Digital Drops Blog de Brinquedo

Resenha: Marco Polo

Por em 30 de janeiro de 2015

marco-polo-001

Que a Netflix amadureceu a gente já sabe. Ela evoluiu de serviço que apenas distribuía filmes, séries e documentários via streaming para uma plataforma que produz seu próprio conteúdo (e vem muito mais por aí), fórmula de sucesso que foi copiada por seus rivais, desde a Amazon até a Sony.

Porém em dezembro a Netflix chutou o balde e lançou aquela que é sua obra mais ambiciosa: Marco Polo é um desbunde, um épico no nível de Game of Thrones — e quase tão cara quanto. Monte seu ger, acenda uma fogueira e acompanhe o que achamos da primeira temporada.

continue lendo

emÁudio Vídeo Fotografia Destaques Entretenimento

Alibaba surge como possível salvador do Ouya

Por em 30 de janeiro de 2015

ouya

Pelo menos por enquanto o rumor sobre o grupo Alibaba estar criando um console não passa disso, um rumor, mas um artigo publicado pelo The Wall Street Journal sugere que os chineses estão realmente interessados em explorar este mercado e o Ouya poderá ser sua porta de entrada.

Após surgir como uma interessante novidade para a indústria de games e não conseguir muito sucesso, principalmente pela falta de jogos de peso, o microconsole praticamente caiu no esquecimento. Porém, isso não teria impedido que Jack Ma e cia. investisse US$ 10 milhões na fabricante do Ouya.

continue lendo

emRumores

Palm agora é da China

Por em 15 de janeiro de 2015

palm

Tenho uma relação pessoal com a Palm, desde meu distante Palm Professional, hoje jurássico com 1 MB de memória, tela monocromática (ou quase) de 160×160 pixels e nenhuma comunicação externa fora a porta serial. Custou US$ 400,00 e era quase ficção científica. Todo mundo sabia que estava presenciando o começo de algo grande.

Todo mundo menos a Palm, que logo se tornou sinônimo de PDA, parou de inovar e deixou outros tomarem seu lugar. As novidades apareciam sempre primeiro na concorrência, PDAs profissionais como o Dell x51v eram muito superiores em hardware, e com o início dos smartphones a Palm percebeu que tinha um sistema operacional obsoleto, um hardware no máximo atual, e seus clientes haviam todos migrado para longe. 
continue lendo

emHardware Mercado

Oh, a ironia: produtos da Xiaomi estão sendo clonados na China

Por em 13 de janeiro de 2015

xiaomi-mi4

Eu sei, eu sei que eu já peguei pesado com a Xiaomi no passado, mas convenhamos que ela deu motivos mais de uma vez. A empresa chinesa do ex-Google Hugo Barra se tornou notória por emular o look and feel dos produtos da Apple, só que na China ela é uma gigante, uma das maiores vendedoras de dispositivos mobile do país.

Ainda assim não deixa de ser irônico o fato da companhia não estar gostando que empresas locais menores a estarem… copiando.

continue lendo

emComputação móvel Hardware Mercado Mundo Estranho Planeta Sem Fio

Nokia N1 vende 20 mil unidades em 4 minutos na China

Por em 12 de janeiro de 2015

nokia-n1

A divisão finlandesa da Nokia, a parte que sobreviveu à aquisição pela Microsoft não desistiu do mercado mobile. Ela anunciou em novembro o Nokia N1, um tablet x86 com Android 5.0 Lollipop cujo destaque é a porta USB Type-C, que se encaixa em qualquer posição (a aparência similar ao iPad mini é detalhe, ele tem méritos próprios).

A China é o primeiro mercado em que ele está sendo introduzido, e os números são promissores: 20 mil unidades vendidas em quatro minutos.

continue lendo

emComputação móvel Hardware Mercado Opinião

Motorola vai à China com Moto X, Moto G 4G e Moto X Pro

Por em 8 de janeiro de 2015

motorola

A Motorola ficou longe da China por pouco mais de um ano, mas agora que a Lenovo concluiu o processo de aquisição da empresa junto ao Google é hora de expandir novamente para mais mercados, e não e surpresa que a companhia agora aporte no país para vender seus smartphones. Só que os locais terão uma surpresa: poderão pôr as mãos em um aparelho relativamente inédito.

continue lendo

emComputação móvel Hardware Mercado Planeta Sem Fio

Camponeses chineses invejando o programa espacial brasileiro

Por em 6 de janeiro de 2015

lm3a_01

Existem dois tipos de lixo espacial. Três, se você contar os filmes do SyFy. Um são os materiais em órbita, como pedaços de satélites, tanques de combustível de foguetes e uma luva. Esses causam problemas como o mostrado em Gravity.

O outro tipo é o lixo que cai. Quando um foguete é lançado os estágios iniciais, carenagem, foguetes auxiliares, tudo segue uma trajetória parabólica e termina de volta no chão. Por isso quando possível os países preferem lançar seus foguetes sobre o mar. As chances de atingir um navio são bem menores, e ninguém vê foguete no fundo do mar. 
continue lendo

emDestaque Espaço Hardware