Home » Internet » CSI Google (com profundas desculpas a Nelson Rodrigues)

CSI Google (com profundas desculpas a Nelson Rodrigues)

Esta é uma crônica de um sujeito muito idiota que tentou matar a mulher, mas pelo visto nunca assistiu um filme policial sequer. O pior é que não dá nem para dizer que ele não sabe usar o Google. Se deu mal justamente por isso…

5 anos atrás

Nelson Rodrigues

Quando Gregório e Raquel se casaram era algo de conto de fadas. Ela com 20 anos, ele um jovem militar de 23, invencíveis em sua inocência, mas a rotina e os problemas da vida a dois abafaram a chama da paixão.

Gregório foi buscar sua juventude perdida nos braços de Brigite, e desde 2009 afogava suas frustrações nos lençóis imaculadamente brancos, livres de toda sujeira, exceto o pecado, que água sanitária nenhuma consegue limpar.

Brigite por sua vez ouvia todo dia que era questão de tempo, que Gregório só estava mantendo as aparências, que não amava mais a esposa. Iria se separar.

Alimentada pela esperança de toda amante, Brigite levava sua vida escondida, até que um golpe de sorte a encheu de alegria: Raquel, com 55 anos, ainda jovem para os dias de hoje, começou a apresentar sintomas de demência, que logo avançou.

Para desespero da amante nem Raquel morria nem Gregório a abandonava. O até então insatisfeito marido achou um novo sentido em sua vida, cuidando da esposa entrevada.

Ele visitava a amante uma vez por mês. Brigite morava em outro Estado. Lá Gregório não era mais amante, era seu namorado, andavam de braços dados com orgulho, enganando até suas consciências.

Um dia Gregório cometeu seu maior erro: discou sem querer para a amante, e ela ouviu seu homem falar para a esposa todas as coisas bonitas, todas as declarações de amor que deveriam ser somente dela. Gregório estava prestes a enfrentar a ira de uma amante enganada. Ela ligou para Gregório, ameaçou publicar fotos dos dois no jornal, tornar pública a falsidade, garantindo que Raquel em qualquer momento de lucidez lembrasse que havia sido traída por seu primeiro e único amor.

Gregório se desesperou. Eis que uma amiga aparece, dias depois, e leva Raquel para passar uns dias em sua casa. Parecia que Gregório teria um descanso, mas foi a oportunidade para seu plano.

Com uma arma, uma máscara e óculos escuros ele invadiu a casa da amiga de Raquel. O marido da amiga levou 3 tiros, no braço, ombro e nas costas. Raquel, escondida no quarto de cima foi alvejada quatro vezes, inclusive na nuca. Orgulhoso de seu trabalho sujo Gregório foi para casa e, em seguida, viajou para encontrar Brigite.

A Vida, que não havia sido gentil com Gregório, também não o havia dotado de muita inteligência. O marido da amiga de Raquel reconheceu a máscara de esqui. A polícia foi na casa e encontrou o carro de Gregório com o capô ainda quente, apesar de ele dizer que passou a noite em casa.

Confrontado ele levou a mão ao peito, mas da mesma forma que fez com as mulheres que o amavam, Gregório estava apenas mentindo. Como alguém sem coração pode ter um ataque cardíaco?

A polícia achou cartuchos de munição com 27 anos de idade que batiam com os cartuchos achados no local do crime. As roupas usadas na invasão? Na máquina de lavar. No carro, as botas que batiam com as impressões deixadas na casa da amiga de Raquel.

Achando que era um gênio do crime, Gregório alterou a hora do computador, para garantir seu álibi. Mostrou à polícia arquivos em que estava trabalhando na hora do crime. A polícia, não satisfeita, mandou o computador para a perícia e no histórico do navegador acharam uma busca do Google onde Gregório pesquisou… “como alterar a hora do computador”.

Raquel e o marido de sua amiga sobreviveram. Gregório está preso, sem fiança, sem amante e sem esposa. Sua única companhia é a dúvida de como foi descoberto. Em sua cabeça Gregório havia cometido o crime perfeito. Até o fez, pois do ponto de vista da polícia o caso é perfeito, repleto de provas, imagens, evidências. Não há como Gregório escapar, e se o Google não foi o prego do caixão, foi a cereja do bolo.

Fonte: DM.

P.S.: os nomes foram alterados ou inventados para proteger os inocentes. E Gregório.

Leia mais sobre: , , , .

relacionados


Comentários