Mobile
Mobile
Digital Drops Blog de Brinquedo

Quem gasta mais com os jogos gratuitos?

Por em 12 de setembro de 2011

Talvez o modelo Free-to-Play esteja ganhando tanta popularidade por causa do aperto financeiro por qual passa boa parte dos países, talvez seja porque a qualidade desses games tenha aumentando ou simplesmente porque as pessoas cansaram de pagar dezenas de dólares em megaproduções que trazem pouca inovação, mas o fato é que os jogos gratuitos parecem ter vindo para ficar.

Tem se tornado cada vez mais comum vermos títulos passando a ser distribuídos dessa maneira, sem cobrança e permitindo que o jogador possa adquirir mais conteúdo ou privilégios com dinheiro real e muitas desenvolvedoras grandes tem apostado nos F2P, como a Electronic Arts, a Sega e a Valve.

Para tentar entender melhor como funciona este mercado, a empresa Flurry fez um estudo para saber quanto um grupo de pessoas gastava com esse tipo de jogo, além do tempo dedicado por eles e podemos dizer que o resultado é um tanto previsível.

Enquanto aqueles que passam mais tempo dentro dos games são as pessoas com idade entre 18 e 24 anos, apenas 16% delas acabam gastando dinheiro neles, mas quando olhamos para a faixa etária dos 25 aos 34 anos, ficamos sabendo que quase metade deste grupo gasta dinheiro nos jogos gratuitos, sendo ainda o segundo que permanece mais tempo jogando.

Os dados foram obtidos por uma ferramenta presente em mais de 110 mil aplicativos disponíveis para o os aparelhos iOS/Android e que coletou informações de mais de 20 milhões de pessoas, dando a entender que é uma boa ideia para as empresas investirem em jogos Free-to-Play para um público mais maduro.

continue lendo

emCelulares Indústria Jogos

App do Dia: Electools–identificador de resistores e capacitores

Por em 12 de setembro de 2011

Photo 12-09-11 11 32 48Existem algumas codificações que meu cérebro simplesmente não consegue processar. Uma delas é notação musical. Já tentei MUITO mas está além de meus poderes. Outra que não consigo decorar de jeito nenhum é a identificação de cores para resistores e capacitores.

Não foi por falta de tentativa, desde os tempos da Saber Eletrônica, Newton C. Braga e companhia venho tentando, mas até hoje só consigo lembrar que marrom-preto-vermelho é um resistor de 1K.

Antigamente usávamos tabelinhas, mas eu sempre perdia as minhas. Agora podemos usar o celular. No caso o iPhone, com o Electools.

Essa simpática aplicação identifica resistores de 4 ou 5 anéis, 3 ou 4 números, capacitores de 4 ou 5 cores ou 3 números.

Ele também funciona de forma reversa, assim você coloca o número e ele retorna as cores correspondentes. Assim quando pegar um esquema em algum lugar que diga “resistor de 10MΩ” você não precisa pedir pro cara da loja anotar no envelopinho, para poder identificar depois.

O Electools custa US$0,99 mas de vez em quando rola uma promoção, e dá para baixar di grátis no iTunes.

emApple e Mac Software

Helium: task management para WinOS, OS X, Linux e iOS

Por em 8 de setembro de 2011

Photo 2

A maioria dos programas legais para GTD desconsidera uma coisa extremamente importante: 90% das tarefas que temos de executar envolvem outras pessoas.

O Helium é um projeto de uma start-up pequena chamada Robot Blimp e tem bastante a oferecer. Ao contrário de aplicativos conhecidos como o Things que são desenvolvidos apenas para uma única pessoa, o Helium foca no que mais importa: tarefas e todos envolvidos em concluí-las.

Experimentei todas as suas funcionalidades nas últimas três semanas e só posso dar um joinha como veredicto. Quem não gosta de freewares especialmente bem desenhados e que funcionam em Windows, Mac e iOS — com Android na expectativa de sair?

O Helium oferece um cliente desenvolvido em Adobe Air (ok, eu sei, mas funciona, e bem) e acomoda com bastante personalidade as metodologias de GTD (David Allen) e Inbox Zero (Merlin Mann), fazendo com que você perca minimamente tempo com o software em si e foque no que precisa ser feito. continue lendo

emApple e Mac Meio Bit Mobile

De iPads, iPhones e Videomakers Hipsters

Por em 8 de setembro de 2011

videomaker

As grandes pragas dos Anos 80 foram a AIDS e os Videomakers. Ainda temos problemas com AIDS pois todos os esforços foram dedicados ao extermínio desse grupo de proto-hipsters que andava por aí com monstros VHS e Betamax criando vídeos conceituais que NINGUÉM queria ver.

