Games
Games
Digital Drops Blog de Brinquedo

Archos GamePad: Um tablet para games

Por em 30 de agosto de 2012

Se botões físicos era o que faltava para você considerar um tablet uma plataforma para jogos de respeito, então é bom dar uma olhada no Archos GamePad. Com um visual bastante parecido com o do Playstation Vita, o aparelho roda Android e além de um direcional tradicional em forma de cruz, ainda vem com botões do lado direito, dois analógicos e tela sensível ao toque.

A grande sacada do portátil está numa tecnologia patenteada pela Archos que remapeia os controles da tela para os comandos físicos sem que a desenvolvedora precise fazer alterações nos jogos, o que significa que teoricamente uma grande quantidade de jogos disponíveis para o sistema operacional do Google funcionem nele.

Quanta as informações técnicas, o GamePad virá com tela de 7 polegadas, um CPU dual-core de 1.5GHz e uma GPU Mali 400mp quad-core, uma configuração que não conseguiria bater de frente com a do Vita, mas custando apenas £ 120, um valor bem inferior as £ 200 cobradas pelo portátil da Sony na Inglaterra.

A previsão é de que o tablet seja lançado em outubro na Europa e nos Estados Unidos, mas a pergunta que fica é: Você investiria num aparelho desses?

dori_game_30.08.12

[via IGN]

emPortáteis

Adeus, Tablet. Foi bom enquanto durou.

Por em 8 de agosto de 2012

O título parece algo meio apocalíptico, e é. A era dos tablets acabou. Mas calma, antes de correr para os comentários e descarregar toda a sua fúria em forma de caracteres pouco educados, deixe eu complementar. A era dos tablets acabou para mim, como indivíduo. Não é uma previsão cataclísmica sobre um mercado que só faz crescer. Só idiotas teriam a audácia de dizer isso num momento como esse.

Tive 3 tablets. O iPad2, o iPad3 e um Asus TF101 com ICS. Em que pese a experiência de uso melhor que tive com os iPads (tela mais fluida, aplicativos mais rápidos e bonitos e uma app store muito mais organizada), essencialmente não há diferença entre os tablets iOS e Android. Até mesmo a ladainha de que “não tem app pra Android” é mentirosa. Tudo o que eu usava no iPad, tem versão para Android com raríssimas exceções de apps que são exclusivas do iOS.

Imagem do primeiro iPad, desenvolvido no Egito. Era conhecido como iPedra.

“Mas por que você não vai mais usar tablet?”. Boa pergunta, jovem gafanhoto. Explico. Desde que passei a trabalhar em casa, passei a ficar mais próximo de todos os meus trecos eletrônicos. Não era mais como quando eu trabalhava em escritório. Lá eu só usava, na maioria dos casos, o smartphone. O resto ficava em casa porque era trabalhoso (e perigoso) ficar andando com eles por aí. E eletrônico é igual a piscina: excitante quando você não tem e usa uma vez ou outra, mas quando você tem ali dentro da sua casa você olha todo dia com desdém.

Tendo todos os meus gadgets à disposição, me deparei com a dificuldade de decidir o que usar. Desktop, notebook, tablet, smartphone, videogame. Ficou difícil gerenciar o tempo e dedicar atenção a cada um desses equipamentos. Quando vou usar o iPad? Deitado? E no banheiro? E na sala? Resultado: o iPad ficou parado por 2 meses, sem que eu encostasse a mão sequer uma vez.

continue lendo

emArtigo

Google Lança Nexus 7, o tablet “to rule them all”

Por em 28 de junho de 2012

E então saiu a esperada novidade. Ontem, no evento Google I/O (transmitido ao vivo pelo YouTube e acompanhado em tempo real pelo Facebook do Meio Bit), a gigante da internet anunciou o Nexus 7, tablet Android da nave-mãe.

Custando atraentes US$199, ele não é pouca coisa. Com 340 gramas, são 7 polegadas IPS com resolução 1280 x 800 pixels e vidro Corning Gorilla, processador NVIDIA quad-core Tegra 3 de 1.3GHz com 1GB de RAM, 8GB de armazenamento interno, câmera frontal de 1.2 megapixels e Android 4.1 Jelly Bean purinho. Ah, e a Google também promete 10 horas de bateria.

Vem com as conexões de sempre: Bluetooth, WiFi, GPS e até NFC. Tem todos os sensores esperados em um tablet – incluindo um magnetômetro. Há também uma versão com 16GB por US$249 (como todo Nexus, ele provavelmente não terá entrada para microSD). Como desvantagens ficam a falta de uma boa câmera traseira e a falta do 3G/4G.

continue lendo

emArtigo Meio Bit

Os Lumia serão jogados no lixo… Motivo? Windows Phone 8.

Por em 28 de junho de 2012
Laguna_LovesWP_26jun2012

O amor custa caro.

Quando a Nokia anunciou parceria com a Microsoft, para utilizar o Windows Phone como sistema operativo de seus smartphones, o tio Laguna percebeu que era o momento de ter o primeiro smartphone: minhas necessidades de telefonia até então eram supridas por dois celulares “burros” da Nokia, que, embora passem uma sensação de maior durabilidade (em especial, da bateria) ante os smartphones de uma maneira geral, tais aparelhos não possuem recursos como acesso à internê por 3G.

Se, por um lado, eu tinha a confiança no hardware da Nokia e era óbvio o meu desejo por um smartphone dela; por outro, uso o Windows nos meus computadores e assim eu percebia o software da Microsoft como algo minimamente familiar, cuja presteza no suporte eu pagaria para ter num futuro celular.

