Mobile
Mobile
Digital Drops Blog de Brinquedo

Microsoft publica nova versão do seu polêmico app do YouTube para Windows Phone

Por em 13 de agosto de 2013

microsoft_app_youtube_wp

É bem provável que você, leitor, se recorde da pequena grande confusão que houve em maio, quando a Microsoft lançou um app do YouTube para Windows Phone que, dentre outras coisas, permitia que o usuário baixasse os vídeos e, a cereja do bolo, bloquear os anúncios exibidos pelo serviço de vídeos do Google. Se não se recorda, há um resumo dela aqui no Meio Bit escrito pelo Gogoni.

Para a alegria dos usuários do WP, nesta terça-feira, a Microsoft finalmente lançou uma nova versão do app do YouTube. De acordo com a empresa, a nova versão pretende fornecer uma boa experiência aos usuários e que contempla “as preocupações expressas pelo Google”, dentre elas, a adição de anúncios e a remoção da possibilidade de se realizar downloads dos vídeos. Além disso, a nova versão passa a permitir que os usuários façam upload de seus vídeos, tornando o app mais útil. No anúncio, a empresa agradece o apoio dado pelo Google “para garantir que os usuários do Windows Phone tenham uma experiência de qualidade no YouTube” e que Microsoft continua “ansiosa para dar prosseguimento à parceria”.

Para mim, a primeira coisa que fica muito clara é a vontade da Microsoft de levar, aos usuários da sua plataforma móvel, os benefícios de alguns dos serviços do Google (mesmo que enfiando os pés pelas mãos). A segunda e mais estranha é o pouco caso que o Google continua fazendo com os usuários do concorrente do robozinho verde. Diferentemente do que faz com a Apple, quando, muitas vezes, libera novidades aos usuários do iOS antes mesmo do Android, a gigante das buscas parece estar pouco se lixando com os usuários da Microsoft. Decisão, esta, lamentável.

Fonte: Engadget.

emCelular Computação móvel Internet Software

Adblock Plus finalmente chega ao Internet Explorer

Por em 13 de agosto de 2013

adblock_plus_ie

A questão da exibição de publicidade em sites e blogs é sempre algo polêmico. De um lado, as empresas e blogueiros que precisam ganhar dinheiro. De outro, os usuários que, com razão ou não, detestam mortalmente qualquer tipo de #ad que possa surgir nas páginas pelas quais estão navegando. A coisa é vista com tanta seriedade (ou não) pelas empresas que, em meados de maio, o Google pediu que os usuários do AdBlock Plus permitissem a exibição de seus anúncios. Depois, veio a notícia de que o Google paga ao AdBlock Plus para entrar em uma “lista branca” e não ter as suas publicidades barradas.

continue lendo

emGoogle Internet Microsoft Publicidade

Google+ ganha integração com SoundCloud e melhoria nas comunidades

Por em 13 de agosto de 2013

google_plus_soundcloud_integracao

Há decisões que, por melhores que sejam as suas intenções, tendem a deixar os usuários sem entenderem muito bem o porquê de terem sido tomadas. Um exemplo de decisão não compreendida por mim foi a de o Google limitar absurdamente a interação de serviços de terceiros com o Google+. Apesar de o serviço social já ter dois anos, poucos serviços conseguem interagir com o perfil do usuário. Compartilhar check-ins do Foursquare e GetGlue, por exemplo? Nem em sonho. Ok que a intenção era garantir uma melhor experiência do usuário com a redução de uma provável avalanche de spam, mas, ainda assim, eu sinto falta de muita coisa.

continue lendo

emGoogle Internet

Google dá adeus à janela antiga de composição de mensagens do Gmail

Por em 13 de agosto de 2013
Janela antiga de composição do Gmail será aposentada pelo Google

Janela antiga de composição do Gmail será aposentada pelo Google

Acho natural que, para a evolução de um produto ou serviço, algumas funcionalidades antigas deixem de funcionar. Afinal, se está havendo uma melhora (mesmo que na visão da empresa) em um determinado serviço, manter duas versões de uma mesma funcionalidade se torna confuso para o usuário e oneroso para a empresa, uma vez que terá que dar manutenção em ambos os lugares. Quando se trata de um serviço como o Gmail e o Google+, toda e qualquer mudança, por menor que seja, implica na vida de centenas de milhões de usuários que, como é natural da “pessoa humana” (não sei onde ouvi isso, mas odiei), fica de mimimi até dizer chega, além do famoso “vou cancelar a minha conta e migrar para o serviço Y”. Paciência.

