Digital Drops Blog de Brinquedo

À Procura do S.O. perfeito ( IV )

Por em 23 de outubro de 2006

Pois bem, pessoal, esta é a quarta e última parte do artigo sobre os Sistemas Operacionais “embarcados”. Vejam as outras: parte I, parte II e parte III.

É claro que há outras opções além das mostradas aqui, mas o curto espaço de tempo não me permitiu estudá-las e, muito menos, comentá-las.

Desta vez, falarei de três sistemas que não poderiam faltar: eCos, Windows CE e Linux.

eCos

eCos é um S.O. “open source”, completamente gratuito, que mantém compatibilidade com as APIs POSIX e os software GNU.

Foi desenhado para atender a demanda de dispositivos em tempo real, com sérias restrições quanto à memória disponível. Uma parte muito interessante é seu sistema de configuração, que permite “enxugar” a imagem gerada ao extremo.

No pacote, está o RedBoot, um gerenciador de boot ( pense nele como um lilo ) muito utilizado, mesmo em sistemas com linux embarcado.

O projeto está bem maduro, pois começou com a Cygnus Support, em 1989. Para vocês se situarem: a Cygnus, mais tarde comprada pela RedHat, foi uma das principais coloboradoras de vários dos projetos GNU, como o gcc e o gdb. Foram eles, também, que desenvolveram o cygwin. Por falta de boas referências é que não se pode eliminar o eCos…

Uma camada de abstração de hardware ( HAL ) “isola” o kernel do processador, facilitando muito a migração para outros sistemas. Tanto é assim que o eCos roda em ARM7, ARM9, StrongARM, CalmRISC, FR-V, H8, x86, ColdFire, AM3, MIPS, PowerPC, Sparc e SuperH. Nada mal, hein?

As ferramentas de criação rodam em Linux e Windows ( sob o cygwin ), mas há uma explícita preferência pelo sistema do pinguim.

Uma grande comunidade existe em torno do software e, para sistemas com restrições de “footprint”, essa parece ser a escolha ideal.

Windows CE 5.0

Recebi da Microsoft, através da revenda Compusoftware, o ótimo Windows CE 5.0, para avaliação ( apesar da versão 6.0 estar saindo do forno ). O material, como sempre, é muito bem acabado e bonito, um esmero raramente encontrado em outros fornecedores de sofware para desenvolvimento.

O kernel é licenciado como “shared code”. O desenvolvedor tem acesso ao código-fonte e pode modificá-lo, sem que seja necessário notificar a MS. Pelo menos, foi o que entendi… a política de licenciamento da MS sempre me confunde.

Os valores são bem aceitáveis, quando se considera a qualidade e o suporte: quase mil dólares pela ferramenta e de US$ 3,00 a US$ 21,00 de “royalties”, por produto. No entanto, é uma escolha meio “às cegas”. É preciso, primeiro, saber claramente os módulos a serem utilizados para, só depois, descobrir quanto vai custar.

Essa versão do Windows roda em plataformas ARM, MIPS, x86 e SH. Tem capacidade de tempo real e, a MS nunca se cansa de enfatizar, várias camadas de segurança.

A principal vantagem é a facilidade que o desenvolvedor Windows tem. Em poucas horas ele já está habituado e produzindo. O ganho de produtividade é sensível.

Em anexo, algumas imagens da ferramenta que, entre outras coisas, vem com um Emulador muito eficiente.

Realmente, fiquei tentado a utilizá-lo. O único ponto contra foi o fato de ficar atrelado a um único fornecedor.









[img_assist|nid=9243|desc=|link=none|align=left|width=340|height=400] Linux Embarcado

Como não poderia deixar de ser, o Linux também foi avaliado.

Rodando em dezenas de processadores diferentes, com código-fonte disponível e gratuito, uma comunidade realmente grande, com boa-vontade suficiente para ajudar mesmo nos casos mais extremos, essa parecia a opção ideal.

No entanto, as maiores virtudes do S.O. ( como a grande quantidade de fornecedores ) também são suas maiores faquezas. Explico: mesmo com o código-fonte e as ferramentas sendo distribuidas livremente pela internet, num projeto comercial o suporte é de vital importância. Ficar aguardando dois dias para que alguém leia sua pergunta num fórum russo e resolva responder, não é muito agradável e gera uma úlcera no gerente.

