Home » Ciência » Destaque » SpaceX: erramos por um tantinho assim…

SpaceX: erramos por um tantinho assim…

Tecnicamente o pouso do Falcon 9 não foi um sucesso absoluuuuuuto, mas ao menos rendeu um belo vídeo. Clique e veja um foguete fazendo algo que eles não costumam fazer — pousar e fazendo algo que eles não deveriam fazer — explodir.

4 anos atrás

spacex-barge-ship.0.0

Não era pra ter um foguete aqui?

A SpaceX conseguiu 95% de sucesso em seu primeiro experimento de pouso do 1º estágio de um Falcon 9 em uma superfície sólida. Claro, podemos entrar em Modo Parreira e dizer que o pouso é apenas um detalhe, mas em verdade não foi e o foguete se espatifou, como esperado. Elon Musk havia dado 50% de chance de sucesso, se tanto.

Foi um experimento, não um teste de certificação. Havia um monte de variáveis ocultas, ninguém sabia se o posicionamento da barcaça seria preciso, se o foguete conseguiria retornar até o ponto calculado, se o balanço do mar afetaria o pouso…

O PIG claro caiu em cima. Aliás, permita-me uma correção. A Imprensa Golpista não persegue o PT. Persegue TODO MUNDO. Já há jornais questionando a ação da polícia francesa contra os terroristas do Charlie Hebdo, o programa do Google Glass para pessoas físicas foi encerrado e por isso há gente anunciando o fracasso do produto e o fim de todos os projetos de realidade aumentada…

No caso da SpaceX embora ela tenha feito um lançamento perfeito, by the book, tenha cumprido sua missão, enviado uma nave espacial repleta de suprimentos pra a ISS, chegando direitinho no horário, como o experimento de pouso não foi perfeito vários sites anunciaram o fracasso da empresa, disseram que nunca dará certo, e houve até quem sugerisse que a NASA cancelasse os contratos com a SpaceX.

Sendo que nem em Matrix alguém consegue acertar o primeiro salto.

Elon Musk por sua vez entrou em modo zuão e postou fotos do acidente explicando que o foguete sofreu um RUD — Rapid Unscheduled Disassembly ou Desmonte Rápido Não-Programado. Um termo usado pelos fãs do Kerbal Space Program. A SpaceX aliás começou a transmissão do lançamento com a música do KSP.

O que aconteceu:

O Falcon 9 usa aletas gradeadas em formato X-Wing para controlar a trajetória. Essas aletas são controladas hidraulicamente, mas é um sistema passivo (ui!). Não há circuitos de retorno e bombas mantendo a pressão, isso é muito pesado. Eles usam um cilindro pressurizado com fluído hidráulico. Não tem durabilidade “infinita” como um sistema com compressor mas é bem mais leve.

O fluído do Falcon 9 acabou antes do tempo. O projetado era precisar das aletas por 4 minutos, ultrapassaram 10% disso. Faltou Fator de Encagaçamento. Agora aumentaram em 50% a quantidade de fluído no próximo foguete.

O pouso em si é totalmente vai-ou-racha. Esqueça aquele joguinho de pouso lunar. O Falcon 9 sobe com 9 motores Merlin 1D, mas desce com somente 1. Só que há um problema. O Merlin é tão bom que um, sozinho é mais potente do que o peso do foguete inteiro, quase sem combustível.

Assim o Falcon 9 é colocado em uma rota onde o Merlin desacelera sua queda até que em altitude zero ele tenha velocidade zero. Quer um complicador? Ele só é controlável entre 70% e 100% de potência. E acelerando a 70% o foguete sobe.

Imagine estacionar um carro nessas condições.

A SpaceX já tem lançamento marcado para dia 31 de janeiro, irão tentar de novo e eu boto fé que dessa vez vai.

Ah sim, Tio Musk postou um Vine do pouso quase bem-sucedido. Aprende, Brasil, assim é que se explode um foguete com estilo, e nem vão esperar 15 anos pra tentar de novo, ou nas palavras de Elon Musk:

“Próximo pouso em 2 ou 3 semanas, com muito mais fluído hidráulico. Pelo menos ele deve explodir por uma razão diferente”.


@SpaceX: Close, but no cigar. This time.


Leia mais sobre: , , , , .


relacionados


Comentários