A bola (ou serviço) da vez é o Gmail e a sua janela de composição de mensagens. Disponível no serviço de e-mail do Google desde novembro de 2011, ela sairá de campo para dar lugar à nova janela de composição, que começou a ser implementada pela empresa no final de outubro do ano passado. Desde o início da implementação da novidade (e, consequentemente, do mimimi), o Google fez várias mudanças na nova janela, algumas pequenas e invisíveis à maioria dos usuários, outras grandes que geraram um impacto muito positivo entre as pessoas que utilizam o serviço diariamente por horas. Ao longo destes oito meses, acompanhei de perto a evolução da janelinha e posso garantir que, de fato, ela mudou muito. A última mudança foi anunciada pelo Google em meados de julho, que foi a disponibilização da opção de tela cheia.

continue lendo

emDestaques Google Internet Meio Bit

Google+ deixa usuários do Firefox sem acesso ao serviço

Por em 10 de agosto de 2013
Aviso exibido ao usuário de que o seu navegador não é compatível com o Google+

Aviso exibido ao usuário de que o seu navegador não é compatível com o Google+

Sendo fornecedor de alguns dos produtos e serviços web mais utilizados no mundo, o Google acaba sendo, direta ou indiretamente, uma das empresas responsáveis por ajudar a manter os navegadores dos usuários atualizados. Com uma política de compatibilidade que, normalmente, engloba apenas as duas últimas versões dos navegadores mais utilizados, o Google acaba forçando que os usuários atualizem os seus navegadores sempre que os seus serviços deixam de suportar uma versão obsoleta dos browsers. Mas, às vezes, o tiro acaba saindo pela culatra.

continue lendo

emGoogle Internet Meio Bit

Google Maps – agora dentro de um A380

Por em 4 de agosto de 2013

pousonaluanadaconspiracaoehissovoar

O A380 é um monstro. Na imagem acima dá para ter uma boa idéia do tamanho desse brinquedo de US$ 404 milhões. São 72,7 m de comprimento, 252 toneladas de peso, podendo decolar com peso total de 592 toneladas. Na imagem acima ele aparece perto de um A320, que quem faz Ponte Aérea está acostumado.

A Airbus já vendeu 106 unidades, das 262 encomendadas. Um dos maiores clientes é a Emirados, uma das companhias aéreas mais elogiadas por quem tem dinheiro pra voar na Emirados.

Em uma bela peça de divulgação, conseguiram com que o Google mapeasse o interior de um dos A380s da empresa, estacionado em Dubai. A parte onde a pobretada (ou seja, nós) viaja já é confortável, mas a Primeira Classe é coisa de sonho.

tembar

Isso por exemplo é o BAR do avião.

Abra seu navegador, clique neste link do Google Maps e babe, passeando com o Street View dentro do bicho.

emHardware

Google e AdBlock Plus — Pagando Proteção ou Assassino de Aluguel?

Por em 3 de agosto de 2013

The-Googlefather

O GRANDE player no mundo dos plugins de navegadores é o AdBlock Plus. Diariamente 50 mil downloads são feitos no Chrome, e 100 mil no Firefox. Mais e mais usuários navegam sem os incômodos banners, que de qualquer jeito, como diz o Luli Radfaher, foram clicados pela última vez em 1973.

O problema é que publicidade é a grande fonte de renda de todo mundo na Internet. Sites são como TV aberta. Fornecemos conteúdo em troca de segundos de sua atenção. Claro que você pode levantar e ir ao banheiro durante o comercial, mas se todo mundo fizer isso, a Globo fecha OU passará a incluir a publicidade no meio do conteúdo, coisa que ninguém gosta.

No caso do Google o prejuízo causado por bloqueadores de publicidade em 2012 foi estimado em US$ 887 milhões. O do Meio Bit foi uma fração disso.

O Google chegou a remover do Google Play o AdBlock Plus para Android, mas ele continua na Chrome Store. A explicação? O software passou a tratar o Google como anunciante benigno, não-intrusivo, colocando-o inclusive em sua whitelist. Bondade no coração dos desenvolvedores?

Não, Business. Segundo reportado pelo TechCrunch, Google e outros grandes players pagam ao AdBlock Plus para manter seus anúncios na whitelist do serviço.

Recapitulando: o maior site de publicidade da Internet PAGA ao site que bloqueia anúncios para não bloquear seus banners, enquanto a concorrência… que se rale.

Algo está cheirando muito mal aqui. Me parece MUITO com a boa e velha tática da máfia de vender proteção, mas com faturamento de US$ 50 bilhões dificilmente a merreca que o Google está jogando no AdBlock Plus dói no bolso, e de bônus os concorrentes que não pagam são sumariamente bloqueados.

MUITO provavelmente os órgãos competentes serão acionados, e a corda como sempre arrebentará do lado mais fraco. Bem, o Google não ficará triste se o ABP for atomizado no processo.

Fonte: BI.

emInternet