Home » Internet » Wikipedia se posiciona contra o "direito ao esquecimento"

Wikipedia se posiciona contra o "direito ao esquecimento"

Wikipedia considera o "direito ao esquecimento" um tipo de censura e coloca no ar página com referências ao site que foram removidas dos motores de busca

5 anos e meio atrás

Wikipedia

O Google vem cumprindo as determinações da União Europeia e remove a contra-gosto referências solicitadas por populares e empresas devido ao controverso "direito ao esquecimento", um jurisprudência conseguida depois de um processo movido por um cidadão que exigiu a retirada de uma referência a uma dívida antiga. Só que a Wikipedia decidiu que não corroborar com essa situação, pois a considera uma forma de censura.

Em coletiva de imprensa realizada em Londres, a Wikimedia Foundation se posiciona radicalmente contra a determinação da corte europeia, dizendo que a lei do esquecimento "mina a possibilidade mundial de acesso livre à informações apuradas e verificadas". Em outras palavras, a possibilidade de qualquer um ser capaz de apagar seu próprio passado, seja ele qual for é uma séria ameaça à  preservação da memória da internet. Lila Tretikov, diretora excecutiva da fundação disse que a lei está causando um impacto profundo na Wikipedia.

Desde o "direito ao esquecimento" entrou em vigor, o Google já recebeu cerca de 91 mil solicitações de remoção de referências de seus motores de busca, e segundo Tretikov mais de 50 dessas requisições estavam ligados a conteúdo da enciclopédia online. O pior, a Wikimedia Foundation só vem a saber disso porque o Google avisou sobre a remoção. É plenamente possível que outros motores de busca simplesmente retirem as indexações e não avisem, pois não são obrigados a isso. Conclusão: nesta postagem, a Wikimedia diz que "a memória da internet está cheia de buracos".

Para contrabalancear isso, a Wikimedia Foundation colocou no ar uma página em que referencia referências a links da Wikipedia que foram removidas pelos motores de busca, como forma de chamar a atenção para o que considera um ataque à memória da internet, ou censura pura e simples. E mais: para mostrar que definitivamente não vai aceitar essa resolução de nenhuma forma, seu primeiro relatório de transparência aponta que entre junho de 2012 e junho de 2014, a Wikimedia recebeu 56 solicitações por dados pessoais - tendo atendido 14% delas, recusou todas as 304 solicitações de retirada de material sem copyright e cumpriu 41% dos pedidos de remoção de conteúdo vindos da DMCA. O relatório pode ser visto aqui.

Fonte: G.

relacionados


Comentários