Home » Áudio e vídeo » YouTube Kids é acusado de enfiar ads goela abaixo dos pequenos

YouTube Kids é acusado de enfiar ads goela abaixo dos pequenos

Associações de pais dos EUA levarão denúncia à FTC contra o app YouTube Kids, acusando-o de mesclar ads à programação de forma que as crianças não percebam

4 anos e meio atrás

youtube-kids

Parecia uma boa ideia a princípio. O YouTube Kids (que ainda não está disponível no Brasil) nasceu com a ideia de ser uma plataforma especialmente voltada às crianças, com vídeos e funções interativas para que os pequenos de até dez anos possam aprender brincando. Só que como é do Google que estamos falando, seria ingênuo demais acreditar que a empresa não tentaria fazer dinheiro através de mais um de seus produtos.

Só que para algumas associações de pais e mestres dos Estados Unidos as coisas estão um pouco além do limite. Grupos locais pretendem levar uma denúncia formal à FTC (Federal Trade Association), dizendo que o app expõe as crianças a uma quantidade bem alta de propagandas.

O grande problema está no conteúdo fornecido pelo YouTube Kids. Se por um lado ele oferece inúmeros vídeos legítimos, educacionais e divertidos para as crianças, por outros há uma grande quantidade de ads sendo exibidos de empresas grandes como McDonald’s, Hasbro e Mattel. O intuito é simples, oferecer seus produtos para as crianças. De acordo com a denúncia o problema não fica restrito apenas às propagandas: pais têm relatado ter dificuldades em filtrar o que seus filhos podem ou não assistir, já que os próprios apresentadores endossam produtos em seus programas.

Nos Estados Unidos existem regras que batem forte em canais e propagandas infantis que passem do limite, e os grupos responsáveis pela denúncia acreditam que o YouTube Kids as está desrespeitando. O interessante porém é saber que o app passou pelo escrutínio de instituições como o Common Sense Media e a Family Online Safety Institute quando do lançamento do serviço em fevereiro, e ambas deram sinal verde. Portanto, há grandes chances que o Google tenha mudado a forma que o app entrega conteúdo às crianças depois, a fim de introduzir seus ads da maneira que achava melhor — e que não seria aprovada em primeiro lugar. Dizer Do No Evil quando é o Google quem define o que é maligno é fácil.

Como se não bastasse o YouTube Kids está sendo acusado de violar suas próprias diretrizes: por exemplo, propagandas de produtos alimentícios não seriam permitidas, mas o McDonald’s está lá.

Em comunicado um porta-voz do YouTube disse apenas que durante o desenvolvimento do app “foram consultados inúmeros parceiros e grupos de defesa de privacidade da criança”, e completa dizendo que a empresa está “sempre aberta a comentários”.

Fontes: LA Times e Bloomberg.

relacionados


Comentários