Por outro lado, se você compra uma ferramenta ( e, consequentemente, o suporte ), fica atrelado àquela empresa e, pasmem, pode perder a “simpatia” da comunidade. Por mais incrível que pareça, cheguei ler coisas assim: “… você comprou a ferramenta tal, vá atrás deles, não espere que solucionemos isso para você…”.

Os principais fornecedores de soluções integradas ( IDEs gráficas e “debuggers” ) são: MontaVista, Freescale ( que comprou a Metrowerks, fabricante do CodeWarrior ) e a LynuxWorks, com preços variando de US$ 2.000,00 a US$ 6.000,00.

Vários fabricantes de processadores disponilizam gratuitamente “patches” ou “BSPs” ( Board Support Packages ), o que, a princípio, permite o desenvolvimento a partir da “linha de comando”. Se não há um fornecedor de IDE para o processador escolhido, essa é única saída.

Ainda há uma “versão” do Linux projetada para rodar em processadores que não possuem MMU ( Unidade de Gerenciamento de Memória ): o uClinux. Com ele, o leque de “chips” que rodam linux aumentou bastante, com opções de baixíssimo custo unitário.

No frigir do ovos, escolhi o Linux como S.O. para o projeto. Mais por contar com o apoio de uma Instituição de Pesquisa que por seus méritos técnicos. É quase certo que, se estivesse sozinho, optaria pelo Windows CE.

É realmente uma pena que não tenha mais tempo para explicar detalhes de cada S.O., mas vocês poderão pesquisar a partir daqui. É realmente uma área fascinante e o mercado para desenvolvedores cresce rapidamente.

Para finalizar, algumas referências e “links” para ferramentas:

8 bits:
Zilog Z80, Z8 e Z-NEO: http://www.zilog.com/software/zds2.asp

Microchip MPLAB

CCS PIC C Compiler

Freescale CodeWarrior 8 bits

P&E Micro: Debuggers

Windows CE:

winCEBrasil

MSDN

Linux Embarcado:

Free Electrons

uClinux

Linux em DSP Analog Devices

Linuxdevices

Livro gratuito: Advanced Linux Programming

Ambientes gráficos para Linux Embarcado:

Nano-X

Qt Embedded

emArtigo Destaque Hardware

Ajude a eleger os Favoritos da Comunidade Linux no Brasil em 2006

Por em 23 de outubro de 2006

Dica do Agusto, do site Br-Linux:

Repetindo a bem-sucedida promoção de anos recentes, o BR-Linux.org disponibilizou desde a madrugada de domingo o formulário de votação dos Favoritos da Comunidade Linux no Brasil em 2006, juntamente com a atualização do Censo Anual da Comunidade Linux Brasileira. E os participantes ainda concorrem a ótimos brindes, incluindo pen drives de 1GB e canivetes Victorinox!

A promoção dos Favoritos já é praticamente uma tradição na comunidade Linux brasileira, e escolhe pelo voto direto e aberto os projetos, personalidades e fatos mais populares em dezenas de categorias. Ela vem acompanhada na atualização do Censo, que é provavelmente a mais ampla pesquisa sócio-econômica e demográfica sobre a comunidade Linux brasileira a ter os seus resultados publicamente divulgados.

Além de registrar seus votos e dados, os participantes ainda concorrem a uma série de brindes interessantes, que comemoram os 10 anos do BR-Linux. A lista de brindes ainda não está completa, mas já inclui 6 pen drives de 1GB, Swisscards, canivetes Victorinox, Geek Tools e mais.

Participe, vote e ajude a divulgar! Visite diretamente o formulário de votação, pois lá você encontra também os links para a lista de brindes, os regulamentos, prazos e mais.

emLinux

Amazon inaugura serviço de courier internacional

Por em 22 de outubro de 2006

Mas o Brasil não está incluso nas lista de países com o serviço. Pode ficar bravo, você teve uma pontinha de esperança, não foi? ;-)

A Amazon.com não fazia envio de produtos como jóias, eletrônicos, software, etc para fora dos EUA. Apenas livros eram permitidos. Agora, pode-se comprar até desodorante.

O serviço inclui desembaraço alfendegário e estimativa de preço final na chegada dos produtos. A idéia é o produto chegar na porta do cliente, sem sobretaxas-supresa, tão comuns quando importamos um produto fora da lista de isenção de impostos.

