Games
Games
Digital Drops Blog de Brinquedo

Estúdio indie diz que Nintendo aprova partidas entre plataformas

Por em 15 de outubro de 2013

pure-chess

Na semana passada soubemos de um executivo da Microsoft que deu a entender que o próximo console da empresa poderá ter partidas contra aqueles que estiverem no PC, o que encheu muitas pessoas de esperança.  Essa função é algo que há muito vem sendo prometido, mas de acordo com o pessoal da Ripstone, há uma empresa que parece disposta a permitir isso e vejam só, é exatamente a Nintendo, que costuma ser criticada pelo seu conservadorismo.

A revelação foi feita por Phil Gaskell, co-fundador do estúdio, em um ótimo artigo publicado no Eurogamer onde é discutido o futuro dos jogos independentes. Segundo o rapaz, eles contataram a BigN para saber se poderiam utilizar o cross-play em seus jogos e surpreendentemente a resposta foi positiva.

Lançaremos o Pure Chess e o Knytt Underground no final do ano e em relação ao Pure Chess, perguntamos se poderíamos ter multiplayer entre plataformas, esperando que seria a típica plataforma com a qual estou acostumado a trabalhar por 20 anos.

Alguns dias depois eles disseram, ‘sim, sem problema. Você pode ter jogadores de outros consoles jogando contra os que estiverem no Wii U. Você pode ter jogadores de smartphones jogando contra eles. Sem problema.’

Agora o pessoal da Ripstone terá que convencer a Sony a afrouxar as regras, mas Gaskell disse acreditar que a fabricante não criará empecilhos quanto a isso. Contudo, o certo por enquanto é que quando o jogo for lançado, poderemos jogar contra aqueles que estiverem no 3DS, no Wii U, em dispositivos Android ou iOS, o que convenhamos, será sensacional.

Tomara que este seja um dos primeiros passos em direção ao fim desta barreira estúpida e na minha opinião, de todas as inovações que a próxima geração pode nos trazer, acho que a possibilidade de partidas entre plataformas seria uma das melhores.

emNintendo

Nintendo cancela participação na Brasil Game Show 2013

Por em 30 de setembro de 2013

sad-mario

A Nintendo realmente não sabe o que faz da vida. Num momento em que as vendas do Wii U não estão boas e o console perde apoio de third parties uma após a outra, a melhor chance da empresa seria aproveitar a Brasil Game Show 2013, a maior feira de games da América Latina para trazer novidades revelantes não só para o Brasil (que é um mercado em expansão) como para outros países, que tem percebido a importância do evento.

continue lendo

emDestaques Miscelâneas Nintendo

Redator do MeioBit.com internado com overdose de endorfina

Por em 28 de setembro de 2013
Rayman Legends Air Guitar

Rayman Legends Air Guitar

OMFG! Eles fizeram de novo!” Foi mais ou menos essa a minha reação ao jogar a demo de Rayman Legends quando ela pintou na PSN, logo antes de atirar o controle para o lado e sair correndo para comprar uma cópia completa na loja mais próxima (sim, sou desses que colecionam caixas, além do mais você precisa conhecer a internet da minha cidade pra entender). Eu já era fã declarado de Rayman, desde que eu e minha companheira mirim de jogatina descobrimos as infindáveis fases e maneiras de jogar de Rayman Origins. A minha reação foi tão espetacular que só posso dizer que além de terem feito de novo, ainda o fizeram com maestria tal que superaram aquele que para mim era um dos Top 5 jogos de plataforma de todos os tempos.

Todos os elementos principais continuam presentes. Gráficos alucinadamente coloridos com uma direção de arte que vai fazer seus olhos lacrimejarem, música soberba, diversão e jogabilidade na estratosfera. Agora pegue todos esses elementos, coloque no liquidificador do “Will It Blend?”, bata com vontade, coloque mais açúcar, mais pó mágico (X Element) e provavelmente algum pó ilegal que os programadores usaram durante o desenvolvimento, acrescente uma pitada de tudo que há de bom, injete nas suas veias, deixe processar, bata seu sangue no liquidificador de novo, dê uma volta naquela montanha russa irada e beba seu sangue com álcool 120%. Ótimo, agora você sabe o que é este jogo.

