Games
Games
Digital Drops Blog de Brinquedo

Para analista, Wii U venderá no máximo 25 milhões de unidades

Por em 22 de novembro de 2013

wii-u

Que a situação do Wii U não anda muito bem, todos nós sabemos, mas se a previsão de um analista da DFC Intelligence se confirmar, a Nintendo venderá bem menos consoles do que muitos poderiam imaginar.

Em um relatório onde fala sobre o futuro do videogame, David Cole afirmou que no máximo 25 milhões de unidades serão vendidas, o que representaria apenas um quarto do que foi registrado pelo seu antecessor e que ficaria muito abaixo daquilo que os especialista imaginam que o PlayStation 4 e o Xbox One conseguirão alcançar.

Nós novamente estamos reduzindo a previsão para o Wii U. No momento parece que ele venderá o mesmo que o GameCube vendeu durante seu ciclo de vida…

Acho que a Nintendo está buscando um público diferente e isso dito, acho que é a estratégia correta. No momento eles precisam primeiro ir atrás dos fãs da Nintendo. Eles deveriam ter feito isso no ano passado, mas antes tarde do que nunca.

A expectativa da BigN é que esse cenário comece a mudar hoje, quando o Wii U receberá os jogos Super Mario 3D World e Mario Party: Island Tour, títulos que poderiam ajudá-los a atingir a marca de nove milhões de consoles durante este ano fiscal, mas como apenas 460 mil unidades foram vendidas desde abril, acho que eles dificilmente atingirão o objetivo.

A previsão pode ser considerada muito dura? Provavelmente, já que o console ainda deverá permanecer no mercado por vários anos e o lançamento de jogos de grande porte da própria Nintendo deverá fazer com que as vendas melhorem bastante, mas se levarmos em consideração que algo em torno de apenas quatro milhões de Wii U foram vendidos até o momento e que as desenvolvedoras externas não estão lhe dando muita atenção, se torna um pouco mais fácil entender o porque do mercado estar tão pessimista em relação ao aparelho.

Fonte: GamesIndustry.

emNintendo

Goichi Suda defende Nintendo e jogos indies

Por em 18 de novembro de 2013

suda51

Tendo seu nome ligado à criação de diversos jogos com temáticas bastante diferentes das que estamos acostumados a ver, como Killer7, No More Heroes e Lollipop Chainsaw, Goichi Suda é aquele tipo de game designer que toda fabricante gostaria de ter ao seu lado, talvez não para ganhar rios de dinheiro com suas criações, mas para poder se vangloriar da diversidade.

Como o último jogo dele lançado para uma plataforma da Nintendo foi o No More Heroes 2, lá em 2010, alguns começaram a imaginar que o japonês havia desistido da empresa, mas durante uma entrevista ele disse que isso não é verdade é garantiu que os videogames da BigN são muito importantes para o seu estúdio, a Grasshopper Manufacture.

E para reforçar tal opinião, Suda51 mostrou um ponto de vista que que considero muito bacana e ainda rasgou elogios aos indies.

Acho que o mais importante são os jogos em si e não a plataforma em que estão e acho que é muito importante podermos ter a chance de jogarmos todo tipo de jogos – não apenas os títulos AAA, mas os indies também.

Você sabe, os jogos indie não necessariamente são pobres, penso que hoje em dia estamos mudando para a época em que jogamos todo tipo de jogos dos mais variados tamanhos – mas eles são igualmente bons.

Pois é, mais respeito aos jogos independentes e aprender a avaliar a qualidade de um título independente da plataforma em que ele está disponível. É uma pena que nem todos pensem assim, especialmente os jogadores, mas acho que isso explica porque Goichi Suda é tão respeitado.

Fonte: NintendoLife.

emIndústria Nintendo

Pier Solar HD só será lançado em março de 2014

Por em 18 de novembro de 2013

pier-solar

Um dos grandes arrependimentos que tenho em relação aos games foi não ter adquirido a edição especial do Pier Solar, jogo lançado em 2010 para o Mega Drive e que hoje deve custar uma pequena fortuna.

Como voltar no tempo é uma habilidade que ainda não desenvolvi, comprar aquela edição está fora dos planos e por isso me contentarei em jogar a versão remasterizada do título, que graças a uma bem sucedida campanha no Kickstarter, o trará para uma série de plataformas.

Porém, a última atualização do projeto trouxe duas informações que deverão desagradar algumas pessoas. A primeira delas diz respeito ao Xbox 360 e o Xbox One, que segundo Túlio Gonçalves, brasileiro responsável pelo desenvolvimento, não deverá receber o jogo. O problema estaria na indiferença mostrada pela Microsoft, que mesmo tendo recebido diversos pedidos para a inclusão do game na Xbox Live, simplesmente ignorou todos.

Já em relação ao lançamento, previsto inicialmente para o mês que vem, ele infelizmente teve que ser adiado para março de 2014, portanto teremos que esperar mais um pouco para finalmente colocarmos as mãos no jogo.

A boa notícia porém é que o Pier Solar HD também receberá uma versão para PlayStation 3, sendo assim, o console da Sony se junta ao Dreamcast, PS4, PC, Wii U, Android e Ouya, como as plataformas onde estará disponível, mas acho que também seria muito bom se o Vita fosse atendido.

Update: a Microsoft parece ter percebido a besteira que estava fazendo e entrou em contato com a desenvolvedora, que afirma que novidades deverão surgir em breve. Ou seja, o jogo deverá aparecer no Xbox 360 e Xbox One.

Fonte: Sega Nerds.

emComputadores Nintendo Sony

Executivo da Sony deseja sucesso à Nintendo

Por em 14 de novembro de 2013

Shuhei-Yoshida

É bastante comum acharmos que os grandes figurões das empresas de games querem que as outras desapareçam, impressão que provavelmente foi incentivada pela guerra travada entre Sega e Nintendo durante as décadas de 80 e 90, mas um que não garante não nutrir tal sentimento pela BigN, é Shuhei Yoshida, presidente da Sony Worldwide Studios.

Em uma entrevista ao IGN, o simpático executivo falou sobre como a concorrente é importante para os negócios.

Quando você olha para a situação em torno da Nintendo, você a caracterizaria como nossa concorrente? Acho que numa escala mais abrangente de coisas acontecendo na indústria, na tecnologia ou na vida das pessoas, como elas jogam ou em que dispositivo, e como elas aprendem a jogar videogame, acho que nós e a Nintendo estamos no mesmo grupo.

Nós precisamos que a Nintendo seja muito bem sucedida para ajudar a iniciar a maior quantidade possível de consumidores que gostem de jogar com controles, certo? Eu tenho dois Wii Us. Jogo os games do Wii U com minhas filhas, porque eles fazem jogos muito divertidos para a família.

Yoshida também defendeu a Microsoft, dizendo que embora as três fabricantes disputem o mesmo espaço, precisam uma das outras para fazer com que a indústria cresça e ainda disse acreditar que a Nintendo errou ao prometer que o Wii U seria voltado para os hardcore e não conseguir cumprir isso.

Esse é o tipo de postura que deveria ser adotada pelos istas, que infelizmente são incapazes de reconhecer as qualidades dos aparelhos produzidos pelas empresas que não gostam e principalmente, incapazes de perceber que mesmo que um videogame não lhe agrade, ele pode ajudar a manter a variedade na indústria. Mas talvez eu esteja pedindo muito.

continue lendo

emIndústria Nintendo Sony

Wii U será lançado oficialmente no Brasil em 26/11. Preço? É melhor se sentar…

Por em 7 de novembro de 2013

wii-u-mario-and-luigi-deluxe-set

Definitivamente ser fã de videogames no Brasil não é uma tarefa fácil, ainda mais quando se é fã da Nintendo. O Wii U foi lançado ano passado e desde então, a data de seu lançamento oficial por aqui sofreu um atraso atrás do outro, chegando ao cúmulo do presidente da Nintendo of America Reggie Fils-Aime dizer que a culpa se deve ao fato do Brasil não ter estrutura para fabricar o console. Eu até engoliria essa se a Microsoft não fabricasse o Xbox One aqui, mas não é o caso. Isso sem contar o fato dela ter cancelado sua participação na Brasil Game Show 2013.

Entretanto, como tanto a Sony quanto a Microsoft reconheceram que o Brasil tem um grande potencial, a casa do Mario acordo e resolveu finalmente agendar o lançamento oficial do Wii U em terras tupiniquins. O console entrará em pré-venda na madrugada de 08 para 09/11 e será vendido apenas em lojas virtuais. O lançamento oficial será no dia 26/11.

continue lendo

emDestaque Hardware Nintendo

Satoru Iwata fala da relação da Nintendo com third parties: “não seguimos o que os outros fazem”

Por em 5 de novembro de 2013

satoru-iwata-year-of-luigi

Ao que tudo indica o Wii U entrou no paradoxo Tostines, que quase vitimou o PS Vita: não tem jogos porque não vende e não vende porque não tem jogos. Ao se arriscar lançando um hardware levemente superior ao Wii e que não consegue ir muito além das capacidades técnicas da atual geração, a empresa vem perdendo o apoio de third parties uma após a outra, o que não impede a Big N de lançar jogos próprios excelentes.

Uma das possibilidades seria fazer o que outras empresas como Sony e Microsoft fazem, ao oferecer bônus em dinheiro ou guerras de preço para atrair desenvolvedores, mas para o presidente e CEO da Nintendo Satoru Iwata, isso é algo que a empresa nunca fará: imitar a concorrência.

Durante recente Q&A com investidores, Iwata respondeu diversas dúvidas acerca da filosofia da empresa, entre elas a relação dela com third parties, e o que ele como CEO faria para atraí-las. Iwata respondeu que a Nintendo não fará nada diferente do que ela já faz hoje, vai basicamente se manter no mesmo caminho, se concentrando em seu jogos próprios e não vai correr atrás de softhouses como seus adversários, algo que segundo o finado Hiroshi Yamauchi, é algo que não faz parte do DNA da empresa:

Em termos de como vemos o nosso relacionamento com as editoras third parties, acho que é natural que haja uma diferença entre as editoras que possuem recursos para o desenvolvimento de software como a Nintendo, para construir uma linha de softwares própria e as editoras que não possuem. Desde que o ex-presidente Yamauchi faleceu, tenho pensado no que ele nos ensinou no final, e suas palavras “a pior coisa que podemos fazer no mundo do entretenimento é seguir o que os outros estão fazendo” atingiram meu coração em cheio.

Imitar os outros é o tipo de lógica que a Nintendo evita ao máximo e nós certamente não temos uma atitude negativa para fortalecer os laços com third parties. Utilizar os mesmos métodos que outros fabricantes só levaria às mais simplistas abordagens competitivas, tais como guerras de preço ou oferecer dinheiro, que nunca terminam. Gostaríamos de ter uma abordagem única e própria para construir relacionamentos sustentáveis com as nossas third parties.

Nota-se que a posição da Nintendo é a mesma desde que lançou o Wii U: “este é nosso console, se quiser desenvolver esses são os termos, não espere vantagem nenhuma”. É compreensível o porquê de muitas empresas não quererem trabalhar com a Nintendo: o hardware é limitado, estando ao nível de um XBox 360 ou PS3.

A questão aqui é: a Nintendo pretende manter um bom relacionamento com as third parties, mas não vai bajular ninguém.

Sobre a nova geração, Iwata respondeu que a Nintendo também não está preocupada por uma simples questão de foco: sua empresa mira em jogos e softwares para toda a família (como ela sempre fez), enquanto o PS4 e o Xbox One seriam voltados para jogadores hardcore. Em suma, para Iwata quem compra um Wii U ou um 3DS o faz principalmente para jogar títulos da Nintendo, não por games AAA. Ele ainda adiantou que a Nintendo lançará inúmeros jogos em breve “visando toda a família: pais, avós e crianças”. Podemos citar dois bem díspares que ilustram bem essa diversidade: Super Mario 3D World e Bayonetta 2.

Pode ser que essa estratégia acabe por transformar o Wii U num console exclusivo de games da Nintendo, mas a empresa não parece se preocupar: mesmo que seu público se reduza, a parcela de fãs que permanecerá fiel parece ser o suficiente. Resta saber se eles manterão as finanças da empresa.

Fonte: Nintendo.

emCultura Gamer Nintendo

BigN diz porque novo Mario 3D não terá multiplayer online

Por em 28 de outubro de 2013

Super Mario 3D World

Ultimamente a Nintendo parece estar fazendo questão de passar a imagem de que atua em um universo paralelo, ignorando quase que completamente mercados em expansão e por incrível que pareça, até deixando o multiplayer online de lado.

Um título que fará isso é o Super Mario 3D World, próxima aventura do encanador que aparecerá no Wii U e que mesmo tendo as partidas com outros jogadores como foco, só permitirá que façamos isso localmente.

Então, para explicar o motivo desta limitação, Shigeru Miyamoto deu a seguinte explicação:

Embora as partidas online sejam tecnicamente possíveis para nós, simplesmente não é nosso foco neste momento. O que realmente queríamos fazer era criar algo que as pessoas pudessem experimentar completamente enquanto jogam confortavelmente com outros que estejam perto delas e isso é algo que decidimos que seria melhor para o Pikmin e também para o Mario.

Agora, esta resposta pode mudar em uma década, se houver um jogo futuro onde por exemplo, não achemos que seja importante podermos olhar para a cara da pessoa com quem estamos jogando, então poderemos focar mais em uma função online.

Tudo bem, eu até entendo a intenção e como alguém que cresceu encarando meus “adversários” frente a frente, concordo que um multiplayer local é muito mais divertido que pela internet, contudo, não consigo deixar de pensar que é um erro ignorar tal função atualmente em um jogo assim. O ideal seria jogarmos num mesmo ambiente? Ok, mas não impeçam as pessoas de se divertirem com seus amigos, mesmo que eles estejam do outro lado do mundo.

Fonte: VG247.

emNintendo