A lista de países beneficiados: Austrália, Áustria, Dinamarca, Finlândia, Françe, Alemanha, Reino Unido, Hong Kong, Irlanda, Itália, Japão, Holanda, Nova Zelândia, Noruega, Portugal, Arábia Saudita, Singapura, Espanha, Suécia, Suíça, Tailândia e Emirados Árabes Unidos.

Eu tenho um amigo morando da Austrália e outro na Espanha. Eles lêem o MeioBit, então, vai o recado: vocês me hospedam? Quero me mudar!

Qual seria o motivo do Brasil ter ficado de fora? Sistema confuso? Mercado desinteressante? Sistemas de infomática pouco integrados?

Hummm, Austrália ou Espanha…

Fonte: Amazon

emInternet

Windows XP Service Pack 3 (SP3) só em 2008

Por em 21 de outubro de 2006

O roadmap da Microsoft foi atualizado e o esperado SP3, antes programado para o primeiro semestre de 2007, foi empurrado para o primeiro semestre de 2008. São 4 anos após o SP2, que estava mais para o Windows XP Final(ly) do que um pacote de manutenção.

SP3 for Windows XP Professional is currently planned for 1H CY2008. This date is preliminary.

Como era de se esperar, teorias conspiratórias e especulações já começaram.

Muitas opiniões giram em torno de que a Microsoft está fazendo isso para empurrar o Windows Vista, num movimento nada sutil. O consumidor e as empresas não querem esperar tanto tempo para ter vários benefícios que o próximo service pack traria.

Por outro lado, existem os que acreditam na concentração de pessoal, investimentos e esforços no Windows Vista e na correção de bugs do novo SO da empresa.

Existe uma terceira corrente dizendo que isso mostra que mesmo uma empresa gigante como a Microsoft não é capaz de manter 2 projetos de sistema operacional ao mesmo tempo.

Fonte: Neowin, ZDNet

emSoftware

Sobre pirataria, artigos apagados e o futuro

Por em 21 de outubro de 2006

O teólogo francês Pierre Nicole [ 1625 - 1695 ] disse uma célebre frase: ” A maior parte dos erros dos homens provém mais do fato deles raciocinarem a partir de falsos princípios, que raciocinarem mal de acordo com os seus próprios princípios.”

E nós, do MeioBit, cometemos três graves erros. Por isso, estou aqui para me desculpar com vocês, nossa prezada audiência.

Nosso primeiro erro, foi ter aceito o artigo de um leitor, sobre o tema do momento: Pirataria. Não que o texto fosse ruim, mas lá no meio havia algo do tipo “sou pirata e não me arrependo”. E isso é inaceitável. Inaceitável porque é apologia ao crime e, claro, eticamente condenável.

Podem nos chamar de “carolas”, “certinhos”, “Caxias” e por aí vai. Mas temos uma posição política, ética, moral e editorial: não promovemos o crime. Não encorajamos nem defendemos o crime, não importa qual seja a desculpa.

Piratear é tão errado quanto roubar uma maçã na feira, um “cd player” de um carro ou o cofre de um banco. Se você discorda, por favor, procure outro site¹.

Nosso segundo erro, foi ter apagado o artigo, sem comunicar previamente ao autor e a vocês. Devíamos ter feito. Poderíamos ter feito. Mas não fizemos.

Os motivos são vários e eu poderia citá-los todos, mas de nada adiantaria. Portanto, nos resignamos a aceitar o fato.

Raramente isso aconteceu. Raríssimamente. Ao contrário do que imaginam alguns, não somos censores severos, ávidos por apagar artigos ou comentários contrários às nossas convicções. Somos até liberais demais. Permitimos comentários que nenhuma publicação ousaria. E tudo isso, não se enganem, por respeito à opinião de vocês.

No entanto, quando essa opinião fere princípios sociais, legais e éticos, não temos outra alternativa, a não ser a exclusão sumária.

Nosso terceiro erro e, talvez, o mais grave, foi ter demorado a escrever esse editorial. Vocês, leitores, mereciam ser esclarecidos sobre isso antes. Muito antes. Mais uma vez, peço desculpas.

