Home » Ciência » Espaço » Vladimir Putin anuncia primeiro voo espacial tripulado da Rússia para 2018

Vladimir Putin anuncia primeiro voo espacial tripulado da Rússia para 2018

Presidente Vladimir Putin anuncia planos ambiciosos de expansão do Programa Espacial Russo.

7 anos atrás

Vladimir Putin

O presidente Vladimir Putin anunciou um plano ambicioso para reintroduzir a Grande Mãe Rússia no ramo da exploração espacial. Com um investimento inicial de 50 bilhões de dólares, o governo local pretende pôr em prática uma série de ações de modo a lançar voos tripulados já em 2018, a partir do futuro cosmódromo de Vostochny, que está sendo construído no extremo leste do país, próximo a fronteira com a China.

O anúncio foi feito para aproveitar os 52 anos do primeiro homem no espaço, Iuri Gagarin (a data é feriado nacional). “Quero cumprimentar a tripulação neste feriado”, disse Putin. “Estes não são apenas cumprimentos, são cumprimentos da construção do nosso futuro”.

Desde a aposentadoria dos ônibus espaciais, a NASA depende do programa Soyuz para mandar astronautas rumo à ISS (as cápsulas Dragon da SpaceX são uma alternativa), mas mesmo a Rússia não possui uma base própria, ela atualmente lança suas missões do cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão. Apesar da concessão de uso à Rússia não expirar antes de 2050 e o próprio governo não ter a intenção de abandoná-la, Putin disse que ela está “fisicamente antiquada”.

O programa consiste em injetar US$ 50 bilhões para finalizar o Vostochny e modernizar toda a frota de foguetes russos; além disso, foram estipulados deadlines, que são:

  • 2015: conclusão da base de Vostochny e lançamento de missão não-tripulada;
  • 2018: lançamento da primeira missão espacial tripulada;
  • 2030: capacidade de defender o estado russo via espaço de qualquer ameaça externa (soou como o Programa Guerra nas Estrelas do governo Reagan, mas ele não se aprofundou nisso).

O presidente russo também mencionou a possibilidade de instalar uma base lunar permanente e mandar cosmonautas à Marte, mas sem previsão de quando se dará isso (Putin é raposa velha da KGB; não ia dar uma gafe anunciando datas de algo tão complexo e que ninguém cogita para um futuro próximo).

Claro, Putin não é bobo: Vostochny estará sim aberta a outros países, conforme segue:

Está claro que a Rússia do século 21 deve preservar seu status como importante potência espacial. (…) O espaço é uma esfera de atividade que nos permite esquecer todas as difíceis relações internacionais… sem pensar nos problemas, e sim no futuro”.

É um movimento importante, mas é fato que a Rússia não conta mais com um gênio como Sergei Korolev, o homem que carregou o programa espacial soviético sozinho até sua morte, em 1966. Depois disso até o cancelamento do programa de foguetes em 1974, a URSS só deu bola fora.

A maior delas foi em 03 de julho de 1969, durante o teste do N1-L3, um foguete colossal que rivalizava com o Saturn V; um pequeno parafuso solto no tanque de combustível fez com que  o primeiro estágio explodisse e ele despencasse do céu 23 segundos após o lançamento. O resultado foi a maior explosão não-nuclear da história, com uma energia equivalente à detonação de 7 mil toneladas de TNT:

georgH — Soviet N1 moon rocket exploding

Fonte: Popular Science.

relacionados


Comentários