Home » Games » Miscelâneas » Pelo menos um clone do Flappy Bird é rejeitado na App Store a cada 24 minutos

Pelo menos um clone do Flappy Bird é rejeitado na App Store a cada 24 minutos

Na busca incessante pelo mesmo sucesso do vietnamita Dong Nguyen, desenvolvedores tentam emplacar clones do Flappy Bird. Pesquisa na App Store aponta que, mesmo depois de um mês da suspensão do jogo original, um clone a cada 24 minutos é rejeitado na loja de apps do iOS.

6 anos atrás

Laguna_Flappy_Bird_WP8

Flappy Bird continua no Windows Phone normalmente, mas ninguém se importa (Crédito: tio Laguna)

Já faz quase um mês que Dong Nguyen pediu para que sua mais famosa criação, o famigerado Flappy Bird, fosse retirada da App Store e Google Play.

Mesmo com as duas lojas de apps mobile proibindo jogos com “Flappy” no nome, o número de clones dessa aporrinhação simplesmente não para de crescer.

Uma pesquisa feita entre sexta-feira (28 de fevereiro) e segunda (3 de março) na lojinha de aplicativos do iOS constatou que 300 clones do Flappy Bird foram rejeitados para o ecossistema mobile da Maçã durante tal período. Na média, isso significa 2,5 clones por hora, um a cada 24 minutos!

Detalhe: como a Apple só permite a adição de apps para aprovação (e posterior lançamento) entre 07:00 e meia-noite (horário local de Cupertino), em alguns momentos dos dias analisados 14 clones de Flappy Bird foram adicionados (e rejeitados) por hora.

São considerados clones de Flappy Bird todo e qualquer jogo onde você guie um personagem através de um percurso cheio de obstáculos, estes parecidos com canos que estejam ou pendurados no teto ou saindo do chão.

Laguna_Flappy_Clone

Se nos focarmos só no personagem, já foram rejeitados clones do jogo onde estrelavam memes como o Nyan Cat, os cantores aborrescentes sem-noção Justin Bieber e Miley Cyrus, o maluco lá do Bear Grylls num jet pack e o próprio Dong Nguyen. 🙂 😀

Agora sério: tudo bem que podemos fazer um clone de Flappy Bird em menos de 1 h e o maldito joguinho está sendo utilizado para ensinar programação às crianças, mas quando isso vai parar?

Fonte: Polygon.

relacionados


Comentários