Laguna_NokiaC1Xpres_25jun2012

Celulares do tio Laguna

Desde aquele momento, o tio Laguna se sentia atraído pelos Lumia (antes mesmo de conhecer o nome) e tal namoro terminou quando a Nokia Brasil divulgou o preço do Lumia 800, meu principal objeto de desejo em smartphones até então.

Se era para pagar quase R$ 1.700,00 (mil e setecentos reais!) num celular que não tinha nem câmera frontal, era melhor eu ser conservador e pedir para alguém me trazer um iPhone 4S do exterior (sobrando-me cinqüentinha pro cinema). Foi o que eu fiz e agora vejo que não me arrependo!
continue lendo

emArtigo Computação móvel Meio Bit Mercado Microsoft Microsoft Mobile Opinião

ASUS Taichi: Genial ou Péssima Idéia?

Por em 13 de junho de 2012

asustaichijapinhamnhammnham

Dessa vez não é nem a japinha da Asus que não está me deixando pensar direito. É o próprio conceito do Taichi que é diferente demais.

Em essência é um bom ultrabook. Intel Core i7, 11 ou 13 polegadas, DDR3, USB3.0, HDMI e DisplayPort e uma tela de toque com 256 níveis de pressão, excelente para quem desenha ou photoshopeia.

A diferença é que ele tem uma tela normal de notebook, mas na tampa ao invés de uma maçã acesa, um robô pimpão ou um executivo da RIM se enforcando, ele tem… outra tela FullHD.

A HP tinha uma monstruosidade com uns 20cm de espessura que fazia o truque de virar a tela 180 graus e se tornar um tablet, no sentido antigo do termo. Já esse Taichi não gira, apenas fecha e pronto, Windows 8 nas cabeças, com toda a elegância do METRO.

Veja o vídeo:

O problema é que notebooks não usam capas, eles são protegidos pela tampa. Quando a tampa é uma tela, quem protege a tela? Quem vigia os vigilantes?

Será que usar um notebook com capa é um preço pequeno a pagar por um PowerTablet Windows 8? Ou será desconforto demais?

EU NÃO SEI!

Fonte: GM

emHardware

Agora você poderá ter um Lamborghini. Hmmm, talvez não

Por em 12 de junho de 2012

Sempre tive a ideia de que se eu tivesse dinheiro, não compraria uma Ferrari, mas uma Lamborghini. Mas como eu sei que isso só aconteceria numa realidade paralela e que nunca nesta vida eu teria os quase 3 milhões de reais necessários para investir uma belezinha como esta e seus 700 cavalos, o mais viável seria adquirir o smartphone e tablet anunciados pela fabricante italiana e que rodarão Android.

Quer dizer, mais viável se comparados com o preço dos carros, porque para andar por aí a bordo do seu Palio com um celular da marca, você terá que pagar US$ 2.750, levando um aparelho com design de gosto duvidoso, tela de 3,7 polegadas, processador Qualcomm com velocidade não divulgada, câmera de 5MP e 4GB de memória interna, porém, tudo com o touro estampado numa carcaça revestida a ouro e pele de crocodilo.

Além disso, também estará disponível um tablet com tela de 9,7 polegadas, que além de memória interna e câmera semelhantes a do smartphone, terá um processador de 1,2 GHz, também da Qualcomm. O preço? Surpreendentemente mais barato, US$ 2.290.

A Lamborghini ainda revelou dois outros celulares mais simples, mas que custarão entre US$ 1.842 e US$ 2.456, com todos os produtos começando a ser vendido a partir de agosto.

O engraçado é que, tirando jogadores de futebol que queiram mostrar ao mundo como o dinheiro entre em suas contas em quantidades generosas, não consigo imaginar quem comprará aparelhos como estes.

dori_lam_12.06.12 dori_lam_12.06.12-2 dori_lam_12.06.12-3

[via Talk Android.]

emCelular Mundo Estranho

Para diminuir pirataria, desenvolvedor pede Steam no Android

Por em 3 de maio de 2012

dori_and_02.05.12

Uma das maiores reclamações dos estúdios em relação ao Android como plataforma de jogos é a facilidade na pirataria e pouco depois de lançar o Football Manager Handheld 2012 para o sistema do robozinho, Miles Jacobson, diretor da Sports Interactive, revelou em um blog a impressionante informação de que a taxa de pirataria na plataforma está na casa de 90% e sugeriu que o Steam poderia ser uma ótima maneira de resolver o problema.

O que precisamos realmente para o Android é uma loja que não apenas torne fácil para as pessoas comprar e acessar seus jogos, mas que também ofereça serviços como placares globais e funções de comunidade, além de um DRM que não incomode o consumidor. Um sistema que lhe permita jogar com seus amigos. Uma loja online que atue essencialmente como o iTunes, o Game Centre e uma rede social para os usuários do Android, tudo em um só lugar.

O PC e o Mac receberam uma grande inovação há alguns anos construída por Gabe Newell e sua equipe na Valve que faz tudo isso, ela se chama Steam. Algo como o Steam no Android pode revolucionar o mercado para todos nós – estamos numa época em que as desenvolvedoras e as editoras estão virando as costas para o Android devido a todos os problemas que o mercado possui, ao invés de abraçá-lo.

Jacobson também declarou que não há desculpas para a a pirataria e atacou aqueles que apontam o preço do jogo (cerca de R$ 19) como motivo para ele ter sido tão pirateado, dizendo que os jogos são uma forma de entretenimento e não uma direito humano.

Eu não sei se a ideia dada por ele seria válida, mas a minha dúvida mesmo é porque o Google não faz nada em relação a isso, afinal, a responsabilidade deveria ser deles, mas será que a empresa está interessada em resolver o problema?

[via Eurogamer]

emCelulares Jogos Portáteis