Meio Bit » Arquivo » Hardware » Nada torna uma criança mais livre do que uma Mão Biônica Open Source

Nada torna uma criança mais livre do que uma Mão Biônica Open Source

10 anos atrás

Robohand

Nossa história começa com um carpinteiro sul-africano chamado Rich Van As sofrendo um acidente e perdendo quatro dedos em uma serra. E como perder para serra desqualifica pra ser Presidente, ele teve que continuar com a profissão. O que é ruim, sem dedos.

Procurando alternativas, só achou dedos mecânicos custando milhares de dólares. Sem desistir Rich achou o trabalho de um tal Ivan Owen, técnico de efeitos especiais no Estado de Washington, EUA. Os dois começaram a se corresponder, trocando idéias de próteses mecânicas, e logo criaram um projeto para chegar a uma solução barata, eficiente e customizável. Principalmente, Open Source.

O projeto atraiu atenção de muita gente, inclusive da Makerbot, que doou duas impressoas 3D para a dupla, permitindo que fizessem prototipagem rápida, troca de modelos de CAD e até produção de peças finais.

Depois de algum tempo chegaram a um design com 46 peças: 16 impressas em 3D, 28 prontas (parafusos, cordas de nylon, arruelas) e duas peças de termoplástico para customização. Eu sei, dá 47 peças, mas quem montou coisas complicadas sabe que é assim mesmo.

O custo total da mão ficou em US$150,00.

O primeiro usuário da mão biônica é um garotinho chamado Liam, filho de uma família sulafricana sem muitas posses. Liam nasceu sem os dedos na mão direita, e até seu aniversário, em Janeiro passado não tinha nenhuma alternativa.

A dupla de amigos/pesquisadores/projetistas soube do caso e correram atrás, customizando a mão para o braço do pequeno. No dia do aniversário, a mão foi seu maior presente.

Em três dias o moleque já estava fazendo isso:

A mãe de Liam escreveu contando que ele não pára, brinca pra todo lado, mostra a mão pra todo mundo e na escolinha tanto alunos quanto professores ficaram maravilhados com a tecnologia.

O material torna a mão mais forte do que uma natural, mas isso só será problema quando Liam chegar na adolescência, e até lá já terão passado a dica de praticar num cachorro-quente.

A dupla disponibilizou todos os arquivos de CAD e instruções, sem qualquer tipo de licença ou patente.

O pagamento? Esta imagem, no momento em que usando um protótipo da mão Liam pela primeira vez na vida pegou um objeto com sua mão direita:

liamgotit

Nenhum dos dois é cientista, nenhum dos dois é engenheiro, mas Rich Van As mostrou que isso não é problema, e com boa vontade, ciência e tecnologia até um marceneiro pode praticar pequenos milagres.

Fonte: PS

relacionados


Comentários