Ciência
Ciência
Digital Drops Blog de Brinquedo

Outro dia, outro voo impressionante do Gafanhoto da SpaceX

Por em 15 de agosto de 2013

SpaceX-Grasshopper-Cowboy-landscape

O Gafanhoto era pra ser um simples foguete de testes, mas a SpaceX gosta de pensar grande, e como você pode ver pela foto, chamou a única pessoa com coragem e capacidade de pilotar esse monstro: Chuck Norris.

Com altura de um prédio de dez andares, o Gafa é usado para validar tecnologias de controle de propulsão e atitude, que serão usadas em futuras versões dos foguetes da série Falcon. O objetivo da SpaceX é que quase todo o conjunto de lançamento seja reutilizável. Não apenas reciclável, como os foguetes de propulsão sólida dos ônibus espaciais, mas que o primeiro estágio se desacople, desça em direção à base de lançamento, baixe o trem e pouse suavemente na área de manobra, para ser revisado, reabastecido e lançado de novo.

Ainda estamos longe disso, mas pelo visto a tecnologia de manobras eles já dominam.

No vídeo abaixo, divulgado dia 13, o Gafanhoto decola, atinge 250 m de altitude e se move 100 m para o lado. Depois volta e pousa.

continue lendo

emEspaço

Gradiente reconhece: “meu iPhone não é tão bom quanto o da Apple, mas compre assim mesmo”

Por em 27 de dezembro de 2012

Ao falarmos sobre emissoras de televisão que transmitem gratuitamente sua programação e, em teoria, vivem de publicidade, é consenso que no Brasil temos a Rede Globo e o resto: as outras emissoras de TV aberta simplesmente disputam migalhas da audiência não coberta pela maior rede de televisão deste país. Há momentos em que as outras emissoras simplesmente reconhecem que não podem concorrer contra a “Vênus Platinada”: o SBT, na época em que era vice-líder de audiência, já tentou concorrer contra os filmes da Globo ao propagandear que exibiria produções de gêneros bem distintos dos filmes exibidos pela emissora da Máfia, digo família Marinho.

Inclusive o tio Laguna lembra que quando o terceiro filme da franquia Rambo chegou aos cinemas brasileiros, Globo e SBT iriam exibir os filmes anteriores no mesmo dia e horário. Entretanto, quando chegou o tão anunciado momento, o sensato dono do SBT, Silvio Santos, anunciou pessoalmente na TV que o primeiro Rambo seria exibido num outro dia e colocou qualquer coisa para concorrer contra o segundo Rambo, exibido na Globo. Utilizando-se de um raciocínio parecido, a Gradiente tenta explicar a confusão, que envolve a marca iPhone no Brasil, num vídeo no mínimo bizarro:

A bela voz feminina explica que “iPhone” é uma palavra criada pela empresa brasileira e que seria resultado da junção de internet e telefone, mas o mais gozado é ver a Gradiente enaltecendo o produto da Apple ao dizer que os verdadeiros iPhones teriam maior velocidade e melhor resolução que os celulares Android que ela venderá sob tal marca mundialmente famosa. Sim, a empresa brasileira reconhece claramente que o produto que venderá é inferior.

Não basta o Brasil ser o país do coitadismo, dos ativistas políticos bundões e dos gafanhotos digitais, também somos o país onde o iPhone nacional usa 2 chips SIM e roda Android. Ao menos os chineses kibam as coisas em silêncio. Ou quase isso.

emApple e Mac Destaque Mercado Mundo Estranho Propaganda & Marketing Publicidade

Brasileiros: somos tão baixo nível assim? O lixo online?

Por em 8 de fevereiro de 2007

Há algum tempo, escrevi um artigo no Meio Bit que gerou bastante polêmica. Chamei o brasileiro, em geral, de gafanhoto digital. Estou considerando alterar o termo, em respeito aos gafanhotos.

Foi uma metáfora para sintetizar a falta de educação, o abuso, a infantilidade, o despreparo, o vandalismo, a ignorância e uma série de outros males que o brasileiro está tão acostumado em praticar que tornou-se, em turba, um especialista.

Sofremos severamente de democratite, onde um indivíduo se acha no direito de entrar em um ambiente de discussão e dar uma descarga do próprio cérebro, representando em palavras, os excrementos de pensamento que ele ou ela possuem.

Há também o senso de injustiça cometido por estrangeiros ricos contra os pobres coitados brasileiros, que devem unir força contra os americanos do mal. Esse pensamento de esquerdinha fajuta, bolchevique, xenófobo e até mesmo racista, não cabe mais no mundo moderno, mas encontra vários adeptos por aqui. E isso acaba se refletindo nessa pseudo-militância online, onde os brasileiros-gafanhotos, chamam uns aos outros para depredar e arruinar a casa dos outros. Não conseguem entender que o maior culpado dessa inferioridade não é o estrangeiro malvadão e sim, nós mesmos. Transferir responsabilidade, terceirizar os culpados é fácil demais: “foram eles, os americanos! Abaixo os USA”. Viu como é fácil?

Um dos argumentos levantados pelos insetos digitais e seus pares, os zealots, é que o computador é dele, a conexão com internet é dele e paga em dia. Então, por alguma razão divina, um website deve hospedar as opinões dele(a), senão é a volta da censura e fere o direito democrático. Será que devo explicar que opinar é um direito até que se faz uso irresponsável do mesmo? Sua liberdade de expressão é tão vasta quando começa a liberdade de outra pessoa.

Mas faltava uma prova de conceito. Minha experiência em jogos online mostrava que havia algo de errado com a imagem brasileira lá fora. Sempre há desconfiança e até hoje eu preciso acessar alguns fórums usando proxy porque os IPs do Brasil foram bloqueados, por excesso de vandalismo e abuso.

A foto da Daniella Cicareli foi apenas uma brincadeira de um blog da Wired. Não foi referência em nada com o post e a piada é engraçada dentro de um contexto. Extraído o contexto e com um bando de desocupados gafanhotos sem ter o que fazer, temos o verdadeiro festival de baixaria online, hospedado em um dos mais respeitados meios de comunicação de tecnologia do mundo, a Wired:

http://blog.wired.com/music/2007/02/brazilian_prost.html (sem link, de propósito)

Ainda não entendo o ódio desvairado contra os EUA. Inventaram a Internet, redes de computadores, o transístor, a fibra óptica, o telefone celular, chips, Lost, Heroes, Star Wars, Star Trek, Ali Larter e a Rebecca Romijin. Essas mesmas pessoas que criticam o país, o fazem usando equipamentos e tecnologias inventados por eles. Quanta ironia…

emArtigo