Agora esse pessoal ressurgiu das cinzas, graças ao iPhone 4. Ele não foi o primeiro celular a gravar vídeo 720p, não é o melhor nisso e câmeras com essa capacidade não faltam, inclusive modelos em conta, mas como hispsters amam tudo da Apple, foi criado o conceito de “produção séria de vídeo com celular”.

continue lendo

emApple e Mac Áudio Vídeo Fotografia

iMotor de Popa [momento DealExtreme]

Por em 7 de setembro de 2011

imotordepopa

Esse produto custa US$5,70 na DealExtreme, é um motor de popa de emergência. Assim, se você estiver em um naufrágio pode subir no corpo congelado do Leonardo DiCaprio, encaixar o dispositivo em seu iPhone e navegar em segurança até a Terra Nova.

Se você tiver um iPad ele funciona como amortecedor de impacto, gerando um colchão de ar que suaviza a queda, que nem aquele notebook da Lenovo.

Quem salta de pára-quedas usando aqueles wingsuits mostrados no último Transformers não deve jogar fora o iPhone 4. Com a chegada do 5 você pode usar um iPhone em cada mão, acoplados ao dispositivo e passará a ter propulsão para ficar horas no ar.

Claro, a idéia mais idiota de todas é usar a preciosa bateria de seu iPhone para alimentar um ventilador vagabundo e se refrescar com uma hélice a centímetros do rosto.

A briga pelo posto de acessório mais idiota para iPhone está cada vez mais acirrada.

emApple e Mac

Apple perdeu OUTRO iPhone? Aham, senta lá, Cláudia.

Por em 1 de setembro de 2011

Se não fosse da CNET eu acharia que é coisa do Onion, mas a fonte e séria. Só a fonte, a história é de lascar.

Aparentemente um funcionário da Apple visitou a Cava 22 (cuidado, música), uma tequilaria bem simpática em São Francisco. Devidamente calibrado com o suquinho do capeta, o cidadão deixou o iPhone na mesa na hora de ir embora, provavelmente 100% chapado. Quando a ressaca passou e viu que havia perdido o telefone, ligou desesperado várias vezes mas no bar nada havia sido achado.

O celular apareceu na Craigslist, onde foi vendido por US$200,00. A Apple contactou a polícia de São Francisco, dizendo que o aparelho era inestimável, e que o estava rastreando. Chegaram até a casa de um sujeito, que disse não saber de nada. Com a permissão dele revistaram o apartamento (isso está mal-contado) e não acharam nada.

Na saída os representantes da Apple ofereceram dinheiro em troca do aparelho “sem perguntas”, mas o sujeito continuou negando.

Como o caso ainda está na fase do disse-me-disse, o sujeito ainda não foi executado pelos esquadrões ninja da Apple, mas Steve Jobs, de sua câmara de hibernação já escreveu no vidro “matem o Gizmodo”, só por desencargo, provavelmente.

OK, mentira. Ninguém teve coragem de contar ao Jobs. A Apple oficialmente diz que nada aconteceu. Logo saberemos, é só esperar pela notícia da implosão da sede do Gizmodo. Só por desencargo, claro.

emApple e Mac Celular Mundo Estranho

Theme Park será lançado gratuitamente para iPad e iPhone

Por em 25 de agosto de 2011

dori_the_24.08.11

Eu sempre tive uma queda por jogos de gerenciamento – tirando os de esportes – e sempre que começo a jogar um deles sou capaz de perder completamente a noção da hora. Quando tive o meu primeiro contato com a série Theme Park, lá no Playstation, achei a ideia fantástica, afinal, construir o seu próprio parque de diversões e ainda poder se divertir em alguns brinquedos era o sonho de muita gente, mas desde então eu nunca mais tive a oportunidade de jogar outro título da franquia.

Na minha opinião os tablets e smarthphones são os aparelhos ideais para esse tipo de jogo e foi pensando nisso que a EA resolveu levar para os dispositivos iOS uma versão reformulada, com gráficos em 3D, do clássico jogo da Bullfrog. Previsto para ser lançado ainda este ano, o game será distribuído gratuitamente, com a desenvolvedora pretendendo lucrar com a venda de moeda virtual que será utilizada na compra de itens, atrações e dessa forma permitindo ao jogador acelerar o desenvolvimento dos parques.

Outras promessas interessantes são a possibilidade de mantermos nosso progresso salvo nos servidores do Origin, serviço de distribuição digital da EA, além de minigames que usarão a tela sensível ao toque do iPad e do iPhone e brinquedos inspirados em algumas marcas famosas da Electronic Arts, como o Mass Effect, Dragon Age e o Dead Space.

É mais uma tentativa da EA de expandir seus negócios para o mundo dos celulares e jogos casuais e acredito que eles tenham escolhido bem o jogo.

[via Eurogamer]

emCelulares Jogos