Adivinhem qual país (ainda) está empacando a construção do maior telescópio do mundo

stc (1)

Modelo em papelão do espelho principal do E-ELT

Em defesa do datilógrafo a situação da Agência Espacial Brasileira não é atípica. O brasileiro odeia ciência. o BRASIL odeia ciência, mas não gosta de admitir, aí aceita fazer parte de projetos sabendo que vai passar vergonha, como quando fomos despejados da Estação Espacial Internacional por incompetência; não conseguimos nem pagar nossa parte do rachuncho nem construir uma… estante de metal.

Nossa base na Antártica, depois da proeza de ser destruída por um incêndio em um continente coberto de gelo, não vai ser reconstruída tão cedo. Nosso programa espacial é uma piada, se comparado ao de nações mais ricas e desenvolvidas, como a SpaceX. Enterramos US$ 1 bilhão na Ucrânia, para construir um foguete que não saiu do chão e é uma desgraça de poluente e perigoso. Se fosse construído.

Esnobamos um acordo de cooperação com a NASA para utilização da base de Alcântara, em nome da “soberania”, apenas para fazermos um acordo com os russos basicamente nos mesmos termos. Mesmo assim como a tal base é basicamente um descampado, os russos nos esnobaram e preferiram utilizar as instalações na Guiana Francesa.

Em 2014 uma das raras vitórias da ciência brasileira foi a vaquinha bem-sucedida para a compra de um planetário digital. Um consolo, mas ainda é triste saber que o maior telescópio do Espirito Santo custou mais barato do que dois PS4s. OK, talvez seja melhor assim.

Sonhar pequeno evita vergonhas, como descrevi neste artigo de 2013 comentando uma notícia de 2012. O Brasil cismou de fazer parte do consórcio do E-ELT, o European Extremely Large Telescope, um telescópio gigante que será construído no Chile. Nossa parte era um qualquer de € 270 milhões. Em 10 anos. Problema: o Congresso começou a enrolar, o dinheiro não saía, e acabamos usando outros telescópios do complexo na base do favor.

Isso foi, repito, em 2012. AGORA, finalzinho de 2014 a verba ainda não foi liberada, o Congresso continua empurrando com a barriga, e o projeto corre sério risco de atrasar.

O European Southern Observatory (ESO), entidade responsável pelo telescópio modificou o projeto, por nossa causa. Agora ele é dividido em duas fases. A primeira, a um custo de € 1 bilhão, não terá participação brasileira. Se até lá a grana não sair, seremos chutados para fora do projeto, a Europa catará moedas caídas atrás do sofá, atrasarão dois anos e inauguram em 2026, ao invés da meta de 2024.

CASO o Brasil se coce e pague os 14 meses € 130 milhões de carnês atrasados, aí o projeto sairá no prazo.

Quem aposta mais que uma mariola na hipótese do Brasil pagar no prazo? Eu não.

Agradecimentos ao Mario pelo link.

Relacionados: , , , ,

Autor: Carlos Cardoso

Entusiasta de tecnologia, tiete de Sagan e Clarke, micreiro, hobbysta de eletrônica pré-pic, analista de sistemas e contínuo high-tech. Cardoso escreve sobre informática desde antes da Internet, tendo publicado mais de 10 livros cobrindo de PDAs e Flash até Linux. Divide seu tempo entre escrever para o MeioBIt e promover seus últimos best-sellers O Buraco da Beatriz, Calcinhas no Espaço e Do Tempo Em Que A Pipa do Vovô Subia.

Compartilhar

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto Frio Peças, Cupom de desconto Mundo da Carabina, Cupom de desconto JBL, Cupom de desconto Costa Cruzeiros, Cupom de desconto Loja do Mecânico, Cupom de desconto Staples