Games
Games
Digital Drops Blog de Brinquedo

Pirataria no PS3 ameaça fãs dos troféus

Por em 14 de janeiro de 2011

dori_ps3_14.01.11

Há alguns dias a internet foi sacudida pela notícia de que os hackers haviam quebrado a principal linha de defesa do Playstation 3, sua chave-mestra, tornando possível assim a execução no console de programas não licenciados e provavelmente de jogos piratas. Preciso admitir que não tenho acompanhado muito o desenrolar dessa chata novela, com a Sony bradando de um lado com processos e os responsáveis pelo fim da segurança do videogame do outro, dando de ombros para as ameaças e o motivo para esse meu descaso é que até então essa destrava em nada me afetava, já que manterei o meu console apenas com originais, mas parece que o negócio tende a incomodar todos os usuários.

O problema é que já teria aparecido um software que permitiria que os donos de consoles destravados pudessem liberar qualquer troféu de boa parte dos games, acabando assim com a graça de uma das mais legais características do Playstation 3 e perderia um pouco do sentido nos orgulharmos daquela difícil conquista. Por enquanto não se sabe se os trapaceiros conseguiriam sincronizar sua lista adulterada de troféus com a PSN e alguns títulos como o Batman: Arkham Asylum e o Resident Evil 5: Gold Edition não aceitariam as modificações, mas não deixa de ser uma notícia preocupante.

O que todos esperam agora é que a Sony contra-ataque pesadamente aqueles que fizerem uso da destrava e enquanto uns acreditam que a empresa poderá identificar e banir mesmo os videogames que não estejam na Playstation Network, outros apostam que ela nada poderá fazer e que a pirataria no Playstation 3 deverá ser maior até do que a que vimos no PSP.

O que eu acho que a Sony poderia fazer? Penso que transformar esses aparelhos em lindos tijolos reluzentes  seria uma boa opção.

[via CVG]

emSony

THQ quer mais jogos da Double Fine, porém…

Por em 13 de janeiro de 2011

dori_sta_13.01.11

Todos nós queremos bons jogos, ainda mais se forem feitos por pessoas talentosas como Tim Schafer. Atualmente o seu estúdio possui contrato com a THQ para a publicação de dois games, sendo que um deles, o Costume Quest, já foi lançado e o outro, Stacking, deverá chegar à PSN e Xbox Live nos próximos meses. Não se sabe portanto quem ficará responsável por bancar o desenvolvimento e colocar no mercado os outros dois títulos que a Double Fine está trabalhando, mas Danny Bilson, chefe da THQ, tratou de revelar interesse no negócio, mas que para isso acontecer, é preciso que o jogo com matrioskas tenha boas vendas.

Eu realmente quero lançar outros jogos com o Tim [Schafer]. Sempre fui um grande fã dele. Para mim o Grim Fandango é um dos maiores trabalhos de arte nos games. Eu me apaixonei pelo Stacking, quanto o Tim o trouxe, disse ‘Vamos fazer esse jogo! Ele é fantástico!’ Existe outros jogos com que me identifiquei, temos outros lançamentos para acontecer, então para ser sincero, tenho mais dinheiro para gastar.

Faz sentido a THQ só querer investir na criação de novos jogos caso o próximo lançamento tenha sucesso, mas isso também, me fez pensar se um baixo número de vendas poderia mesmo afetar o futuro a curto prazo da Double FIne. Estamos falando de um uma empresa bastante conhecida dos jogadores e que carrega consigo um dos principais nomes do desenvolvimento de jogos da década de 90. Por ouro lado, os últimos jogos criados por Tim Schafer costumam ser, digamos, artísticos demais para a maioria das pessoas e ele mesmo já disse que só depende de uma editora para que a continuação de um de seus principais jogos ganhe uma continuação. Será que estaria na hora deles trabalharem em algo mais “acessível”? Particularmente prefiro que eles continuem experimentando.

[via Joystiq]

emMicrosoft Sony

Jenova Chen: multiplayer online é mais do mesmo

Por em 13 de janeiro de 2011

dori_jor_13.01.11

Embora seu conceito ainda não tenha ficado muito claro para mim, o Jorney é uma das minhas maiores apostas para este ano, principalmente por ser do mesmo estúdio por trás do excelente Flower, a thatgamecompany. Os responsáveis esperam que o multiplayer online do jogo seja bastante diferente do que estamos acostumados e o game designe Jenova Chen tentou explicar durante uma entrevista como eles pretendem trazer sopro de inovação ao modo online dos jogos eletrônicos.

