Home » Meio Bit » Computação móvel » PTC Tech Day — Internet Das Coisas, muito além da geladeira-spammer

PTC Tech Day — Internet Das Coisas, muito além da geladeira-spammer

Internet Das Coisas. Outra daquelas bobagens tipo nuvem, um conceito antigo que marketeiros requentam para tirar nosso dinheiro, certo? Sim, mas ao mesmo tempo, não. Conforme aprendi no PTC Tech Day, a Internet Das Coisas não é só geladeira que manda spam e fralda que manda SMS pedindo pra ser trocada. O buraco é muito, muito mais embaixo e essas aplicações toscas são irrelevantes, comparado ao potencial da tecnologia. Clique e descubra…

5 anos atrás

ptc01

Hélio Samora, Diretor pra AL, abre o evento.

Semana passada rolou o PTC Tech Day, evento da Parametric Technology Corporation, empresa fundada em 1985 com foco na área de CAD, e que hoje tem faturamento anual na casa de US$ 1,8 bilhão; equiparando-se ao MeioBit (margem de erro, US$ 1,8 bilhão).

Apesar de contar com excelentes produtos, CAD não é mais foco isolado da empresa. Hoje a PTC definiu com estratégia a Internet Das Coisas. Mas como uma empresa que ninguém conhece, que nunca fez um SmartRelógio ou uma Pulseira de Marombeiro quer entrar nessa área? Principalmente, a internet das coisas não é aquele monte de inutilidade como geladeira que tuita, máquina de lavar que posta no Facebook quando acaba de enxaguar a roupa, ou aquele incrivelmente idiota copo que identifica o que você acabou de colocar dentro dele?

Não. Essa é a Internet Das Coisas Inúteis. Lâmpada com Wi-Fi? Bobagem. É igual efeito especial em desktop Linux, serve pra mostrar pros amigos, depois você nunca mais usa. O próprio conceito de Internet Das Coisas soa como uma grande besteira, e foi preciso quase 5 minutos de conversa com o Jeferson Stutz da PTC para me fazer mudar de idéia.

Ele me deu um exemplo bem simples, e real: a Metalfrio fabrica freezers industriais. Aquelas geladeiras de cerveja E, no caso do exemplo, de sorvete. Uma geladeira deles pra Häagen-Dazs, que a gente vê em um monte de lojas é composta de XX Reais de geladeira e uns XXXXXX Reais em sorvete. A carga é muito mais valiosa do que o equipamento. Se uma geladeira dessas dá pau e o sorvete derrete, o preju é imenso.

A Metalfrio inteligentificou as geladeiras. Agora por exemplo se ela detecta que a Unidade de Refrigeração AE-35 está suspeita e vai queimar em alguns dias, a matriz é avisada, técnicos são enviados e toda a preciosa carga é salva.

“Ah, mas é sorvete”

Beleza. Pense então em um freezer que guarda doses de vacina ou soro anti-doença-que-mata-cachorrinhos.

Agora imagine que o seu fogão é inteligente (sem tirar fotos, senão seria um Flogão) e monitora um monte de parâmetros, alguns de seu interesse, outros do fabricante. Acontece um terremoto. O medidor da empresa de gás permanece normal mas a ligação entre o fogão e a linha de abastecimento é rompida. Um equipamento inteligente detectaria isso, bloquearia o acendimento das bocas e acionaria um alarme.

Um equipamento inteligente E conectado faria tudo isso e comunicaria à empresa, que por sua vez repassaria esses dados para os bombeiros. Em segundos um sistema eficiente mapearia áreas de vazamento de gás na região afetada, mesmo que as linhas principais não tenham sido atingidas.

nike

Durante sua apresentação, Hélio Samora, Diretor da PTC pra América Latina mostrou outros exemplos. Um relacionado a terremotos foi aquela pulseira da Nike, que mede um monte de parâmetros, classifica e acompanha atividade física, exercícios, sexo e outras atividades que pessoas não-ligadas à área de blogs praticam. Quando do recente terremoto na Califórnia foi possível acompanhar a intensidade E a propagação do tremor, apenas com os dados das pessoas que iam acordando por causa do fenômeno.

O segredo é que conhecimento em si não quer dizer nada. Se conhecimento fosse poder bibliotecárias dominariam o mundo. O que importa é o quê você vai fazer com esse conhecimento, e pra tomada de decisões é preciso ferramentas de agregação e visualização desses dados. É aí que a PTC entra. Vender relógio é bobagem, ela quer vender o que faz o relógio fazer tic-tac.

“Tá, mas como eles ganham dinheiro?”

