Games
Games
Digital Drops Blog de Brinquedo

Moon Diver é sequência espiritual do Strider

Por em 1 de abril de 2011

Eu seria capaz de apostar que todas as pessoas que tiveram um Mega Drive próximo ao seu lançamento tiveram o prazer de jogar um game chamado Strider. Lançado originalmente para os arcades e idealizado por Kouichi Yotsui, o jogo também apareceu no Nintendinho, mas nas versões caseiras ele brilhou mesmo no videogame de 16-bits da Sega e os seus maiores destaques estavam nos belos gráficos e na jogabilidade inovadora. A série curiosamente recebeu duas sequências chamadas Strider II, uma desenvolvida pela extinta U.S. Gold e outra pela própria Capcom, mas nenhuma das duas fez tanto sucesso quanto o primeiro.

Eis que para a surpresa dos fãs esta semana a Square Enix disponibilizou por US$ 14,99 na PSN o jogo Moon Diver, espécie de sucessor espiritual da saga de Strider Hiryu, que se não tem ligação com o enredo, não esconde as influências do antigo clássico na jogabilidade. Desenvolvido pela feelplus, estúdio criado pela Microsoft para ajudar a Mistwalker e que depois foi adquirido pela AQ Interactive, ao ver o trailer de divulgação fica fácil perceber as semelhanças, o que pode ser explicado pelo fato de que o seu diretor é o mesmo responsável pela criação do jogo daquele que já foi um dos maiores heróis da Capcom.

Além de uma grande quantidade de inimigos e chefes imensos, os personagens evoluem conforme avançamos pelos 12 estágios e o novo jogo conta com gráficos em 3D e a possibilidade de até quatro pessoas jogarem cooperativamente, seja online ou localmente. Esta última novidade no entanto achei um tanto desnecessária, já que o estilo do jogo, na minha opinião, dispensa a necessidade de mais jogadores na tela e para dizer a verdade, até pode transformar tudo numa grande bagunça.

Previsto para chegar a Xbox Live no próximo mês, é bom ver que os envolvidos pelo menos não mudaram muito da estrutura da sua fonte de inspiração.

continue lendo

emMicrosoft Sony

Capcom cancela Mega Man Universe

Por em 31 de março de 2011

dori_meg_31.03.11

E o sonho de vermos um jogo do bombardeiro azul onde poderíamos criar estágios, personagens e jogar nas fases idealizadas por outras pessoas chega ao fim. Alegando “várias circunstâncias”, a Capcom publicou uma nota na página oficial do game informando que o fim do desenvolvimento do Mega Man Universe,notícia pegou de surpresa todos os fãs do personagem.

O game que deveria ser posto à venda ainda este ano através da PSN e Xbox Live vinha chamando a atenção por ter uma proposta parecida com o que  MediaMolecule fez com o LittleBigPlanet e que se fosse bem executada, certamente nos renderia horas e mais horas de muita diversão, fosse com fases que relembrasse outros jogos, ou com aquelas em que apenas os ninjas conseguiriam passar.

Talvez o cancelamento tenha a ver com a saída de Keiji Inafune da produtora, criador do personagem e que em outra ocasião havia se mostrado bastante entusiasmado com o desenvolvimento do MMU, tendo afirmado inclusive que “quando os fãs finalmente o virem, acredito que perceberão que seus sonhos mais ambiciosos se tornaram realidade.” Seja como for, é uma pena que o projeto não seguirá adiante e o jeito agora será tirar o meu Mega Man Anniversary Collection da prateleira e me preparar para começar a jogar sofrer com os antigo títulos do herói.

[via Andriasang]

emMicrosoft Sony

PSN e PC ganharão novo Choplifter em HD

Por em 29 de março de 2011

O meu primeiro contato com a série Choplifter foi no Super Nintendo com o terceiro episódio. Eu achava o jogo legalzinho, mas a sua jogabilidade simples e pouco inspirada nunca fez com que ele fosse um dos meus jogos preferidos e se fosse para gastar meu tempo resgatando pessoas e eliminando inimigos, sempre achei que a série Striker tivesse mais qualidades. Agora, depois de ter sumido por tantos anos, a InXile Entertainment anunciou estar trabalhando em um novo game da franquia, que deverá ser lançado para o PC e para o Playstation 3 através da PSN.