Quando as pessoas desenvolvem jogos online, normalmente fazem um trabalho preguiçoso. Trazem um jogos singleplayer existente – um RPG, um RTS, um jogo de luta, um shooter – e remendam alguma tecnologia online… Se você quer realmente estimular uma atividade social, precisa repensar isso desde o início. Qual habilidade os jogadores precisam adquirir? Precisão? Ou a habilidade de convencer os outros? Se a habilidade é social, ela será bastante relevante e útil. As pessoas ainda jogam pôquer. Porque? Porque a habilidade da enganação é muito útil na vida real. Olhe para os jogos online, quantas das habilidades são baseadas nos elementos sociais? A maioria dos jogos são baseados no grinding, na precisão, na destreza física, não são jogos sociais. São apenas jogos antigos com características online.

Sim, eu gosto de jogos de luta também. Eles são divertidos, mas conforme me tornei mais velho, me perguntei qual é o ponto em desferir outro combo infinito? O que isso trás para sua vida? É inútil. As pessoas continuam jogando xadrez por que o pensamento estratégico é útil. Os jogos de treinamento cerebral, os de condicionamento físico… esses possuem relevância. As pessoas não tem tempo a perder, então elas querem algo relevante. Seja relevância emocional, como experimentar prazer ou tristeza, seja relevância intelectual ou social.

Interessante, não? Eu já comentei por aqui que mesmo gostando de jogos de luta ou de disputar um mata-mata online de vez em quando, acredito que o tempo que precisa ser dedicado a estes games é muito grande e por isso prefiro usá-lo em outros games ou atividades e mesmo tendo certas dúvidas se o objetivo deles será alcançado, acho que temos que dar um voto de confiança à produtora por estar tentando fazer algo diferente e torço muito para que sejam bem sucedidos nesta investida.

[via Playstation Blog]

emSony

PSN ainda não dá lucro à Sony

Por em 30 de dezembro de 2010

dori_psn_27.12.10

Uma das principais vantagens do Playstation 3 em relação ao Xbox 360 é a não obrigação de termos que pagar uma anuidade para jogarmos online e eu inclusive já recomendei o console para algumas pessoas por causa desse detalhe, mas segundo o presidente da SCE, Kazuo Hirai, financeiramente a rede online do console ainda é motivo para preocupação.

O executivo afirmou durante uma entrevista que a Playstation Network ainda não dá lucro para a Sony, operando no vermelho. Embora tenha dobrado no ano fiscal atual (que termina em março que vem) o número de vendas em relação a 2009, que foi de US$ 434,3 milhões, a expectativa deles é que apenas no próximo período o serviço passe a dar lucro. Contudo, a coisa deverá ficar boa mesmo para a companhia em 2012, quando eles esperam que o volume de vendas da PSN alcance 3,6 bilhões de dólares.

Ainda de acordo com Hirai, o motivo para tal crescimento está no número de contas registrada que já passou de 60 milhões e se você acha o número exagerado, já que não foram vendidos tantos PS3, saiba que um mesmo console pode ter mais de uma conta cadastrada e que os donos de PSP também possuem acesso a rede.

[via 1UP]

emIndústria Sony

Novo Dungeons & Dragons será vendido digitalmente

Por em 22 de dezembro de 2010

A Atari anunciou que durante a próxima primavera do hemisfério norte irá lançar através da Xbox Live, da Playstation Network e para os PCs um novo jogo da franquia Dungeons & Dragons, o Daggerdale. Neste capítulo, o lugar conhecido como Forgotten Realms estará sob o ataque da organização chamada Zhentarim, que pretende assumir o controle de Dalelands e nossa missão, é claro, será colocar ordem no pedaço.