Sim, Padawan. Estamos falando de capitalismo, alguém tem que pagar a conta. Em alguns casos o valor está embutido. Em outros o próprio fabricante banca. Um Airbag inteligente custa muito menos do que uma ação na Justiça por causa de um Airbag defeituoso. Em outros casos o serviço terá um custo mensal, pago pelo consumidor.

A chamada Síndrome da Morte Súbita Infantil é algo muito cruel. Bebês aparentemente saudáveis são colocados no berço, dormem e não mais acordam. No dia seguinte, estranhando o silêncio as mães vão checar os filhos e se deparam com o pior momento de suas vidas. Em alguma hora durante a noite a criança silenciosamente parou de respirar e morreu.

qrcode

Não há lugar melhor para um QR Code.

É a 3ª causa de mortes infantis nos EUA. Ninguém sabe como funciona, o que causa, como prevenir. Nada.

Se um fabricante fizer um berço inteligente, que monitore automaticamente os sinais vitais do bebê e soe um alarme caso algo de errado aconteça, alguma mãe deixaria de querer o serviço? E se for um berço inteligente E conectado, que acione a unidade de emergência mais próxima, mandando para os paramédicos E o hospital os dados da criança?

Isso não vale US$ 5,00 por mês?

A grande problemática disso tudo, cuja solucionática é onde a PTC pretende ganhar alguns bilhõezinhos de dólares é que empresas que fazem berços não têm expertise em criar produtos inteligentes e conectados. O ciclo de produção é diferente, a tecnologia envolvida é diferente, as exigências são diferentes. Um berço precisa não desmontar sozinho, soterrando o pobre Cléverson Carlos. Um berço inteligente não pode ficar sem bateria e deixar de avisar se o supracitado pimpolho engasgou com um chocalho.

“PLM ALM MPM e outras mumunhas”

No mundo mágico do Kickstarter você recebe dinheiro de investidores e aparece magicamente com um produto. Na vida real seu produto será projetado na Califórnia, montado na China, com peças vindas da Malásia, Taiwan e Niterói, enviado para os EUA, testado, enviado pra Índia pra ser embalado e então irá para um galpão em Wakanda esperando para ser enviado aos consumidores.

Nesse meio-tempo você terá um monte de revisões de hardware, versões de software e modelos  principais. Cada variação é única, com características próprias. Imagine gerenciar isso tudo. Aí entram produtos como o CREO, um CAD com a característica de ser amigável e trabalhar com um monte de formatos da concorrência, o que é essencial se seu produto depende de materiais de diversos fornecedores de componentes e projetos. Dessa forma uma fábrica de caminhões no Brasil é comunicada automaticamente quando um projetista na Alemanha altera um componente no design de uma uma carroceria, e esquece de enviar um email avisando.

Na área de projetos é essencial um software de Manufacturing Process Management, ele ajuda a manter os pés dos designers no chão. O Windchill MPMLink (ninguém disse que a PTC era boa em nomes) permite que a equipe de engenharia acompanhe o trabalho dos designers, e desça o chicote caso projetem coisas inviáveis economicamente ou que violem as malvadas e restritas Leis da Física.

“Ah, mas e a outra ponta?”

Criar o produto é só parte do conjunto da Internet das Coisas. Às vezes o produto já existe, o segredo é integração. No exemplo abaixo do ThingWorx (ah os nomes…) é mostrado um sistema de controle de uma empresa mineradora, que fará a alegria dos fãs do microgerenciamento. Você tem desde a visão global dos índices de produção até informações individuais em tempo real de cada máquina pesada, com direito a identificar um possível problema em uma escavadeira, que provoca a abertura de um chamado. TUDO conectado.

Se quiser avançar, a parte que nos interessa começa em 1 min 30 s e eu achei o cara que apresenta meio desconfortável.


PTC and ThingWorx Solution Demonstration

Entenderam, meninos e meninas? Internet Das Coisas não é um forno que detecta quando o clitóris do Peru Sadia salta e é hora de servir. Internet Das Coisas é um celular que sabe quando você passa mal em um quarto de hotel, e avisa a portaria, pois sabe onde está. Internet Das Coisas é algo tão simples quanto você puxar o celular no ponto de ônibus, marcar sua linha e esperar sem ter que ficar vigiando e gesticulando desesperadamente pra ele não passar direto (sim, ele vai passar direto, mas quem disse que essas coisas funcionam no Brasil?).

Do PTC Tech Day pude tirar que Internet Das Coisas é uma realidade, ao contrário da Nuvem, que é puro marketês para o incrivelmente antigo conceito de servidor remoto. As implicações para saúde, segurança e qualidade de vida são imensas. Tudo de útil estará conectado, assim como muita coisa inútil estará online, mas isso basicamente define a internet.

Para saber mais:

 

relacionados


Comentários