Digital Drops Blog de Brinquedo

Cabo azul: soro na veia do povo

Por em 10 de fevereiro de 2007

Lendo o post do luizdu, percebi que não sou o único viciado em internet. Fiquei muito preocupado… Por mim e pelo resto do mundo. Cada vez mais as pessoas usam a internet e cada vez menos as pessoas interagem na vida real.

Pra quê ir à casa do Seu Piragibe (eu só vejo novela quando não tenho o que fazer), lá no Acre (!), se tu podes logar num InstantMessenger, plugar a webcam (quem sabe um microfone) e conversar com o cidadão? Não precisa pagar gasolina, passagem de avião ou busão.

Oh sim, amigos! Isso é um grande benefício que a generosa internet nos dá. Assino embaixo. Mas a grande causa do vício não está nessas coisinhas. É fotolog (era né, saiu de moda), Orkut, MSN, mp3, BBB, RBD etc etc. Para os gamers on-line, a questão é evoluir seu char, dar uns headshots e/ou entrar pro rank. Para os voyeurs…
E vocês, blogueiros safados, nem pensem que escaparão! No caso de vocês, é informação, feeds, informação e feeds também.

Eu li num blog, um dia, que o autor assina mais de 900 feeds. Tenha dó. “Ohô! Eu assino muito mais..” alguém pode ter soltado. Sim, agora você está super informado, você está por dentro de tudo no mundo e seus dedos simplesmente fazem fluir qualquer texto sobre qualquer coisa. Coitados os probloggers, que ficam 8 horas ou mais frente ao monitor. Um dos casos mais críticos.

Qualquer bico de bule tem 300 amigos no Orkut. Qualquer um tem 5 mil recados. Eu tenho quase isso, nos dois casos. Mas duvido que qualquer um tenha realmente tantos na vida real. Aqueles com quem você sempre anda, com quem pode contar. Amigos de verdade. É assim comigo e eu sei que isso acontece com a maioria. Eu tento manter, o máximo possível, minhas amizades na vida off-line. Não converso tanto assim como na internet, talvez devido à distância, falta de tempo e aqueles motivos de sempre.

Certa vez, um moleque de cabelos loiros conversava com um rapaz de touca no ônibus. O piá vinha de uma escola agrícola, com uma placa com o nome da cidade na mão (pra ganhar carona pra casa) e uma mochila no colo. Os dois não se conheciam. Achei interessante a reação do cara de touca quando o moleque sentou do seu lado e começou a puxar conversa. Perguntou onde ele estudava e o cara respondeu que não estudava mais, sem mesmo olhar pra cara do guri. Aos poucos, foram se soltando e quando cheguei ao meu ponto, os dois já conversavam alegremente.

Anteontem estava no shopping aqui da cidade e me deparei com uma placa com os dizeres ‘Agora com sinal WiFi’. Imaginei um sujeito saindo de casa, passando na cafeteria do shopping, abrindo seu note sobre a mesa e lendo uns blogs/e-mails acompanhado de um bom expresso. Uauuu! Os geeks devem ter sentido calafrios! Mas será que até pra fora de casa nós *precisamos* levar internet!? Será que é algo assim tão importante que não podemos viver sem? Até no shopping, mano, onde você poderia estar tomando um chopp com seus hermanos, você tem que usar a internet? Sim, é legal, é novidade, facilita a vida de quem precisa. Mas pô, estamos bancando os individualistas. É horrível conversar com alguém lendo ou digitando alguma coisa, pra ambas as partes.

Outra vez, li que alguém estava desenvolvendo um gadget (desculpem, sou um colaborador preguiçoso e não procurei links) que poderia ser usado juntamente com um InstantMessenger. Para fazer sexo virtual. Até *isso* a gente não vai mais fazer *de verdade*??

O comentário do brunogross, na minha opinião, foi um dos mais relevantes:

To me sentindo anormal demais aqui… Eu tenho namorada e não namorada.jpg… Eu jogo futebol e não Winning Eleven ou CM… Eu vou a boites e bares beber e zoar a mulherada real e não no Second Life… Eu vou ao cinema e não baixo por redes BT os filmes pra ver no pc… Um telefonema dos amigos pra zoeira independente da hora faz eu encerrar qualquer conexão…

Se você está sem internet, desligue o computador. Sério! Não fique fazendo tarefas off-lines rotineiras como scans de anti-vírus, organizar seus arquivos e seus mp3. Saia de casa, ligue pra alguém do sexo oposto (vai de cada um), chame a galera pra sair. Prometi pra mim mesmo que, este ano, farei aulas de violão. Faça coisas diferentes.