Meus amigos, valor de design e produção artística é algo que não falta nessa sequência, Rayman Legends é ainda mais polido, refinado e avançado esteticamente que o antecessor. Quando penetramos (ui!) a fundo na sua deslumbrante jogabilidade e nos deixamos surpreender pela magia que aflora em cada golpe no adversário, salto e queda, vemos que qualquer interação gera uma reação em cadeira e o mais legal é tentar descobrir todo esse funcionamento milimetricamente planejado.
continue lendo

emAnálises Destaque Sony

Para Nintendo, remake do Wind Waker ajudará a vender consoles

Por em 27 de setembro de 2013

zelda-wind-waker

Quem aí já jogou o The Legend of Zelda: Wind Waker? Felizmente eu tive a oportunidade de encarar o jogo no GameCube e talvez por isso eu não tenha ficado muito empolgado com o anúncio de que o Wii U receberia um remake dele, simplesmente por achar que ele já era muito bonito mesmo sem a alta resolução, mas pelo jeito eu sou uma exceção, pois para a Nintendo, essa nova versão poderá lhes ajudar a vender alguns consoles.

Este é o momento perfeito para os fãs do Zelda descobrirem o Wii U,” declarou Roger Langford, gerente de produto na BigN. “Para muitos fãs da série, esta será a primeira vez que jogarão o Wind Waker e nós estamos tratando o jogo como um lançamento de grande porte.

O Ocarina of Time 3D se saiu muito bem no Nintendo 3DS e estamos visando replicar esse sucesso com o The Wind Waker HD.

Os críticos do Wii U dirão que o desespero da Nintendo é tão grande que a empresa está até apostando numa versão remasterizada de um jogo para alavancar as vendas, mas se pensarmos bem, o comentário faz algum sentido, já que atualmente há um modelo do videogame que vem com uma cópia do jogo ou porque poucas pessoas tiveram um GameCube e embora o Wind Waker rodasse no Wii, não lembro de ter visto alguém dizer que jogou ele neste videogame.

No fim das contas acho que isso ainda é pouco para uma empresa que conta com tantas franquias famosas e penso que no mínimo eles deveriam estar investindo mais em “remakes” de alguns bons jogos do GC, pois pelo menos assim os donos um Wii U teriam algo para jogar.

Fonte: MCV.

emNintendo

Nintendo aposta nos indies para mudar sua imagem

Por em 13 de setembro de 2013

wii-u

Semana passada a Bethesda ganhou as manchetes ao criticar duramente a maneira como a Nintendo teria lidado com os estúdios externos enquanto estava desenvolvendo o Wii U e para acabar um pouco com essa imagem de uma empresa que não escuta seus parceiros, o gerente de desenvolvimento de negócios, Dan Adelman e o gerente sênior de marketing para licenciamento, Damon Baker concederam uma entrevista onde deixam claro como os indies estão ajudando nesta tarefa.

Acho que isso é algo do qual somos culpados ao invés de ser algo do qual queremos nos vangloriar e algo que estamos tentando mudar,” afirmou Adelman. “… Acho que estamos tentando fazer um trabalho melhor para acabar com a ideia de que há algo atrás daqueles portões fechados e que ninguém pode ver o que é.

Já para Baker, um dos objetivos é fazer com que os estúdios percebam que ter seus jogos publicados em plataformas da Nintendo é algo simples e muito mais fácil do que antigamente, mas que ainda há muito a ser feito para que isso aconteça e um dos exemplos é o fato de muitos desenvolvedores independentes ainda acharem que precisam ter um escritório para colocar seus jogos no Wii U ou no 3DS, exigência que foi abolida há meses.

