Home » Internet » Twitter descobre o óbvio e prepara serviço com curadoria de jornalistas

Twitter descobre o óbvio e prepara serviço com curadoria de jornalistas

O Jornalismo Morreu? Bem, se você conhece as regras sabe que qualquer título em forma de pergunta a resposta é automaticamente não. O jornalismo não morreu com a internet, está voltando com tudo. Várias empresas estão montando estruturas de curadoria, para agregar informações de forma eficiente e confiável, sem perda de agilidade. Agora é a vez do Twitter, com um projeto que evitará que você veja fotos de um helicóptero de combate caído na Pior Coréia sendo repassada como o acidente do avião do Eduardo Campos.

4 anos atrás

all_the_presidents_men

Costumo usar o termo “jornaleiro” de forma pejorativa, para me referir ao segmento da imprensa cujo único objetivo na vida é vender jornal, dane-se o conteúdo. Essa postura infelizmente é estimulada pelas empresas e pelos leitores que financiam essa bosta. Daí você vê sites que colocam lado a lado matérias de correspondentes cobrindo a guerra civil na Ucrânia e… isto.

A crítica ao jornalismo é ao jornalismo caça-cliques, à buzzfeedificação do jornalismo com títulos “Você não vai acreditar no que Vladmir Putin fez com seus mísseis nucleares”, é uma crítica ao Huffington Post, que quer ser referência jornalística tendo uma editoria “Sideboob”.

Esperamos mais do jornalismo e dos jornalistas, idealizamos nomes como Woodward e Bernstein. Nos quadrinhos Clark Kent faz diferença, mesmo quando o único poder que usa é digitar mais rápido.

Esse sentimento foi muito bem representado no pedido de desculpas de Will McAvoy, em The Newsroom.

A idéia de que redes sociais mataram ou matarão o jornalismo é idiota. Rede Sociais são Miojo, jornalismo de verdade é a Nigella.

nigella-lawson1-1386239944-view-1

Imagem gratuita da Nigella.

O jornalismo investigativo, opinativo, o jornalismo ponderado e racional não irá morrer. A Apple sabe disso, tanto que dispensou soluções automáticas e está contratando jornalistas de verdade para fazer a curadoria de seu serviço de notícias.

O YouTube se associou com o Storyful e lançou o Newswire, um canal com curadoria com matérias verificadas por jornalistas de verdade, não algoritmos.

Agora foi a vez do Twitter. Convenhamos, ele é excelente, maravilhoso para acompanhar eventos em tempo real, mas isso demanda uns três pés atrás por parte do usuário.

Primeiro, hashtags são inúteis. Pronto, falei. Isso mesmo. Essas porcarias que o Laguna me obriga a colocar não servem pra nada. No Twitter toda tag de grandes acontecimentos passa pelos estágios:

  • 1 — 2.343.242 tweets sobre o acontecimento cada um com uma tag
  • 2 — tweets começam a unificar e por uns 15 min duas ou três tags são usadas
  • 3 — ativistas sequestram tags para causa própria, “#charleston ninguém pensa nos pandinhas mortos pelo aquecimento global? #GreenPeace2015
  • 4 — spammers usam as tags “Enlarge Your P3N1s #koni2012

·  
Segundo, tags são agnósticas, não ligam se é um sujeito no meio do terremoto ou um idiota a 10 mil km de distância dizendo que é culpa do HAARP.

british-tabloid-malaysia-airline-missing

Terceiro, a quantidade de espíritos de porco que adoram zoar huehuehue tragédias é imensa. Seja idiotas subindo fotos de dentro do avião da Gol, seja imagens aleatórias de tsunamis e terremotos anteriores, há um prazer mórbido em enganar um site grande e ver sua desinformação no ar.

A curadoria por jornalistas evita a informação repetida E a informação de baixa qualidade. Mesmo com a agilidade que a internet exige é possível manter um alto nível de confiabilidade, a não ser que você seja a Globo News com seus estagiários, claro.

O Projeto Lightning do Twitter permitirá que você acompanhe eventos, não apenas pessoas ou tags. Editores selecionarão tweets com imagens, vídeos e informações, compilarão esses dados e disponibilizarão de forma autenticada.

É algo que os usuários mais experientes já fazem, mas é trabalhoso. Muito melhor ter uma equipe de profissionais sérios do que passar meia hora pesquisando se a imagem que o @bigusdickus4231 postou da Ucrânia é atual ou antiga, e da Bielorrússia.

No final temos o melhor de dois mundos: a informação via curadoria e a fonte bruta, para quem desconfia de tudo e todos. Entre mortos e feridos salva-se o menino jornalismo. Os boatos de sua morte foram um tanto exagerados.

Fonte: Reuters.

relacionados


Comentários