Se você lê muito, como eu, separe os feeds preferidos. Não fique lotando sua cabeça com tanta informação. Acredite, não vai fazer falta. Você nem lembraria da maioria mesmo. Leia livros, jornais. Muitos blogueiros por aí demonstram não estar preparados para blogar. Pois é, qualquer um pode ter um blog, hoje em dia. E esse qualquer um pode estar tomando seu tempo com abobrinhas. Prefira profissionais, gente formada, mas não descarte gente criativa que completou o Ensino Médio ano passado, como eu (sarcasmo).

SecondLife o caramba! Sua vida é aqui e agora.

Tome cuidado pra não deixar que o cabinho azul seja teu único sustento. Internet é legal. Quer bater um papo com alguém? Faça pessoalmente, quando puder. Uma prosa, de vez em quando, faz bem.

*Cabo azul é só uma referência à internet em si. Não estou interessado em saber se você é chique e usa wireless, ou satélite ou qualquer porcaria que inventem. Se você usa discada, meus sinceros sentimentos de pesar.

emArtigo Destaque Internet Telecom

PC vs Mac vs Linux

Por em 10 de fevereiro de 2007

A série de anúncios da Apple PC vs Mac rendeu muitas paródias excelentes, inclusive as que colocavam o Linux no meio da briga. Agora surgiu a imagem definitiva, não creio que a situação atual dos 3 sistemas seja melhor exemplificada do que na imagem abaixo:

pcmaclinux.jpg

Reclamações para a redação. Reclamações de gente sem senso de humor, favor encaminhar para dev/null.

Fonte: Fark

emAndroid e Linux

Cientistas desenvolvem tecnologia para leitura do pensamento

Por em 9 de fevereiro de 2007

Segundo o The Guardian, um time de cientistas desenvolveu um método capaz de ler a mente das pessoas.

O método utiliza imagens de alta resolução para identificar padrões que correspondam a determinados pensamentos, podendo, até mesmo antever o que a pessoa fará e talvez nem saiba ainda.

Já se pensa na possibilidade de utilizar a técnica para ajudar em interrogatórios, julgamentos e até na descoberta de possíveis terroristas.

Durante os testes, era solicitado que as pessoas decidissem se gostariam de adicionar ou subtrair dois números que seriam apresentados em uma tela.

Antes de exibir os números o cérebro das pessoas eram escaneados e conseguiram um acerto de 70% no que as pessoas decidiam depois que viam os números.

Particularmente, acho 70% acerto, em um teste que já parte de 50% de probabilidade de acerto, pouco, mas já mostra o potencial da tecnologia, que é incrível.

Uma outra possibilidade de uso para a tecnologia seria o controle de computadores através do pensamento, mas, não sei porque, acho que vamos acabar usando para ler a mente dos outros, mesmo.

emMiscelâneas

Google Docs and Spreasheets, agora em português

Por em 9 de fevereiro de 2007

O serviço de editor de texto e planilhas online do Google continua a evoluir. Anunciaram agora a disponibilidade do sistema em português do Brasil, e mais outras 11 idiomas.

Ja usei para algumas tarefas o Docs and Spreadsheets, e apesar da funcionalidade limitada, para tarefas simples serve muito bem o propósito.

emGoogle Produtividade

Microsoft suportando OpenID

Por em 9 de fevereiro de 2007

Eu já havia postado anteriormente sobre o sistema de autenticação distribuída OpenID, na época que o Technorati resolveu adotá-lo. Parece que agora veio o empurrão para que o sistema decole. A Microsoft vai passar a suportar OpenID, o que sem dúvida facilitará a vida de muita gente.