Criativamente chamado de Choplifter HD, no game faremos parte de um time de resgate batizado ridicularmente de C.H.O.P.R. (Coordinated Helicopter Operations, Preservation and Rescue) e enfrentaremos 20 missões nos lugares mais hostis, sempre em busca de pessoas que precisam ser removidas, seja um prisioneiro militar, soldados ou sobreviventes de uma cidade tomada por um surto viral. Como a produtora bem disse no comunicado à imprensa, seremos “desafiados a arriscar nossas vidas para salvar a dos outros.

Pelo trailer de divulgação, graficamente o jogo está muito bonito, com cenários detalhados e o helicóptero fielmente recriado. O jogo conta com um bem vindo clima cinematográfico, porém, continuo achando que sua jogabilidade está ultrapassada e embora ache que ele até poderá divertir por alguns minutos, não penso que se trate de um jogo imperdível, mas torço bastante para me surpreender positivamente quando ele for lançado.

continue lendo

emComputadores Sony

Twisted Metal seria lançado apenas digitalmente

Por em 16 de março de 2011

dori_twi_15.03.11

Acho que eu poderia apostar que a maioria dos jogadores que viveram o auge do primeiro Playstation passaram longas horas destruindo carros nas arenas do Twisted Metal. O jogo que possuía um forte apelo ao multiplayer agradava por parecer uma versão mais adulta e debochada do Mario Kart e quando a Sony confirmou que um novo capítulo da franquia chegaria ao Playstation 3, foi difícil encontrar alguém que não tivesse aprovado a ideia. Mas o que poucos sabiam é que o game deveria ser bem mais simples do que foi mostrado na E3 passada, conforme revelou David Jaffe, fundador da Eat, Sleep, Play e criador da série.

Esse Twisted Metal começou como um jogo para a PSN. A Sony veio a nós e disse que queriam mais; Eles gostaram do que viram e queriam transformar o jogo em um produto para o varejo. Estávamos fazendo algo no estilo do Warhawk e SOCOM Confrontation em termos de que seria um produto que custaria US$ 39 e teria apenas multiplayer e a Sony disse ‘Não, não, eles querem história’ e o pessoal do marketing falou ‘Sim, vocês não fazem ideia da quantidade de fãs que adoram o universo Twisted Metal, vocês precisam lhes dar uma história.’ Fomos à Sony implorando por mais dinheiro para fazer um jogo maior. Eles queriam algo maior e obviamente nós queríamos fazer isso. A Sony é uma empresa muito experta; eles fizeram sua pesquisa de mercado para descobrir que há fãs suficientes do Twisted Metal para merecer que a aposta fosse feita.

Acho que a decisão por parte da Sony foi acertada. Na minha opinião jogos assim não precisam de enredo elaborado, mas se eles podem criar uma história para servir de pano de fundo, porque não utilizá-la? O multiplayer não será sacrificado por ela e caso o jogador queira partir logo para a ação, basta ignorá-la. Além do mais, mais dinheiro teoricamente significa um jogo melhor produzido e como antes ele não seria um título que chegaria ao consumidor por US$ 15 ou US$ 20, então acho que pagar um pouco mais por uma versão mais elaborada, com caixinha e manual é algo válido.

[via VG247]

emSony

PS3 ganha backup de saves na nuvem

Por em 9 de março de 2011

dori_psn_10.03.11

Depois de ver o seu videogame parar de funcionar, uma das coisas que mais apavoram o jogador é saber que os seus saves foram perdidos. Por melhor que seja um jogo, ter que começar tudo de volta contra sua vontade é algo capaz de desanimar qualquer um, ainda mais se pensarmos, por exemplo, num RPG onde dedicamos dezenas de horas e foi pensando em deixar mais tranquilos os assinantes da PSN Plus que a Sony lançará amanhã uma atualização de firmware para o PS3 que permitirá que um backup com o progresso nos jogos sejam armazenados nos servidores da empresa.

