Coreanos criam janela que barra o som mas deixa o ar passar

Barulho

Crédito da imagem: reprodução.

Só quem já morou em um prédio próximo a trânsito intenso sabe o quanto incomoda aquele barulho constante. Chega um ponto em que você escuta barulho de ônibus até enquanto dorme.

Isolamento acústico é difícil de fazer e custa caro, trabalhando com materiais que absorvem o som, muito cálculo e magia negra, nem sempre obtendo os melhores resultados.

Outro problema é que isolamento acústico requer janelas fechadas, o que não é muito agradável, principalmente em climas quentes. Janelas que isolam o barulho e deixam o ar passar parece algo impossível, mas é exatamente o que Sang-Hoon Kima, da Universidade Marítima Nacional de Mokpo, na Coreia do Sul, e Seong-Hyun, do Instituto de Maquinário e Materiais da Coreia conseguiram fazer.

Eles criaram um sistema que separa o som do ar para então atenuá-lo. Com isso criaram uma janela que deixa apenas o ar passar, explorando dois fenômenos acústicos. O primeiro deles consiste em criar um material com módulo volumétrico negativo.

O módulo volumétrico de um material é basicamente sua capacidade de resistir à compressão, esse é o fator determinante da velocidade com que o som consegue atravessá-lo. O problema é conseguir um valor negativo em material sólido.

Eles resolveram isso com uma câmara de ressonância extremamente simples: duas chapas de acrílico transparente posicionadas em paralelo, separadas por um espaço de 40 milímetros. Em termos leigos, o som interagindo dentro da câmara anula o som que vem de fora dela, fazendo com que o módulo volumétrico da mesma seja negativo.

Janela à prova de som

A eficiência do sistema foi aumentada através de um furo de 50 milímetros em cada peça de acrílico. Isso funciona como um elemento de difração do som que atinge a câmara.

Cada peça tem 150 milímetros quadrados. Em seus testes, eles construíram uma “parede” de 3x4x3 blocos, conseguindo reduzir o barulho em até 35 decibéis nas frequências entre 700 e 2.200 Hz. Acrescentando blocos com furos menores, foi possível atenuar frequências mais baixas.

Os furos, responsáveis também pela passagem do ar, podem ser utilizados para “afinar” o som que passa pela janela.

Por exemplo, em uma área onde se ouve o som do mar, que é de baixa frequência, mas temos o barulho de máquinas, que é de alta frequência, é possível filtrar e ficar apenas com o som do mar, além da brisa.

O sistema deve funcionar também dentro d’água, permitindo proteger a fauna marinha da poluição sonora.

Fonte: MIT Technology Review

Autor: j. noronha

Blogueiro em tempo integral e gênio nas horas vagas.

Compartilhar