O OpenID é simplesmente um serviço que autentica o usuário. Aqui no Meio Bit, por exemplo, você poderia simplesmente logar no sistema com seu usuário e senha OpenID, ao invés de criar um novo usuário, e isto valeria para qualquer site que ofereça suporte a OpenID.

emIndústria Internet Segurança

Microsoft lança Windows Mobile 6

Por em 9 de fevereiro de 2007

A Microsoft continua a tentar trazer uma plataforma móvel melhor. Agora com o Windows Mobile 6, que está sendo lançado oficialmente, com dispositivos sendo liberados para venda no segundo trimestre deste ano.

A palavra que melhor descreve as melhorias é “integração”, com a plataforma Office integrando-se mais fortemente com o sistema operacional móvel, através do chamado Office Communicator.

Com rivais de peso como o Symbian e o Blackberry, a plataforma da Microsoft ainda não tem o sucesso que era esperado com consumidores corporativos. Para consumidores finais, não há melhorias revolucionárias, mas sim incrementais, já que boa parte do que foi melhorado no Windows Mobile 6 fica no backend. O site Mobile Review tem uma resenha ótima do novo sistema. Gostei principalmente do cliente de telefonia via Internet padrão SIP.

Já se fala em uma versão para 2008, codinome Photon. Ainda se sabe pouco sobre esta futura versão, mas a Microsoft parece querer atualizar sua plataforma móvel anualmente.

emComputação móvel

Brasileiros: somos tão baixo nível assim? O lixo online?

Por em 8 de fevereiro de 2007

Há algum tempo, escrevi um artigo no Meio Bit que gerou bastante polêmica. Chamei o brasileiro, em geral, de gafanhoto digital. Estou considerando alterar o termo, em respeito aos gafanhotos.

Foi uma metáfora para sintetizar a falta de educação, o abuso, a infantilidade, o despreparo, o vandalismo, a ignorância e uma série de outros males que o brasileiro está tão acostumado em praticar que tornou-se, em turba, um especialista.

Sofremos severamente de democratite, onde um indivíduo se acha no direito de entrar em um ambiente de discussão e dar uma descarga do próprio cérebro, representando em palavras, os excrementos de pensamento que ele ou ela possuem.

Há também o senso de injustiça cometido por estrangeiros ricos contra os pobres coitados brasileiros, que devem unir força contra os americanos do mal. Esse pensamento de esquerdinha fajuta, bolchevique, xenófobo e até mesmo racista, não cabe mais no mundo moderno, mas encontra vários adeptos por aqui. E isso acaba se refletindo nessa pseudo-militância online, onde os brasileiros-gafanhotos, chamam uns aos outros para depredar e arruinar a casa dos outros. Não conseguem entender que o maior culpado dessa inferioridade não é o estrangeiro malvadão e sim, nós mesmos. Transferir responsabilidade, terceirizar os culpados é fácil demais: “foram eles, os americanos! Abaixo os USA”. Viu como é fácil?

Um dos argumentos levantados pelos insetos digitais e seus pares, os zealots, é que o computador é dele, a conexão com internet é dele e paga em dia. Então, por alguma razão divina, um website deve hospedar as opinões dele(a), senão é a volta da censura e fere o direito democrático. Será que devo explicar que opinar é um direito até que se faz uso irresponsável do mesmo? Sua liberdade de expressão é tão vasta quando começa a liberdade de outra pessoa.

Mas faltava uma prova de conceito. Minha experiência em jogos online mostrava que havia algo de errado com a imagem brasileira lá fora. Sempre há desconfiança e até hoje eu preciso acessar alguns fórums usando proxy porque os IPs do Brasil foram bloqueados, por excesso de vandalismo e abuso.

A foto da Daniella Cicareli foi apenas uma brincadeira de um blog da Wired. Não foi referência em nada com o post e a piada é engraçada dentro de um contexto. Extraído o contexto e com um bando de desocupados gafanhotos sem ter o que fazer, temos o verdadeiro festival de baixaria online, hospedado em um dos mais respeitados meios de comunicação de tecnologia do mundo, a Wired:

http://blog.wired.com/music/2007/02/brazilian_prost.html (sem link, de propósito)

Ainda não entendo o ódio desvairado contra os EUA. Inventaram a Internet, redes de computadores, o transístor, a fibra óptica, o telefone celular, chips, Lost, Heroes, Star Wars, Star Trek, Ali Larter e a Rebecca Romijin. Essas mesmas pessoas que criticam o país, o fazem usando equipamentos e tecnologias inventados por eles. Quanta ironia…

emArtigo