O serviço permitirá que até 150MB de dados, ou 1000 arquivos, sejam armazenados, inclusive aqueles que possuem travas contra cópias e os jogos poderão ser jogados a partir do nosso último save em qualquer outro console onde nossa conta esteja cadastrada, porém, nem todos os títulos contarão com tal função, mas aqueles que forem lançados depois de amanhã já estarão prontos para terem os arquivos salvos na nuvem.

Vale lembrar que algo semelhante já é oferecido há um bom tempo pelo Steam e apesar de não termos nos consoles o problema de ter que ficar procurando onde estão os saves do jogos como no PC, algo que o Steam Cloud eliminou, está aí uma adição valiosíssima à PSN Plus e que aos poucos vai ganhando mais motivo para existir do que “apenas” os jogos que são oferecidos gratuitamente aos assinantes.

[via Playstation Blog]

emSony

Jaffe: Jogos precisam de menos atualizações

Por em 7 de março de 2011

dori_twi_04.03.11

O que você acha das atualizações dos games hoje em dia? É uma característica fantástica, não é mesmo? As produtoras podem tornar seus jogos muito mais atraentes com o tempo, adicionando funções, corrigindo falhas ou tornando-os mais seguros através de downloads, mas você já reparou como cada vez mais os criadores estão colocando no mercado jogos que parecem inacabados e que muitas vezes recebem uma atualização já no dia do seu lançamento?

Pois foi exatamente essa a crítica feita pelo game designer David Jaffe durante a Game Developers Conference, quando recebeu muitos aplausos ao fazer o seguinte comentário:

As fabricantes de hardware, penso, deveriam permitir apenas de uma a quatro atualizações para os jogos por ano. Nenhuma deles deveria chegar entre um a dois meses após o jogo ser lançado. Quando eu comecei, quando os discos eram enviados era nossa última chance de nos livrar dos bugs. Se os desenvolvedores podiam fazer os jogos funcionar, então hoje em dia deveríamos ao menos nos certificar de que não teremos que atualizar nossos jogos na primeira semana em que chegarem as prateleiras.

Sim Gran Turismo 5 e Magicka, o Sr. Jaffe está falando de vocês. Eu até entendo que na ânsia de colocar os games no mercado sem atraso, as vezes vale a pena ganhar algumas semanas graças ao lançamento de um patch de correção, mas também não duvido que exista muito desenvolvedor preguiçoso por aí que não estão preocupados se o jogo sairá cheio de defeitos e pior ainda são aqueles que não dão a mínima para o consumidor e mesmo sabendo que um erro pode fazer com que o jogador não possa continuar a aventura, eles não lançam uma correção. Agora, só quero ver quanto tempo demorará até a primeira atualização do Twisted Metal aparecer.

[via Joystiq]

emIndústria

Vagrant Story é a bola da vez na PSN

Por em 1 de março de 2011

dori_vag_28.02.11

Na semana passada eu falei sobre o quanto Square e Sony fariam milhares de fãs de RPGs felizes ao começar a vender na PSN o Xenogears e no mesmo post eu citei que o Vagrant Story era outro clássico RPG do PSOne que poderia estar perto de passar a ser vendido na loja virtual do PS3/PSP, a única coisa que eu não imaginava é que a espera seria tão curta. A partir de hoje o jogo lançado originalmente em 2000 já poderá ser adquirido e para ficar ainda melhor, de acordo com o Joystiq, custando apenas US$ 5,99, um valor incomum para um RPG da criadora do Final Fantasy, mas parece que o valor maior é cobrado apenas pelos jogos que ocupavam mais de CD.

Talvez o maior defeito do jogo esteja nos seus gráficos, que devido a capacidade do primeiro videogame da família Playstation, hoje já estão bastante datados, mas o enredo elaborado, a possibilidade de criar itens como armas e armaduras e o sistema de batalha que nos permite atacar partes diferentes dos inimigos ainda o colocam acima da maiores dos jogos do gênero já lançados.

Ver o relançamento desses jogos me deixa muito feliz, não por poder jogá-los novamente por um preço mais acessível, mas por ver que muitos jogadores ainda valorizam estes títulos, o que não deixa de ser uma maneira de manter viva a história dos games e torço para que em breve a versão americana da PS Store tenha tanta variedade quanto a japonesa.

[via Playstation Blog]

emMuseu Sony