Entre os incentivos que a fabricante tem dado aos indies, foram citados o suporte à engine Unity e o preço cobrado por um kit de desenvolvimento, que segundo Adelman custaria o mesmo que um bom computador, informações que já haviam sido divulgadas pela Nintendo, mas que admite que nem todos as conhecem.

O irônico nesta história é perceber que essa imagem de empresa fechada criou-se justamente numa tentativa da BigN de manter suas plataformas longe das muitas porcarias que inundaram o mercado durante a década de 80, mas o importante é que eles parecem ter consciência de que os tempos mudaram e que é preciso dar espaço aos pequenos estúdios. Só espero que isso não signifique que o Wii U será um consoles apenas de jogos indies, mesmo caminho que o PS Vita ameaça seguir.

emNintendo

Estágios que faltam na versão de PS Vita de Rayman Legends serão lançados via DLC grátis

Por em 6 de setembro de 2013

Rayman Legends

Depois de todo sururu causado pelo atraso de Rayman Legends para Wii U, a última coisa que a Ubisoft queria era se envolver em outra confusão. Mas como nada está tão ruim que não pode piorar, a desenvolvedora se atrapalhou com o desenvolvimento da versão do PS Vita, o que faria o lançamento atrasar.

A solução foi cortar o Invasion Mode, modo desafio que contém 28 fases, mas como o departamento de Recursos Humanos estava de folga, não avisaram ninguém.

Óbvio que os jogadores que adquiriram o jogo não gostaram nem um pouco, ainda mais porque a Ubisoft afirmou com todas as letras que a versão teria tudo que suas contrapartes nos consoles e PC possuem. Em outras palavras, ela mentiu.

Porém foi um caso de descuido mesmo. Não muito depois da chiadeira justificada se espalhar o gerente de comunicações Gary Steinman veio a público dizer que o conteúdo que falta será introduzido via um DLC gratuito, e explicou os motivos:

“Devido um período de desenvolvimento mais longo do que o esperado, nós não pudemos incluir o Invasion Mode – essencialmente segundas versões dos estágios de Rayman Legends – na versão do PS Vita.

 

Entretanto nós confirmamos que o modo será adicionado através de um patch gratuito, em data ainda a definir.”

No fim das contas a versão do portátil da Sony terá seus estágios faltando adicionados em breve, mas a pergunta que fica é: a Ubisoft já sabia disso, então por quê cargas d’água a empresa não avisou isso ANTES do lançamento de Rayman Legends, deixando os jogadores descobrirem da pior maneira?

Fonte: CVG.

emComputadores Microsoft Nintendo Sony

Stan Lee será um personagem jogável em LEGO Marvel Super Heroes. ‘Nuff said

Por em 5 de setembro de 2013

stan-lee-lego-marvel-super-heroes

Ainda que a série LEGO nos videogmames careça de um pouco de originalidade após tantas franquias diferentes revisitadas (Star Wars, Indiana Jones, Batman, DC Heroes, Senhor dos Anéis, Harry Potter, Piratas do Caribe…), o pessoal da Traveller’s Tales se esforça para sempre trazer novos features que mantenham seus títulos no mínimo interessantes para os mais velhos, ainda que eles agradem os pequenos no geral, que são o verdadeiro público-alvo.

LEGO Marvel Super Heroes não faz diferente. Com uma história original e mais de 100 personagens que podem ser destravados durante o jogo, o game promete ser uma experiência que se manterá atrativa por um bom tempo. Mas se os jogadores fãs do Homem-Aranha, Wolverine, Capitão América, Hulk, Thor, Homem de Ferro, Quarteto Fantástico, Luke Cage, Ciclope (o caolho tem fãs?), Viúva-Negra, Ms. Marvel (ou melhor, Capitã Marvel) e afins, um certo personagem estava faltando.

continue lendo

emComputadores Microsoft Nintendo Sony