Home » Games » Sem o ICO, talvez nunca tivéssemos visto o Bloodborne

Sem o ICO, talvez nunca tivéssemos visto o Bloodborne

Diretor do Demon's Souls, Dark Souls e do recém-lançado Bloodborne conta em entrevista que se não fosse o jogo ICO, talvez nunca tivéssemos visto a criação de tais títulos.

5 anos atrás

ico

A primeira vez que vi o ICO rodando em um PlayStation 2 fiquei encantado com tudo o que estava acontecendo ali. O que eu não imaginei na época era o quão influente aquele título se tornaria, com várias das ideias de Fumito Ueda sendo aproveitadas em outras criações e até mesmo fazendo com que alguém como Hidetaka Miyazaki voltasse a se interessar por games.

Conhecido como um o principal responsável pelos elogiados Demon's Souls, Dark Souls e o recém-lançado Bloodborne, o japonês hoje ainda responde como presidente da From Software e seu sucesso se torna ainda mais impressionante ao sabermos que ele só começou a trabalhar com games a partir de 2004.

Embora tivesse planejado entrar para a indústria ao terminar a faculdade, o game designer acabou se tornando programador na Oracle, mas tudo mudou quando um amigo recomendou que ele jogasse o espetacular jogo de aventura criado por Ueda.

Aquele jogo me despertou para a possibilidade da mídia. Eu mesmo queria fazer um,” disse Miyazaki em uma entrevista, revelando ainda que decidiu aceitar uma vaga para trabalhar na série Armored Core, mas que para isso teria que abrir mão de 80% de seu faturamento.

A situação começou a mudar quando ele foi transferido para a equipe que trabalhava no Demon's Souls, cujo projeto enfrentava sérios problemas e os envolvidos tinham dificuldades até para criar um protótipo. Por se tratar de um jogo de fantasia, Miyazaki logo ficou empolgado e começou a tentar encontrar uma maneira de assumir o desenvolvimento, podendo assim implementar suas ideias.

Mesmo sem ter vendas exorbitantes, aquele jogo conquistou muitos admiradores e foi o cartão de visita do homem que assina sua produção como diretor, permitindo então que um sucessor espiritual fosse criado e o sucesso comercial chegasse rapidamente.

A entrevista é muito interessante, com Hidetaka Miyazaki dizendo por exemplo que tinha dificuldade para ler quando era criança, algo que ele contornava substituindo o que não entendia por sua própria imaginação e que acabou lhe ajudando para contar histórias e que por ter se tornado presidente da From Software, hoje precisa encontrar com muitos responsáveis por outras empresas, pessoas que considera estranhas e fascinantes, e que por isso as transforma em chefes nos seus jogos.

Fonte: The Guardian.

relacionados


Comentários