Home » Hardware e periféricos » Inteligência Artificial poderia ter evitado o acidente da Germanwings?

Inteligência Artificial poderia ter evitado o acidente da Germanwings?

Como não podia deixar de ser, todo mundo está palpitando sobre o acidente da Germanwings, incluindo Jeff Hawkins, especialista em inteligência artificial, que acha que ela é a solução para casos como o vôo 9595. Ele está errado.

5 anos atrás

GW-20150327105412941

Não deu nem tempo da gente achar que a tendência havia acabado, outro alemão maluco mata um monte de gente. Dessa vez foi Andreas Lubitz, co-piloto do A320 no vôo 4U 9525, que decidindo se suicidar trancou o comandante do lado de fora do cockpit, programou o piloto automático para 30 m de altitude sobre os Alpes e foi prontamente pulverizado ao atingir as montanhas. Infelizmente 150 passageiros estavam no mesmo barco.

A mídia histérica e comentaristas de internet estão culpando a empresa por tornar impossível ao comandante voltar para a cabine sem a autorização do co-piloto, o que é ridículo, afinal essa segurança foi exigência da mídia e do público histerificado pela mesma, depois do 11 de setembro.

As pessoas falam que poderia haver uma chave, mas esquecem que o objetivo é impedir que terroristas entrem na cabine. Se o comandante tiver uma chave ou uma senha-mestre, 5 min com um alicate e ele revela.

A possibilidade de um dos pilotos surtar como aconteceu é baixíssima, e a própria regra de duas pessoas na cabine é inútil, um suicida determinado escamoteará uma faca ou uma pistola e eliminará o companheiro incômodo.

As sugestões dos milhões de especialistas em segurança aérea chegaram ao nível desta celenterada:

anta

Uma opinião dissonante bem mais difícil de ser refutada veio de Jeff Hawkins, especialista em IA e criador do Palm Pilot. Ele defende que o problema não é a automação, mas a falta dela. Isso bate de frente com os críticos de sistemas aviônicos altamente automatizados, como o A320, onde o computador tem a palavra final, mas está sujeito a falhas externas, como no caso do Air France que caiu no Brasil.

Hawkins propõe usar algo chamado Hierarchical Temporal Memory (HTM) para identificar padrões e determinar se uma aeronave está se comportando de forma errônea, por falha de software, hardware ou wetware.

Ele é o primeiro a afirmar que no caso da Germanwings toda a inteligência artificial do mundo no cockpit não resolveria, se o piloto pode simplesmente desligar o computador. A sugestão é que o avião possa ser controlado do solo, o que é uma péssima, péssima idéia, Mr Hawkins.

airplane

No mundo ideal um avião em comportamento anômalo seria identificado, uma sala de controle daquelas de filme seria acionada, alguém digitaria o comando OVERRIDE! e o avião seria controlado remotamente e levado a pousar em segurança.

No mundo real isso seria um convite irresistível para hackers. Nem digo os psicopatas, imagine o pessoal da zuera sonhando em controlar 4 Boeings 777 em formação, ou desviar um vôo de Miami pra Niterói.

Uma das maiores seguranças dos sistemas automatizados de hoje é que não há comunicação externa na camada de controle. Você NÃO envia comandos para um avião. Apesar dos sonhos molhados do pessoal de Hollywood o maior hacker do mundo não consegue invadir um computador fora da rede. Puxou o cabo, acabou.

O que Hawkins propõe é uma versão Wi-Fi da deliciosamente ridícula cena de Scorpion, com o avião sendo hackeado.


cldr0n — Hacking scene on Scorpion by CBS

Aviões continuam seguros justamente por não serem hackeáveis externamente.

Sendo justo Hawkins diz que isso seria apenas uma fase, que quando as pessoas se acostumarem com carros automáticos, teremos aviões voando sozinhos. Ele parece não saber que 98% do tempo aviões voam sozinhos, e se o aeroporto for certificado, podem pousar e decolar sozinhos também.

O piloto existe justamente para quando a automação falha. Aí o cérebro biológico assume e salva vidas. Ao retirar o humano da cabine, achando que ele é o elo mais fraco da corrente, Hawkins está removendo também o elo mais forte. E só lembrando, não foi um computador que destruiu a Estrela da Morte, ou pousou no Hudson.

Fonte: Forbes.

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários