Games
Games
Digital Drops Blog de Brinquedo

Versão de Rayman Legends para PS Vita possui 28 estágios a menos

Por em 3 de setembro de 2013 - 1 Comentário

rayman-legends

Quando a Ubisoft anunciou em maio que o PS Vita também receberia uma versão de Rayman Legends, ela deixou bem claro que o game viria com todo o conteúdo das versões caseiras e PC, que foi anunciada posteriormente.

Hoje o game finalmente está disponível para o portátil além do Wii U (após inexplicáveis sete meses de atraso), PS3, Xbox 360 e computadores, entretanto jogadores do Vita começaram a relatar no fórum do NeoGAF que a versão possui menor fases, especificamente 28 estágios speed-run, chamados de “Invasion”.

Ainda que a versão inclua cinco estágios exclusivos controlador via touch com o personagem Murfy e duas roupas extras, fica evidente que a Ubisoft mentiu ao dizer que o jogo estaria completo no portátil da Sony, quando de fato não é o que acontece. A título de comparação, em todas as outras versões a quantidade máxima de Lums (aqueles bichinhos amarelos que influem no ranking das fases) que podem ser coletados são 700. No PS Vita, 615.

Vale lembrar que a versão do Vita na Europa foi atrasada em duas semanas e só dará as caras em 13/09, segundo a Ubisoft para “dar o polimento final no game”, e depois dessa é mais provável que o desenvolvimento do port não estava indo muito bem.

Fonte: CVG.

emComputadores Microsoft Nintendo Sony

Ubisoft ainda não desistiu do Vita e do Wii U

Por em 27 de agosto de 2013 - 2 Comentários

rayman-legends

Nos últimos meses temos visto várias desenvolvedoras declararem que não pretendem criar jogos para o Wii U e/ou para o PlayStation Vita, o que pode ser constatado no pequeno número de lançamentos de peso para essas plataformas, mas uma que ainda não desistiu do videogame da Nintendo e do portátil da Sony é a Ubisoft.

Quem falou sobre o assunto durante a Gamescom foi Alain Corre, diretor executivo da empresa francesa:

Ficamos agradavelmente muito surpresos com o empurrão que a Sony deu ao Vita. Diminuir o preço, investir bastante em novas propriedades intelectuais e tentar usar o Vita como uma segunda tela, tudo isso dá muitas vantagens para o futuro do Vita. Estamos de olho neste espaço e nos garantindo de que nossos jogos para o PS4 possam funcionar no Vita, então a experiência global do PS4 será ainda melhor.

Já em relação ao Wii U, Corre disse que existem dezenas de milhões de fãs das marcas da Nintendo por aí e que por isso a fabricante precisa se certificar de levar o console ao maior número possível deles, o que o leva a crer que logo eles serão capazes de vender muito mais aparelhos. Ou seja, talvez esta nem tenha sido a intenção do executivo, mas a impressão passada foi de que a BigN precisa reduzir o preço do seu videogame e caso as vendas não melhorem, será difícil os estúdios se interessarem por ele.

De fato a Ubisoft é uma das empresas que mais apoiam novas plataformas, algo que já se tornou tradição e por isso veremos, por exemplo, a chegada do Rayman Legends tanto para o Vita quanto para o Wii U no dia 3 de setembro e se levarmos em consideração a recepção da mídia, o jogo tem boa chances de figurar entre os melhores desses videogames.

Fonte: IGN.

emNintendo Portáteis Sony

Parceria entre NVIDIA e Ubisoft levará jogos mais bonitos ao PC

Por em 27 de agosto de 2013 - 7 Comentários

assassins-creed-4

Quem costuma aproveitar seus jogos no PC e possui uma placa nVidia ganhou uma boa notícia, pois de acordo com a empresa, uma parceria com a Ubisoft permitirá que os próximos títulos da desenvolvedora – Splinter Cell: Blacklist, Watch Dogs e Assassin’s Creed 4: Black Flag – tenham um visual ainda melhor do que os vistos nos consoles.

Os jogos para PC estão mais fortes do que nunca e a Ubisoft entende que os gamers buscam sempre a melhor experiência visual que um jogo pode oferecer, com as melhores resoluções, as mais fluidas taxas de quadro e as mais recentes inovações do mercado. Trabalhamos em conjunto com a talentosa equipe de criação da Ubisoft ao longo do processo de desenvolvimento dos jogos para integrar nossas tecnologias aos games, tornando cada vez mais real os efeitos gráficos presentes nos jogos para PC,” declarou Tony Tamasi, Vice-Presidente sênior de conteúdo e tecnologia da Nvidia.

Mas o que isso significa para os jogadores? Gráficos que utilizem a técnica de Anti-Aliasing conhecida como TXAA, oclusão de ambiente HBAO+ e tesselação que aproveite o DirectX 11, ou seja, tudo o que for possível para deixar os games visualmente mais bonitos.

Além disso, a nVidia anunciou também a promoção “Equipe-se para Ganhar”, que basicamente dará uma cópia do Splinter Cell: Blacklist Digital Delux Edition a todos que comprarem até o dia 15 de setembro uma GTX780, GTX 770, GTX760, GTX 680, GTX 670, GTX 660 Ti ou GTX 660, o que evidentemente é um ótimo incentivo, já que o game tem sido bastante elogiado.

Um detalhe interessante desta parceria é que ela poderá fazer com que os jogos da Ubisoft para PC não devam em nada aos consoles da nova geração, o que no início é sempre mais complicado, além de pode ser vantajosa para todo mundo e por mais que os gráficos não sejam tudo na produção de um game, não há como negar que se pudermos ter acesso às últimas tecnologias, melhor.

Fonte: nVidia.

emComputadores

Ubisoft confirma The Division no PC

Por em 21 de agosto de 2013 - 1 Comentário

the-division

A Ubisoft é uma desenvolvedora curiosa, pois ao mesmo tempo em que não tem o menor pudor de sugar o máximo possível franquias como a Assassin’s Creed, também consegue nos surpreender com títulos inéditos que prometem jogabilidades interessantes, como aconteceu na E3 do ano passado com o Watch Dogs e este ano com o Tom Clancy’s The Division.

Na verdade eu até arriscaria dizer que o MMO anunciado para os consoles da próxima geração foi um dos títulos que mais me chamou a atenção na última edição da feira e se você também gostou dele mas não pretende comprar um PlayStation 4 ou um Xbox One tão cedo, a boa notícia é que uma versão para PC está confirmada.

Desde a E3 temos ouvido atentamente o que vocês tem dito na internet,” declarou o produtor executivo Fredrik Rundqvist. “Não posso enfatizar suficientemente o quão importante tem sido pra nós sentir o apoio de vocês, o interesse e o comprometimento pelo jogo. A opinião de vocês é importante para a gente… Por isso estou feliz ao anunciar que o jogo estará disponível para PC. A Massive Entertainment tem suas raízes no desenvolvimento para PC com títulos como o Ground Control e World in Conflict. Vocês podem ter certeza que entregaremos uma experiência de primeira classe para o PC.

Na minha opinião a notícia é fantástica, pois permitirá que um número muito maior de pessoas possa aproveitar um jogo tão promissor. A minha dúvida é se eles serão capazes de otimizar o game a ponto de fazer com que ele seja aproveitado também em máquinas mais modestas, ainda mais porque estamos falando de algo que terá que lidar com uma grande quantidade de jogadores.

continue lendo

emComputadores

Rayman Legends será lançado também para PCs

Por em 25 de julho de 2013 - 4 Comentários

Rayman Legends

A Ubisoft definitivamente fez uma presepada daquelas ao postergar a data de lançamento de Rayman Legends no Wii U, a fim de lançá-lo junto com as versões de PS3, Xbox 360 ePS Vita. Como eu já disse antes não critico o fato do game ter se tornado multiplataforma, aliás até comemorei pois vou poder jogar na plataforma que quiser.

Entretanto a versão original já estava pronta, não faz sentido não lançá-lo de uma vez e permitir à Nintendo sete meses de exclusividade, fazendo do game um must have do console e ajudando a alavancar suas vendas, e além disso a desculpa do CEO  Yves Guillemot de que “o game não venderia o suficiente no Wii U” não convenceu. A coisa pegou tão mal que até mesmo o criador do Rayman protestou tentando fazer com o que o game fosse lançado de uma vez.

Em mais um movimento que pode ser entendido como um pedido de desculpas, mais uma plataforma vai receber o game: atendendo a inúmeros pedidos os PCs também terão sua versão de Rayman Legends.

O que se sabe até agora é que o novo game contará com 40 estágios de Rayman Origins remasterizados disponíveis desde o início, e para os donos de PCs que comprarem o game durante a pré-venda neste link ganhará uma cópia do jogo anterior totalmente digrátis. A data de lançamento é a mesma para todas as versões: 30 de agosto na Europa e 3 de setembro nos Estados Unidos.

Ainda que não seja suficiente para consertar a grande burrada ao atrasar o lançamento para o Wii U, lançando também para PC pode ajudar a compensar as perdas, já que muita gente que jogou o Origins nos computadores estava se sentindo meio abandonado. Não mais. :)

Fonte: CVG.

emComputadores Indústria Microsoft Nintendo Portáteis Sony

Um Assassin’s Creed nos dias atuais? Não, obrigado

Por em 22 de julho de 2013 - 6 Comentários

asssassins-creed-brahman_22.07.13

Mesmo não sendo um dos maiores entendedores da franquia Assassin’s Creed, posso dizer que uma das coisas que mais que agrada nela são as ambientações. Como um grande apaixonado por história, ter a oportunidade de visitar cidades antigas é um dos aspectos que me fascinam nos títulos da Ubisoft e por isso fiquei um tanto – na falta de uma palavra melhor – preocupado ao saber que a editora não descarta a possibilidade de um dia lançar um capítulo que se passe nos dias de hoje.

Sempre há essa chance, mas uma das grandes atrações da série é seu ‘turismo’ histórico,” revelou o roteirista Darby McDevitt. “Eu acho que a Shogunato é uma época legal, mas não cabe a uma pessoa decidir e independente do que fizermos, será algo legal.

Vale lembrar que a série já passou pelas Cruzadas, pela Renascença e pela América Colonial, com o próximo lançamento visando as batalhas travadas pelos piratas e além da sugestão feita por McDevitt, que se refere ao Japão feudal, outro indicativo de para onde um futuro Assassin’s Creed irá é a Índia, já que a franquia ganhará uma revista em quadrinhos que trará como protagonista um personagem chamado Arbaaz Mir e se passará no país durante o século 19, quando estava sobre o domínio dos ingleses.

Particularmente gosto de ambas as localizações, principalmente a japonesa, mas eu também não acharia nada mal se eles optassem por situar as próximas histórias no Egito, numa das antigas civilizações americanas ou mesmo na Segunda Guerra, mas por favor Ubisoft, não me saia com um Assassin’s Creed que se passe hoje em dia ou ainda pior, no futuro.

[via Gamespot]

emMiscelâneas

Ubisoft afirma que só apostará em potenciais franquias

Por em 16 de julho de 2013 - 3 Comentários

watch-dogs_16.07.13

Não há como negar que para as grandes desenvolvedoras a indústria de games está se tonando um ambiente cada vez mais perigoso. Talvez nunca tenha existido uma período tão arriscado para se investir na criação de um jogo de grande porte, o que faz com que toda decisão deva ser bastante calculada e por isso a Ubisoft já deixou claro que não apostará em títulos em que ela não enxergue potencial de serem transformados em franquias, ou em bom português, que rendam inúmeras continuações.

A revelação foi feita por Tony Key, vice-presidente de vendas e marketing, ao ser questionado sobre transformar o Watch Dogs em uma série e fazer ambiciosas previsões sobre o futuro lançamento.

É sobre isso que todos os nossos jogos são; nós nem teríamos começado a fazê-lo se não pensássemos que poderia começar uma franquia com ele. Não há mais como atirar e guardar a arma – é muito caro.

Nós sentimos que estamos numa boa posição com o Watch Dogs, mas até que ele se torne o maior jogo do ano, não estaremos satisfeitos. O Watch Dogs para nós é uma franquia porque estamos tocando em algo que as pessoas se importam, ainda mais após o escândalo do programa PRISM.

É claro que não serei estupido a ponto de dizer que é ultrajante pensar em uma empresa que visa o lucro e por isso não gosto de me posicionar contra o lançamento de sequências, afinal, se elas estão sendo feitas é porque existe demanda. Porém, como não olhar para casos como o da Quantic Dream, que por diversas vezes afirmou que não trabalharia numa continuação para o Heavy Rain e da Sony, que nunca lhes forçou a isso?

O que quero dizer é que me incomoda um pouco essa ideia de que um jogo só fará sucesso se for pensado como uma longa série e por mais que eu entenda que isso pode diluir o investimento, não acho positivo vermos pequenas variações de um mesmo tema/mecânica chegando ao mercado há cada 12 meses.

[via GamesIndustry]

emIndústria