Home » Ciência » Pesquisadores testam material que emite menos luz infravermelha a medida que é aquecido

Pesquisadores testam material que emite menos luz infravermelha a medida que é aquecido

Time de Harvard demonstra que dióxido de vanádio emite menos luz infravermelha a medida que é aquecido; descoberta é importante para aplicações militares

7 anos atrás

Visão multiespectral? Só o Predador - e o SEAL Team 6 - têm

Como a maioria das forças especiais - na verdade, todas que não sejam o SEAL Team 6 - ainda não possuem a visão multiespectral do Predador, para detectar inimigos em ambientes completamente escuros a visão infravermelha ainda é importante. Entretanto, como pau que bate em Chico bate em Francisco ambos os lados utilizam o recurso, e quem conseguisse falsear o sensor teria vantagem. Pois é o que um time de pesquisadores de Harvard conseguiu.

Normalmente, quanto mais quente um material se torna, mais luz infravermelha ele emite, o que é captado por binóculos com variações entre o azul e o vermelho. Estudos com materiais que tivessem interações diversas com a luz ou eletricidade de acordo com a temperatura não são novos, na verdade é uma questão estratégica. O composto utilizado na experiência é o dióxido de vanádio, um material com uma característica curiosa: ao atingir a temperatura de 70 graus Celsius, suas propriedades mudam de isolante elétrico para condutor.

O experimento consiste em um disco de safira revestido com uma camada de 150 nanômetros de espessura do composto, que foi aquecido paulatinamente. Até a temperatura de 74º C ele se comportou de forma esperada, mas além disso a emissão de luz infravermelha despencou vertiginosamente: apesar de atingir índices de até 100º C, a câmera exibia uma cor azul sólida. Mikhail Kats, graduando de Harvard e quem propôs a experiência realizada por ele e seus colegas, diz que "enquanto o disco apresentava temperatura de 90º C, a câmera informava apenas 50º C". A pesquisa foi publicada na Physical Review.

vanadium-dioxide-sapphire-wafer-camera-test

Fora a óbvia aplicação militar, Kats acredita que a descoberta pode ser muito útil em satélites, que controlam sua temperatura de acordo com a quantidade de radiação que absorvem. O dióxido de vanádio pode ser útil para reduzir o consumo de energia.

Fonte: SN.

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários