Home » Ciência » Base do Brasil na Antártica ganha novas antenas de telecom, cortesia Alcatel-Lucent e Oi

Base do Brasil na Antártica ganha novas antenas de telecom, cortesia Alcatel-Lucent e Oi

Nokia compra Alcatel-Lucent por US$ 16,6 bilhões. Essa francesa é a mesma empresa que acabou de instalar, junto à Oi, novas antenas na Estação Antártica Comandante Ferraz.

4 anos e meio atrás

Laguna_Nokia_buys_Alcatel-Lucent

Michel Combes (Alcatel-Lucent) e Rajeev Suri (Nokia) na coletiva de imprensa (crédito: NYT)

Os rumores se confirmaram: a outra Nokia comprou mesmo a Alcatel-Lucent. Foi um investimento de 16,6 bilhões de dólares e a nova empresa resultante dessa fusão será a segunda maior do mundo no setor de infraestrutura de telecomunicações, à frente da Huawei e atrás somente da Ericsson.

A fusão entre Nokia e Alcatel-Lucent resulta numa companhia com 35% do mercado europeu e 16,9% do mercado global de telecom. Embora rumores digam que a parte Nokia esteja planejando voltar aos smartphones através de licenciamento da marca ou mesmo cogitando a venda da HERE Maps para a Apple, o certo é que a finlandesa pretende se concentrar na infra de telecom. Que o diga também a parte Alcatel-Lucent (ou ALU para os íntimos).

Laguna_Alcatel_Lucent_Antarctica

Engenheiros brasileiros na base do Brasil na Antártica (crédito: Alcatel-Lucent)

No Brasil, a operadora Oi é uma das principais clientes da ALU. E entre os clientes da Oi (agradeçam às licitações mais antigas), temos a Marinha Brasileira, mais especificamente a Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF) no Polo Sul.

Em 2012, essa base do Brasil na Antártica sofreu com um terrível incêndio. Na época, o Ministério de Ciência e Tecnologia teve que se virar para conseguir parcos R$ 4,3 milhões para realizar os mínimos reparos necessários e assim a EACF voltar a funcionar em caráter emergencial.

Em 2013, durante a reconstrução apenas da estação de telecomunicações, engenheiros da Oi e da Alcatel-Lucent ofereceram à Marinha um pacote completo de internet banda larga, televisão por satélite e, óbvio, telefonia. Para isso teriam que reconstruir a infraestrutura do zero.

Imagine essa equipe longe da família durante meses, enfrentando neve, chuva e ventos de até 250 km/h em barracas… Imagine isso à noite nos dias em que não podiam retornar ao navio da Marinha. Fizeram tudo para trazer algum conforto tecnológico aos cientistas e militares que ficaram um ano inteiro sem internet na ilha. O trabalho terminou no começo de 2014, com um porém: graças à verba apertada, tiveram que economizar nas antenas.

Agora em março os engenheiros da Oi e ALU foram à Antártica para instalar novas antenas e, segundo o IDG Now, essas novas antenas têm 3,8 metros de diâmetro e pesam juntas 4,5 toneladas. Foi um trabalho de instalação que durou 28 dias e foi realizado em temperaturas de até – 30 ºC por 2 engenheiros da Oi e 2 da ALU.

Aqui no Brasil podemos ter milhares de consumidores insatisfeitos com os serviços da Oi, mas ao menos com um cliente como a Marinha, a operadora agora 100% brasileira parece tentar fazer o melhor trabalho possível para os militares. Isso considerando que a Oi é bem endividada.

Sobre a outra Nokia, leia também:

relacionados


Comentários