Home » Mercado » Aparelhos Samsung com Tizen podem aparecer em breve na Rússia e Índia

Aparelhos Samsung com Tizen podem aparecer em breve na Rússia e Índia

Comendo pelas beiradas: Samsung pretende apresentar primeiros aparelhos com Tizen em mercados emergentes como Rússia e Índia já nas próximas semanas

5 anos e meio atrás

samsung-tizen

Há bem pouco tempo atrás a Samsung estava bem empolgada a respeito do Tizen, seu próprio SO mobile baseado no finado Meego presente a princípio na atual linha de smartwatches Galaxy Gear mas que se mostra promissor em smartphones. Os planos iniciais apontavam para um grande lançamento do sistema com ao menos um modelo top de linha e outro mais modesto, entretanto a resistência de operadoras mundo afora parece ter jogado água no chope da Sammy. Tanto é que segundo informes, mercados emergentes como Rússia e Índia serão os primeiros a receber smartphones rodando o Tizen.

A intenção principal da Samsung com o Tizen não é se livrar do Android, até porque no cenário atual isso não é interessante: ela responde por 95% do market share do sistema, portanto o novo SO seria uma opção para não colocar todos os ovos numa só cesta, fazendo com que ele esteja presente em ao menos 15% de todos os seus futuros lançamentos. Ainda que ele ofereça uma gama de funcionalidades interessantes que iOS, Android ou WP não possuem, o lançamento de quarto SO a essa altura do campeonato e nesses termos é um plano ousado, e como sua adesão fatalmente levaria muito tempo (ainda que a Infraware tenha desenvolvido um software que converte apps Android para HTML5 facilmente, o que ao menos garante um grande quantidade de apps logo de cara) não há como ele ser um plano prioritário. O Tizen é um Plano C ao robozinho do Google (até porque os coreanos ainda investem no Windows Phone), mas a Samsung o está tratando com bastante atenção.

A primeira leva de smartphones consistiria em um aparelho top de linha voltado a concorrer com os atuais smartphones premium da Sony, LG e HTC, enquanto outro mid-high seguiria seu lançamento pouco depois. O problema é que as operadoras não estão tão empolgadas quanto a Samsung: a japonesa NTT Docomo congelou seus planos de lançar aparelhos com o SO, alegando "não ser o momento"; já a francesa Orange ainda pretende lançar um modelo da Samsung, mas não confirmou se fará o mesmo com modelos da Huawei (lembrando, além da empresa chinesa e a Samsung outros fabricantes como Fujitsu, Intel e até a LG fazem parte do consórcio).

Essa recepção fria por parte das operadoras teria direcionado a Samsung a novos mares. Segundo fontes do Wall Street Journal (só para assinantes) o primeiro aparelho da Samsung com Tizen será lançado na Rússia muito provavelmente nas próximas semanas, e a Índia será o próximo mercado contemplado pouco depois. Essa estratégia seria uma forma da Sammy testar a receptividade do consumidor ao novo SO, ao invés de tentar uma entrada direta nos mercados norte-americano e europeu.

Ainda que possa fazer sentido, convencer o consumidor é outra história. A Nokia fez o mesmo com a linha X e embora a empresa afirme que ele tem apresentado bons resultados, ele sofreu um corte no preço de venda apenas um mês após o lançamento na Índia. Um cliente já acostumado com aparelhos Android ou Windows Phone de entrada como o campeão de vendas Lumia 520 não se sentiria atraído a migrar para o Tizen. Uma ideia interessante seria a Samsung posicionar seus novos aparelhos como modelos de entrada e mid-highs, voltados para consumidores de feature phones que desejam adquirir seu primeiro smartphone. Ainda que o novo SO seja interessante para geeks em geral, não acredito que donos de aparelhos top como o G2, o Xperia Z2, o HTC One M8 ou mesmo iPhones e Galaxies se sintam compelidos a trocar de sistema e gastar mais dinheiro com apps, um dos principais motivos da fidelidade de usuários a SOs mobile.

 

Fonte: E.

relacionados


Comentários