Home » Games » Análises » O plano perfeito

O plano perfeito

Quer saber como é um dia na vida de um assaltante de banco? Então leia a análise do Payday 2, ótimo jogo para PC, Xbox 360 e PlayStation 3 com forte apelo ao modo cooperativo.

6 anos atrás

payday-2

Dia 22 de agosto de 2013, 10h. Lembro-me bem dos detalhes porque, depois de alguns roubos em lojas de menor porte que serviram de iniciação, aquela foi a primeira vez em que assaltei um banco e por isso a ansiedade estava a mil. Na bela manhã daquele dia nosso alvo seria uma pequena agência e após chegar ao local, coube a Dallas utilizar sua experiência para nos instruir e por isso fiquei na entrada do estacionamento junto com Hoxton e Chains averiguando se alguém não se aproximava.

Enquanto o líder do grupo procurava o enorme equipamento que seria utilizado para abrir a espessa porta do cofre, eu ainda não fazia muita ideia do que aconteceria ali, embora tivesse estudado cuidadosamente a planta do local e idealizado milhares de rotas de fuga. No fundo sabia que a coisa não seria tão simples e por isso tentava refazer todo o plano em minha cabeça enquanto meu parceiro arrombava a porta lateral, o que demorou apenas alguns minutos (que pareceram uma eternidade).

Lá dentro, meu amigo ████████, ou melhor, Dallas - nestes casos é sempre bom manter o anonimato - fez uma varredura do prédio tomando cuidado com as câmeras ou guardas e me avisou pelo discreto rádio transmissor preso à minha orelha que seria humanamente impossível realizar o roubo sem causar supeitas e me deu o comando que tanto aguardava e temia: “Você terá que entrar pela porta da frente e anunciar o assalto.

Tratei de me dirigir para a entrada do banco e no meio do caminho, do alto da minha inexperiência e com a tensão correndo por minhas veias, fiz uma pergunta cuja resposta já conhecia, afinal, quem seria estúpido o suficiente para colocar a máscara só depois de já ter sido filmado pelas câmeras internas e seguido pelos dois outros comparsas, adentrei o local com a arma em punho e gritando sobre o que estava acontecendo. Parecia que o inferno havia chegado à Terra.

Por um breve momento tive a sensação de que tudo estava em câmera lenta. Eu não sabia onde Hoxton e Chains estavam e só pude imaginar que Dallas já se dirigia para o cofre pelos fundos para montar a broca e o que realmente prendeu minha atenção naqueles poucos segundos foram dois guardas que tentaram reagir sacando suas armas, mas antes mesmo que eles as apontassem para mim, efetuei alguns disparos que foram suficientes para matá-los.

payday-2-2

A princípio o saguão estava seguro e foi então que percebi a correria, os gritos e o atordoante alarme soando, o que me fez lembrar que eu precisava mandar aquelas pessoas se deitarem e de preferência imobilizar algumas delas, pois o que estava por vir seria muito pior do que eu poderia imaginar.

Logo o banco estava cercado por policiais e enquanto o equipamento realizava seu trabalho, que era nos dar acesso ao interior do protegido cofre, o que se passou nos minutos seguintes foi uma luta ferrenha por nossas vidas e entre um desligamento ou outro da poderosa broca, os policias caiam pela rua aos montes, como se fossem moscas e por mais que Chains e Hoxton parecessem um pouco abobados, talvez devido a estresse causado pela situação, posso dizer que eles nos ajudaram de alguma maneira, nem que fosse desviando a atenção dos homens da lei.

Aliás, verdade seja dita. Tenho que reconhecer que em determinado momento um deles foi muito importante para que hoje eu esteja aqui contando essa história, pois apesar de o calor do momento não me permitir recordar qual deles me salvou, nunca me esquecerei que cheguei a ser derrubado por um dos policiais e graças ao colete a prova de bala que estava usando e o pronto atendimento de um dos meus parceiros, pude levantar e continuar lutando.

payday-2-5Bom, voltando ao assalto, a porta do cofre foi finalmente aberta e ao entrar tive a sensação de estar no paraíso. Centenas de milhares de dólares à nossa disposição, quer dizer, desde que conseguíssemos carregar aquilo tudo e sem perder tempo começamos a colocar a fortuna em malas, quando surgiu um dilema. Dallas me avisou que nosso contrato só exigia tirarmos três malas dali, mas tanto dinheiro precisaria de cinco ou seis delas. O que fazer? Deixar as outras para trás ou tentar levar tudo?

Com a ganância tomando conta de mim, disse que ficaríamos com tudo e enquanto as balas continuavam zunindo em nossos ouvidos, rapidamente começamos a levar o dinheiro para nossa van, que estava localizada em um beco em frente ao estacionamento e após colocar todas as malas no veículo, Dallas me disse que uma delas havia parado em uma esquina a uns 100 metros de distância, provavelmente tendo sido carregada por um dos policiais e como estava cercada por eles, parecia loucura ir até lá tentar pegá-la.

Porém, eu resolvi que valia o risco e corri em direção a aqueles milhares de dólares e ao chegar perto do pacote, de relance vi que os prédios em torno do banco estavam repletos de atiradores de elite e com várias miras laser sobre mim, bati em retirada enquanto gritava no rádio para meus parceiros recuarem, o que deu início a risos histéricos enquanto entrávamos no carro e por sorte conseguimos sair com vida de lá.

-------------------------------------

O que você acabou de ler foi o meu relato sobre uma das missões do jogo Payday 2, desenvolvido pela Overkill Software e que conta com versões para PlayStation 3, Xbox 360 e PC. Nele assumimos o papel de um assaltante que tentará subir na carreira do crime, começando por pequenos furtos e podendo chegar até a grandes roubos e na missão descrita acima contei com a ajuda de um amigo, enquanto a inteligência artificial se encarregou dos outros dois personagens.

Com foco nas partidas cooperativas, esta versão traz uma enorme quantidade de melhorias em relação ao original, nos permitindo idealizar os assaltos e melhorar os personagens conforme jogamos, seja adquirindo novas armas, equipamentos e até mesmo mudando as máscaras, o que torna toda a experiência muito mais imersiva e desafiadora.

No total temos diversos lugares para roubar, desde pequenas lojas de conveniência até o transporte de drogas, a incriminação de um senador ou a invasão de casas noturnas e galerias de arte, sendo que alguns desses crimes precisarão de mais de um dia para serem concluídos, além de exigirem muita coordenação entre os jogadores.

Embora o game sofra com gráficos que não estão a altura dos últimos lançamentos, Payday 2 diverte ao oferecer uma jogabilidade sólida, podendo ser aproveitado por muito tempo e com potencial para agradar mesmo aqueles que não gostaram muito do seu antecessor.

Nele já temos uma boa quantidade de conteúdo, mas se a desenvolvedora souber aproveitar seu potencial para abastecê-lo com expansões por um bom tempo, há uma boa chance dele ser lembrado como um dos melhores jogos cooperativos dos últimos anos.

relacionados


Comentários