Mobile
Mobile
Digital Drops Blog de Brinquedo

Samsung suspende negócios com fábrica chinesa após denúncias de trabalho infantil

Por em 15 de julho de 2014

Trabalho Infantil

A Samsung anunciou que suspendeu os negócios com um de seus fornecedores após a CLW (China Labor Watch) encontrar violações “sérias e persistentes” das leis trabalhistas em uma fábrica na China.
continue lendo

emHardware Indústria Mundo Estranho

ZTE Nubia Z7: um clone do LG G3 por um preço menor

Por em 9 de julho de 2014

zte-nubia-z7

O LG G3 é um senhor smartphone, seguramente o mais moderno disponível no mercado hoje. A fabricante coreana caprichou e dotou o dispositivo com os melhores recursos de hardware possíveis, como display QHD, câmera com estabilização de imagens e que filma em 4K e outras particularidades, entretanto como todo top de linha sua média de preço é um pouquinho alta: na Amazon a LG o comercializa por US$ 660, isso se você quiser o modelo branco.

Se você quiser um smartphone tão potente quanto mas por um preço menor, e não ligar para a marca uma opção é o Nubia Z7, que a chinesa ZTE anunciou em junho e chegou às lojas asiáticas nesta semana.

continue lendo

emComputação móvel Comunicação Digital Hardware Mercado Planeta Sem Fio

LG G3 Beat, a variação Mini de mentira de 5 polegadas

Por em 1 de julho de 2014

lg-g3-beat

Quando a LG anunciou há pouco tempo atrás o G3, seu mais novo smartphone Android top de linha, já era praticamente certo que a companhia coreana iria revelar uma variação de menor capacidade e dimensões reduzidas mais cedo ou mais tarde. É um padrão da indústria: lança-se um modelo mais modesto com o mesmo nome a fim de fazer uma mínima identificação, e no fim das contas isso atrai compradores mais incautos, cientes que estão levando algo próximo dos modelos top.

A Samsung é mestra em fazer isso, as versões Mini da linha Galaxy S possuem hardware pífio; já a Sony entendeu que não pode vilipendiar o consumidor, e o Z1 Compact é o outrora top em um tamanho reduzido. A LG caminha num um meio-termo com o G3 Beat, já que chamá-lo de “Mini” seria uma piada.

continue lendo

emComputação móvel Comunicação Digital Hardware Mercado Planeta Sem Fio

DEFCON 1 — visualização de um ataque DDOS

Por em 25 de junho de 2014

wargames4

Uma das cenas mais dramáticas do excelente Wargames mostrava os ICBMs soviéticos atingindo as cidades americanas. Não com lindos efeitos de CGI (que ainda não existia) mas com um simples mapa em gráficos vetoriais. Quando o WOPR começa a calcular ataques e contra-ataques cada vez mais rápido o efeito psicodélico é intenso. Essa semana vi uma cena parecida, mas real e bem assustadora.

Os ataques DDoS já são velhos conhecidos, mas estão ficando piores. Antigamente eram script kiddies brincando com o LOIC, hoje são redes de dezenas de milhares de PCs Zumbis, comandados por hackers russos e chineses em sua maioria, atrás de algo muito mais valioso do que LULZ: dinheiro.
continue lendo

emDestaques Internet Segurança

Governo chinês revela lista de patentes do Android possuídas pela Microsoft

Por em 16 de junho de 2014

android-microsoft

A gente sabe, patentes são uma dor de cabeça geral para todos os envolvidos. Elas servem essencialmente para duas coisas: um deles é proteger a empresa em caso de litígio, se ela for processada pelo uso da tecnologia ou como contra-ataque, caso uma briga entre um concorrente por tecnologia x o leve a contra-atacar com uma patente y. Isso causa uma verdadeira Guerra Fria entre companhias, Microsoft, Sony, Apple, todas possuem patentes umas voltadas contra as outras mas ninguém faz nada, a não ser darem as mãos e fecharem acordos de não-agressão e em muitas vezes, fecharem parcerias.

O segundo uso para as patentes é o mais óbvio: dinheiro. Clamar o direito sobre uma tecnologia rende gordos dividendos e a Microsoft é uma das maiores detentoras de patentes do mundo. Pior para o Google, que dormiu no ponto e desdenhou das patentes até ser tarde demais: já sabíamos que cada Android fabricado rende uns bons trocados à Redmond, e agora temos uma visualização mais precisa desse cenário.

continue lendo

emComputação móvel Comunicação Digital Google Hardware Mercado Microsoft Planeta Sem Fio Software

Agora sim: carregador USB MegaPower de 6 Portas

Por em 3 de junho de 2014

trambolhodobem

Quando estou viajando tenho que dar o braço a torcer e reconhecer que Hitler, Stalin, Fidel, Palpatine e o Comandante Cobra estavam certos. Poder é tudo. Parafraseando Lorde Voldemort, Não existe Bem ou Mal, só o Poder, e a porcaria da tomada já está ocupada.

iPad, celular, bateria auxiliar, carregador de pilhas da câmera, filmadora digital, gravador e logo você descobre que o conceito de mobilidade e mundo sem fio é uma piada. Vai-se uma tomada, vem um carregador. Seria bom unificar essa tralha toda, mas como?

SEUS PROBLEMAS ACABARAM!

O DN-11051 da DOSPARA é um carregador USB que utiliza uma daquelas fontes monstruosas de notebook, e por isso consegue fornecer SEIS portas 5 V 2,1 A (cada). Dá pra carregar qualquer iPad, Lumia 1520 ou Samsung, nenhum desses vampirões de energia ficará com fome. O bicho custa razoáveis US$ 39,00; pode ser achado aqui e alardeiam pesar só 50 g, se você omitir a fonte, mas isso é coisa do kibe.

Para quem viaja profissionalmente, ou tem família conectada, isso é excelente. Ainda mais com a usura típica de hotéis, onde há uma tomada livre e a outra está ligada no sistema de suporte de vida da velhinha do quarto ao lado.

Fonte: TF.

emAcessórios Computação móvel Hardware

Google é bloqueado na China às vésperas dos 25 anos do Massacre de Tiananmen

Por em 3 de junho de 2014

tianamen

No dia 4 de junho de 1989 chegou ao auge a tensão causada por protestos na China. Desencadeadas pela morte do líder progressista Hu Yaobang, as manifestações começaram como luto, mas logo se transformaram em marchas por liberdade de expressão, reformas políticas, fim da corrupção, igualdade social e controle dos meios de produção na mão dos trabalhadores. Você sabe, tudo aquilo que o comunismo promete.

A princípio o Governo de Beijing não fez nada, eles sabiam que de vez em quando uma passeatazinha é bom para o moral, o pessoal vai pra casa achando que fez alguma coisa. Não é tão gratificante quanto uma campanha de hashtag ou mudar o nome no Facebook, mas é o que tinha na época.
continue lendo

emGoogle Internet Web 2.0