Home » Ciência » Nos EUA, há mais postos de recarga para carros elétricos que filiais da McDonald's

Nos EUA, há mais postos de recarga para carros elétricos que filiais da McDonald's

Como está a situação dos pontos públicos que recarregam carros elétricos? Nos Estados Unidos, eles estão em maior número que estabelecimentos de franquias como McDonald's e Starbucks.

5 anos atrás

Laguna_McDonalds_Kremlin

Imagine Lenin e Stalin se revirando em seus túmulos com este McDonald's próximo ao Kremlin (Crédito: Deano Travels)

Na década de 90, um conceito que o cinema de Hollywood meio que popularizou foi a existência de pelo menos uma filial da franquia de fast food McDonald's em toda esquina. Nos anos 2000, o que o tio Laguna percebia bastante no entretenimento importado era a omnipresença das cafeterias Starbucks. Tais estabelecimentos tão populares no mundo civilizado representariam a globalização, a vitória do capitalismo, a presença norte-americana policiando o mundo, et cetera.

Simbolismos exagerados à parte, nos Estados Unidos há quase 14 mil restaurantes com os arcos dourados. As cafeterias favoritas dos hipsters, por exemplo, representam pouco menos de 13 mil filiais por lá. Fazendo as contas, e considerando uma distribuição homogênea por aquele país, talvez não haja McDonald's e Starbucks suficientes para preencher todas as esquinas por lá mas tais números dão uma boa ideia do quão popular seria a rede de postos de recarga de veículos elétricos da ChargePoint.

Laguna_ChargePoint

Os carros elétricos são o futuro? (Crédito: ChargePoint)

São mais de 18.000 estações de recarregamento público da ChargePoint espalhadas pelos Estados Unidos. E é bom esclarecer que a maioria desses pontos públicos são de recarga normal nível 2, ou seja, fornecem corrente elétrica suficiente (240 V, 15 A) para ir da carga reserva aos 100% em 8 h.

Tanto a Tesla Motors quanto a Nissan, fabricantes de carros elétricos, mantêm algumas centenas de “super-recarregadores” à disposição (em teoria levam apenas 4 horas para ir da reserva ao 100% de carga, fornecendo 30 A) mas só a japonesa oferece 2 anos de recarga grátis (até 1 h num recarregador público nível 2) para os donos de um Leaf, inclusive em outras estações de recarregamento que participam do subsídio pelo cartão EZ-Charge. Entre elas as da ChargePoint.

Detalhe que estamos a falar da maior rede norte-americana de postos públicos de recarga normal nível 2 para carros elétricos de passeio, pois a segunda maior rede de recarregadores públicos é a Car Charging Group, da Flórida, que recentemente absorveu o espólio de duas startups do ramo e agora conta com pouco mais de 13 mil postos de recarga em 35 estados norte-americanos. A maioria de nível 2 também.

ChargePoint — Car Charging Stations Review por NewsWatch_TV

Somando a ChargePoint com a Car Charging Group, temos 31 mil pontos públicos de recarga para carros elétricos nos EUA. Cada um desses pontos pode atender dois ou três veículos simultaneamente, embora a maioria dos donos de carros elétricos prefira deixar o carro recarregando à noite, em casa mesmo.

Óbvio que tal número se concentra nas regiões metropolitanas, em especial no estado da Califórnia onde está a matriz da ChargePoint, e ainda é um número baixo comparado aos 100 mil postos de gasolina (incluindo diesel e etanol) naquele país.

Só que estamos aqui diante de um marco importante para a adoção de carros elétricos lá na civilização, pois em teoria seria mais fácil encontrar um posto público da CP ou CCG para recarregar seu Nissan Leaf, Tesla ou aquele futuro carro do Google do que um drive-thru McDonald's ou o Wi-Fi de uma Starbucks próxima.

Se depender apenas da quantidade de postos de recarga os carros elétricos particulares de passeio parecem ser uma alternativa viável nos Estados Unidos mas, se a matriz energética predominante naquele país é o carvão e outros combustíveis fósseis, daria para dizer que os veículos elétricos seriam a alternativa mais verde para o transporte público urbano?

Mesmo que a matriz fosse mais verde, os amantes do motociclismo não querem nem saber das motos elétricas tão cedo!

Fontes: CT e GT.

relacionados


Comentários