O jogo será um RPG de ação que poderá ser jogado sozinho ou com a ajuda de outras três pessoas e apesar do primeiro trailer não deixar muito claro como será sua jogabilidade, acredito que ele será um hack ‘n’ slash no mesmo estilo consagrado pelo Diablo, ou seja, uma boa maneira de passarmos o tempo até que o arrasa quarteirões da Blizzard seja lançado. Porém, acho que ele terá a dura concorrência do The Lord of the Rings: War in the North, título previsto para 30 de março e que está sendo desenvolvido pelo pessoal da Snowblind Studios, que já mostrou competência com o gênero ao lançar para o Playstation 2 os divertidos Champions: Return to Arms e Champions of Norrath.

Por outro lado, como estamos falando de uma marca que conquistou milhões de fãs em todo o mundo e de um jogo que deverá ser lançado por no máximo US$ 15, acredito que desde que tenha um pouquinho de qualidade era conseguirá vender bastante cópias.

continue lendo

emComputadores Microsoft Sony

Final Fantasy IV para o PSP e Chrono Cross na PSN

Por em 13 de dezembro de 2010

dori_cross_13.12.10

Aqui vão duas ótimas notícias para os fãs da Square e que adoram os RPGs antigos da empresa. A primeira delas fala sobre o Final Fantasy IV Complete Collection, uma compilação que trará ao Playstation Portable um remake do jogo lançado originalmente para o Super Nintendo e o Final Fantasy IV The After Years, título disponível para celulares e a venda no canal Wii Ware do console da BigN. Ambos terão gráficos retrabalhados e um novo capítulo que funcionará como ponte entre os jogos e e o lançamento está programado para o outono de 2011.

A segunda novidade não se trata de um remake, mas deverá deixar aqueles que gostaram do Chrono Cross bastante interessados. De acordo com o produtor Shinji Hashimoto, o game que completou dez anos recentemente passará a ser vendido através da PSN em uma data ainda a ser revelada, mas assim como o FFIV Complete Collection, nada foi dito sobre os jogos aparecerem fora do Japão.

Ainda sobre a sequência do Chrono Trigger, acho engraçado ver muitos jogadores suplicando por uma continuação para o PG do Snes, sendo que o título lançado para o Playstation é considerado por muito como um dos melhores do gênero. Não sei explicar ao certo como um jogo pode ser idolatrada por uns e praticamente ignorado por tantos outros. De qualquer forma, ainda bem que os CDs do meu estão bem guardadinhos aqui, mas querida Square, faça-nos logo o favor de trazer logo o Xenogears para a PSN americana (ou europeia).

[via Andriasang (1 e 2)]

emMuseu Portáteis Sony

Jogos do Neo Geo serão vendidos pela PSN

Por em 7 de dezembro de 2010

dori_neo_07.12.10

Há alguns meses eu estava pensando seriamente em comprar um Neo Geo. O console foi o sonho de consumo dos apaixonados por fliperamas durante boa parte da década de 90 e parecia uma boa ideia investir em um para ter na coleção. Logo lembrei que os cartuchos para ele custam absurdamente caros e caso optasse pela versão com CD, provavelmente teria que esperar uns dois dias até que o tempo de carregamento dos jogos terminasse, então desisti da compra (pelo menos por enquanto).

Felizmente, para aqueles que admiram a plataforma, a SNK irá aproveitar o aniversário de 20 anos do Neo Geo, que aconteceu esse ano e lançará na rede online do Playstation 3 o Neo Geo Station. Uma espécie de máquina virtual que rodará diversos jogos do videogame. Já a aprtir do dia 21 de dezembor estarão disponíveis os títulos Samurai Shodown, Baseball Stars Professional, Super Sidekicks, Art of Fighting, Fatal Fury, Metal Slug, Alpha Mission II, The King of Fighters ’94,  Magician Lord e League Bowling e a tendência é que muitos outros apareçam com o passar do tempo.

Os jogos também estarão disponíveis para o PSP, a princípio apenas com o Fatal Fury e o Metal Slug, com o restante chegando em janeiro e custando US$ 6,99, enquanto que as versões para o console sairão por US$ 8,99. Eu não gostei muito dos valores, mas acho que o pior de tudo será ter que comprá-los duas vezes caso queiramos jogar em ambas as plataformas. Acho que o ideal seria se eles funcionassem como os jogos de PSOne, mas pelo menos o multiplayer funcionará online no Playstation 3. Os donos do portátil terão que se contentar com o Ad-Hoc.

[via GameSetWatch]

emMuseu Portáteis Sony