Home » Especial » CES 2015: conversamos com a Netflix sobre recomendação de TVs, HDR, supostos bloqueios e mais

CES 2015: conversamos com a Netflix sobre recomendação de TVs, HDR, supostos bloqueios e mais

O MB bateu um papo com executivos da Netflix sobre os planos da empresa para 2015, incluindo o programa “Netflix Recommended TV”, a chegada do HDR e as novas interfaces do aplicativo. Também encerramos a polêmica do bloqueio de usuários que acessam o Netflix de outros países usando uma VPN.

5 anos atrás

netflix_recommended_tv_1

Conversamos com Neil Hunt (chefe de produto) e Cliff Edwards (diretor de comunicações corporativas e tecnologia) da Netflix, e ficamos sabendo dos planos da empresa para 2015, como o programa “Netflix Recommended TV”, e a introdução do HDR (High Dynamic Range) nas TVs da Sony e LG, entre outros temas, incluindo a polêmica do suposto bloqueio de usuários que acessam o serviço de outros países usando uma VPN.

Programa Netflix Recommended TV

O programa de recomendações de TVs da Netflix anunciado nesta segunda-feira foi criado para melhorar a usabilidade da aplicação nas TVs. A marca será usada no varejo nos Estados Unidos para identificar TVs que oferecem uma experiência melhor com o Netflix. São funções como o acesso instantâneo, a possibilidade de sair e voltar para o ponto exato onde você estava assistindo, e até mesmo um botão dedicado da Netflix no controle remoto, que ao ser pressionado pode ligar a TV e abrir o aplicativo. “Ainda não decidimos exatamente quais serão todos os critérios, mas a ideia é melhorar a usabilidade, e mostrar aos consumidores quais são as TVs que eles devem comprar para assistir ao Netflix”, conta Neil Hunt.

netflix_recommended_tv_2

A função de acesso instantâneo é um grande diferencial do “Netflix Recommended TV”: “o que queremos fazer é oferecer uma experiência parecida com a dos smartphones e tablets, oferecendo um acesso instantâneo nas TVs, sem que o usuário tenha que ficar esperando a sua TV esquentar”, disse Cliff Edwards. “Também é fácil sair do aplicativo e assistir outro canal, ou ler as notícias, e depois voltar para o mesmo conteúdo que você estava consumindo”.

A chegada do HDR

Falando sobre a introdução do HDR na Netflix, Hunt conta que passamos últimos anos adicionando mais pixels ao seu conteúdo, mas que isto chegou a um limite neste ano, e o HDR significa adicionar mais profundidade, mais qualidade nas imagens, que ficam muito mais brilhantes e vivas.

Nas palavras de Hunt: “acredito que esta é uma mudança mais significativa do que o 4K. Os consumidores vão ver uma grande diferença. A oportunidade para a Netflix é que assim como no 4K, estamos produzindo nosso próprio conteúdo, então temos controle total sobre a filmagem, edição e compressão até a entrega ao consumidor, e isto nos coloca na frente do jogo. A demonstração da nossa série Marco Polo em 4K com HDR conta com as imagens mais realistas que podemos oferecer. A curto prazo, a quantidade de conteúdo em HDR ainda será pequena, mas isto irá aumentar com o tempo, assim como tem acontecido com o 4K.”

Também perguntamos a Hunt se a Netflix pretende fazer testes com diferentes framerates, aumentando o número de quadros por segundo, mas ele acha que o momento ainda não chegou, embora acredite que a Netflix irá aproveitar a tecnologia no futuro. “O essencial é que se contem melhores histórias, e a tecnologia é só uma parte da questão. Peter Jackson foi muito criticado ao filmar o Hobbit em 48 fps, e acho que o importante é que isto não atrapalhe a experiência das pessoas ao assistirem o conteúdo.”

Novas interfaces

Também conversamos com o diretor de interfaces da Netflix, que nos mostrou os testes para futuras versões do aplicativo para web e para o iPad que estão sendo testadas pela empresa e que são bem mais interessantes, facilitando a busca de conteúdo e fugindo do padrão atual, que lembra uma locadora de filmes para uma experiência mais próxima da navegação nas TVs.

A Netflix está testando estas novas interfaces com milhares de usuários, e o objetivo dos testes é oferecer o conteúdo que o usuário quer assistir, com algoritmos e personalização típicos da empresa. Os resultados são avaliados pela forma como as pessoas consomem o conteúdo, e também vale citar que estamos falando de usuários novos, que não sabem que estão fazendo parte de uma experiência. Apesar de eu ter gostado muito do que vi, infelizmente não posso falar mais sobre o assunto no momento a pedido da Netflix, só espero que as novas interfaces sejam liberadas para todos os usuários o mais rápido possível.

Bloqueio de usuários que acessam a Netflix por VPN

Antes de terminarmos a conversa, fiz a pergunta que não quer calar, e temos um esclarecimento para tranquilizar quem gosta de usar VPN para acessar o conteúdo de outros países. Segundo Hunt, o suposto bloqueio de usuários simplesmente não existe, e foi apenas uma informação incorreta levantada por um site que “não fez o dever de casa”. Ele conta que a Netflix usa a mesma lista de VPNs bloqueadas que todo mundo, e que apesar de acessar o conteúdo de outros países ser contra os termos de serviço da empresa, eles não irão tomar nenhuma atitude para reprimir esta atitude.

O autor viajou para a CES a convite da Asus.

relacionados


Comentários