Home » Games » Mobile » Jogos mobile? Até o CEO da GungHo prefere jogar nos consoles

Jogos mobile? Até o CEO da GungHo prefere jogar nos consoles

CEO da empresa responsável pelo megassucesso Puzzle & Dragons diz que prefere jogar nos consoles, então quem sou eu para dizer o contrário.

5 anos atrás

Puzzle-&-Dragons

Sei que muitas vezes pareço chato em relação aos jogos mobile, mas o fato é que nunca consegui me dedicar a games em um tablet ou smartphone, pois mesmo aceitando que alguns deles podem funcionar muito bem em uma tela sensível ao toque, ainda prefiro um portátil dedicado.

Contudo, pelo jeito eu não sou o único que ainda acha muito melhor gastar o tempo com títulos geralmente mais complexos disponíveis em outros aparelhos como consoles, já que de acordo com uma entrevista concedida por Kazuki Morishita, CEO da GungHo, jogos mobile não chamam sua atenção.

Com um faturamento que superou a marca de US$ 1 bilhão, a empresa responsável pelo megassucesso Puzzle & Dragons é dona da Grasshopper Manufacture e da Game Arts, e durante a E3 o homem a frente deste império disse claramente que só joga títulos criados para consoles, falando um pouco sobre o mercado de jogos para dispositivos móveis.

De um ponto de vista de criador, é sempre melhor ter uma quantidade igual de títulos em plataformas diferentes. Isso cultiva sua criatividade e o ajuda a surgir com novas ideias. É bom para o processo criativo. Em termos de mobile, as pessoas que jogam títulos mobile, muitas delas tenho certeza que nunca pegaram num controle. O mercado mobile é interessante desta maneira. Ele está alcançando pessoas que nunca foram gamers por si só.

O interessante é que mesmo com todo o esforço que muitos estúdios estão fazendo para acabar com essa distinção entre os mercados e vários estúdios tradicionais tentando conquistar uma fatia deste bolo, mesmo aqueles que trabalharam na área parecem ainda ter um certo tipo de preconceito com aquilo que está sendo desenvolvido para tablets e smartphones.

Acredito que grande parte da culpa por isso seja a enxurrada de jogos de grande porte e péssima qualidade que são lançados constantemente para esses aparelhos, assim como o modelo de negócio adotado pelas empresas, fazendo com que tenhamos a impressão de que tudo o que recebe o selo mobile não passa de uma bela porcaria ou um mero caça-níqueis.

Seja como for, por enquanto continuarei me divertindo no PC, num console ou mesmo em um portátil, torcendo para que no futuro a indústria não seja feito apenas de Hearthstone, Angry Birds e Puzzle & Dragons.

relacionados


Comentários