Home » Hardware e periféricos » 2014, o ano em que a Samsung foi atropelada

2014, o ano em que a Samsung foi atropelada

Em 2014 Samsung perdeu espaço no Android para concorrentes como LG e Motorola, principalmente por não se atualizar e dar atenção às linhas de entrada

5 anos atrás

galaxy-note-4-note-edge

A Samsung bem que tentou, mas 2014 não foi um ano muito gentil para ela. Embora seus dispositivos de ponta ainda atraiam a atenção do público, é fato que a partir de 2013 duas empresas começaram a adentrar perigosamente no mercado de smartphones de ponta com produtos bons e preços competitivos: Motorola e LG.

Este ano veio a confirmação: a Sammy perdeu a mão.

O fato é que a gigante sul-coreana não tomou conhecimento que o mercado de dispositivos móveis estava enfim amadurecendo, com diversas empresas apresentando cada vez mais e melhores dispositivos com features interessantes e principalmente, preços atraentes. Embora não seja a regra lá fora, nós temos visto uma escalada de valores da linha top da Samsung no Brasil absurda, se aproximando perigosamente da faixa de preço dos iPhones (que também são caros pra chuchu, é bom frisar). A diferença é que o consumidor de iGadgets ou já está conquistado e dificilmente migrará para o Android, ou já se fidelizou à plataforma ao ter adquirido diversos apps pagos.

Claro que isso também se aplica ao Android, com uma diferença: você pode trocar de marca de smartphone.

Foi isso que a Samsung não percebeu: ao ficar anos brigando com a Apple pela supremacia no mercado mobile, ela não percebeu que concorrentes como LG, Sony, HTC e Motorola (essa com apoio do Google) estavam lançando aparelhos cada vez melhores e com menos bloatwares, algo que os coreanos relutam em abrir mão: só recentemente o ChatON, o aplicativo de mensagens da Samsung foi derrubado do telhado: sua morte foi agendada para fevereiro.

A Samsung se acomodou por ainda ser a maior fabricante de dispositivos móveis, e isso levou a uma estagnação e falta de inovações significativas; aliado a bloatwares irritantes, uma interface horrível e falta de cuidado nas linhas intermediária e de entrada (convenhamos, abaixo das linhas S e Note nada da empresa vale a pena) acabaram por fazer com que o consumidor olhasse para opções como o HTC One, eleito o melhor smartphone de 2013. A Sony, embora também pratique preços altos teve no Xperia Z2 um excelente smartphone, mas foram Motorola e LG as principais responsáveis por tirar o sono da Sammy por também apresentarem dispositivos vestíveis de qualidade, como o G Watch R e o Moto 360. Já a Samsung...

O LG G2, a linha L III e os Motos X, G e E mostraram que era possível lançar aparelhos de ponta e/ou entrada com qualidade e preço acessível, algo que a Samsung não tem praticado muito. O resultado não demorou a vir: queda nos lucros de 74%, perda de tração nas linhas de ponta e uma revisão em sua estratégia de negócios, visando lançar menos smartphones em 2015. E as linhas mais modestas tem coberto com folga o mercado em que a Samsung até então dominava, o de aparelhos baratos. Entre num ônibus, num trem, em qualquer aglomeração: não demorará muito e você vai ouvir o som de notificação padrão da Motorola, já que o Moto G virou uma coqueluche no Brasil.

A grande questão é: a Samsung vai conseguir se destacar novamente frente aparelhos bons como o G3, os novos Moto X e G, o Moto Maxx e concorrentes chineses como Xiaomi e Huawei? Uma boa seria abrir mão do famigerado TouchWiz e ir para um lado mais puro do Android, algo que não boto muita fé.

Leia também:

relacionados


Comentários