmo com a família sendo dona de gravadora, mas ok. De qualquer forma, a cantora lourinha conseguiu fazer com que a Apple pagasse aos artistas pela execução das músicas no período gratuito do serviço de streaming.

Forçando ainda mais a inimizade com o streaming de músicas, outro artista preferiu evitar a fadiga: o artista conhecido como Prince resolveu retirar dos principais serviços de streaming toda a sua discografia. Você não vai mais encontrar os álbuns completos com o símbolo impronunciável do amor no Deezer, Spotify e Rdio.

Como as músicas do Prince já não estavam disponíveis no Apple Music, restam então o Google Music (no YouTube só restaram uns poucos clipes oficiais dele) e o serviço de streaming do Jay-Z, o Tidal. O esquisito da história toda é o artista disponibilizar sua nova música HardRockLover no SoundCloud (um streaming gratuito) e eliminar tantas outras opções de uma só tacada.

Estamos a falar apenas de streaming: as músicas do Prince continuam disponíveis para venda em serviços como a iTunes Store, por exemplo. Mesmo ele achando a internet ruim para a música, não vai sair da rede totalmente se o dinheiro continuar entrando de boa.

Se a indústria começar a ter exclusividades demais deste ou daquele artista, mataremos o futuro do modelo de negócios — simples assim. As pessoas pagam pela nosso serviço pois elas querem todas as músicas favoritas em um só lugar. Forçar os consumidores a pagarem três ou quatro serviços de streaming para conseguirem todas as músicas favoritas vão levá-los de volta à pirataria.” — Hans-Holger Albrecht, CEO do Deezer

Embora não sejam uma tecnologia nova, os serviços de streaming de música viraram mesmo uma febre recente graças aos aplicativos para smartphone e belas franquias de internet lá na civilização. O ideal mesmo seria ter apenas um só, mas são várias as opções a serem consideradas.

Aliás, mesmo no ramo do streaming de vídeo, a Netflix vem recebendo concorrentes de peso na civilização. Se antes pagávamos apenas a assinatura da TV para evitar a programação das horríveis emissoras abertas, agora pagaremos a conta de internet incluindo streaming de vídeo de um lado e o streaming das músicas de outro.

Fontes: Tech Crunch e The Verge.

Leia também:

relacionados


Comentários