Por tudo isso e na intenção de evitar transtornos futuros, tomamos algumas decisões graves mas que, de outra forma, deixariam o site virar uma completa anarquia. São elas:

1) Somente usuários registrados poderão comentar. Infelizmente, uma pequena minoria de covardes, protegida pelo anonimato, estava transformando nosso espaço democrático num verdadeiro pandemônio. Isso acabou. Vamos gravar os emails, as rotas e os IPs. Legalmente somos responsáveis por todo o conteúdo exibido no site, inclusive comentários. Vamos valorizar o usuário que está de fato disposto a acrescentar algo à discussão.

2) As notícias e/ou artigos enviados só serão publicados depois de editados. Sentimos muito, mas, como já escrevi, a lei nos torna responsáveis pelo que publicarmos e só o faremos depois de uma boa análise e, possivelmente, edição;

3) Comentários chulos, “flames”, contendo palavras de baixo calão, anti-éticos, racistas e afins serão sumariamente deletados e seus autores terão as contas apagadas.

Eu poderia dizer agora o quanto nos dedicamos a este site, que nada nos rende. Quantas horas perdemos, diariamente, para levar a vocês nossas modestas opiniões a respeito de assuntos que julgamos interessantes a todos. Mas não o farei por um simples motivo: fazemos por prazer. Porque aproveitamos cada momento, seja escrevendo artigos, pesquisando ou resolvendo problemas nos servidores. E temos orgulho de, ao menos, dar nossas opiniões de maneira isenta e ética.

Na verdade, só posso agradecer a todos, por nos prestigiarem, elogiarem, criticarem e nos acompanharem nesta caminhada. Tudo que estamos fazendo, é no intuito de melhorar. Para nós e para vocês.

Muito obrigado.

¹ Parece que é preciso esclarecer essa frase. Ela é dirigida aos trolls que transformaram a discussão em um pulgueiro. Quando faltaram-lhe argumentos, qual a primeira atitude? Agir com vândalos. Se atacar o blog, o autor, a integridade moral e ética faz parte da conversa, a frase torna-se auto-explicativa.

emArtigo Destaque Miscelâneas

O patinho feio dos webmails

Por em 20 de outubro de 2006

Em uma época em que só se fala de Gmail e do novo Yahoo Mail, estes dias resolvi entrar no Windows Live Mail (antigo Hotmail) para ver como estava a interface e funcionalidade. Qual não foi a minha surpresa, ao acessar o site sem problemas usando o Firefox, e de quebra uma interface muito melhorada, responsiva e mais bem organizada. Esta versão ainda é beta, mas mostra que a Microsoft vem tentando aprimorar seu sistema de emails na web.

Algumas criticas:
- Porque a primeira página após logar no sistema não vai direto para a caixa de entrada ? Imagino que quem esteja entrando em um webmail queira ver se há novos emails.
- O sistema anti-spam ainda tem muito o que melhorar.
- Há ainda um botão de enviar/receber, algo que em tempos de AJAX deveria ser automático, na minha opinião.

Em suma, acho que vale a pena pelo menos experimentar o sistema deles. Qualquer um que tenha uma conta no MSN tem uma conta no Windows Live Mail.

emInternet

Por que não processaram o YouTube?

Por em 20 de outubro de 2006

Depois da aquisição do YouTube pelo Google, muitos se questionaram quando começaria a chuva de processos por violação de direitos autorais, uma vez que o Google poderia pagar as multas desses processos às gravadoras.

Mas para espanto de alguns outros sites com funcionamento similar ao YouTube que começaram a ser processados, como é o caso do Groupr e Bolt, mas ninguém processou o YouTube.

Um “pequeno” detalhe esquecido nesta história é que na manhã da aquisição do YouTube pelo Google 3 grandes canais de mídia fecharam acordos com o YouTube, sendo que este acordo foi pago com ações do YouTube.

A partir deste momento as empresas que estariam processando o YouTube passaram a ganhar dinheiro com a valorização do YouTube, portanto, não estão mais sendo prejudicados pelo mesmo.

O YouTube, ainda tem que se preocupar com outros detentores de direitos autorais, mas o Google já demonstrou que vai jogar este jogo de forma correta, esta semana o YouTube removeu quase 30000 vídeos devido a uma solicitação feita pela JASRAC (entidade japonesa equivalente a RIAA).

Além de já ter anunciado que criará mecanismos de identificação de material protegido por direitos autorais.

Quem foi que disse que o Google era bobo em comprar o YouTube?

Via [Marshable! e Arstechnia]

emInternet