Home » Ciência » Destaque » Estamos perdidos: Cheetah do MIT já pula obstáculos

Estamos perdidos: Cheetah do MIT já pula obstáculos

Não adianta mais correr: Cheetah, robô do MIT desenvolvido com fundos do DARPA e uma mãozinha da Boston Dynamics já é capaz de saltar obstáculos sozinho

4 anos atrás

mit-cheetah

Hoje eu não tenho mais tanta certeza quem vai causar o apocalipse robótico: se o Google, dono da Boston Dynamics, a DARPA ou o MIT. Os três centros de pesquisa vêm apresentando projetos de autômatos cada vez mais sensacionais, capazes de se virar em terrenos acidentados, transportar carga, correr a velocidades incríveis e muito mais.

No último quesito já vimos dois projetos da Boston Dynamics, o WildCat e o Cheetah, este último correndo a 47 km/h. A diferença entre o primeiro e o segundo é que o guepardo-robô do Google, mesmo sendo mais rápido só correu em laboratório.

O Cheetah foi aperfeiçoado pelo MIT e o projeto também possui as mãos da Boston Dynamics, num intuito de torná-lo mais eficiente e fidedigno ao animal que o batizou: dotado de tendões de kevlar para retornar as patas à posição original ele gasta muito menos energia, sem contar a coluna que lhe permite mudar de trote para galope quando atinge certa velocidade:

Biomimetics MIT — MIT Cheetah runs at 22 km/h, Gait transition from trot to gallop

Uma coisa que ele não fazia, porém era identificar e evitar obstáculos. Ele já era capaz de pular mas sem os componentes necessários isso e nada era a mesma coisa. Até agora é claro: equipado com um sensor LIDAR (Light Detection and Ranging) no “focinho”, a segunda versão do Cheetah é capaz de identificar obstáculos, estimar a distância, ajustar o passo e pular. Tudo de forma autônoma, não há ninguém apertando botões numa mesa.

Hoje o Cheetah 2 é capaz de saltar barreiras de até 45 cm, quase metade de sua altura mantendo uma velocidade constante de 8 km/h. A meta é fazê-lo chegar a até 50 km/h, bem como tornar o robô capaz de pular obstáculos em terrenos macios, como gramados ou campos abertos. Isso demanda um trabalho maior, pois o Cheetah terá que fazer uma maior força para saltar.

Ainda assim a pesquisa é impressionante: com uma média de 90% de saltos bem-sucedidos (em laboratório foram 70%, a desculpa é a maior área disponível para fazer os cálculos) o Cheetah tem tudo para se tornar o batedor dos pesadelos de muitos terroristas num futuro não muito distante. Veja o vídeo:

Massachusetts Institute of Technology (MIT) — MIT cheetah robot lands the running jump

Fonte: Phys.org.

relacionados


Comentários