Digital Drops Blog de Brinquedo

Relacionamentos online: Tem gente que não aprende

Por em 15 de agosto de 2007

taradonet.jpg

A ingenuidade humana é algo impressionante. Experimente: Entre em uma sala de bate-papo e diga: “Para ver as mensagens privativas, aperte ALT+F4″. Metade dos membros vão se desconectar por medo, a outra metade por ter fechado a janela achando que iam ver alguma coisa.

A Internet é um excelente meio de comunicação, e como tal serve para se encontrar a cara metade, ou só a metade que é cara mas consegue-se um descontinho. O que não dá é assumir que uma série de letrinhas em uma tela e uma foto escaneada de revista provam que aquela linda ninfetinha te dando bola é de verdade.

Se você está falando com alguém de sua cidade, ou próxima, beleza, marque um encontro e pronto. Se for alguém morando mais distante, e o “relacionamento” (enquanto não for ao vivo não dá pra tirar as aspas) se mostrar promissor, marque uma visita a uma cidade que fique a meio-caminho dos dois. De preferência um lugar onde você possa se divertir sozinho, se sua “amiga” não aparecer.

Ser racional em relacionamentos é complicado, mas no início, ainda mais em relacionamentos online, é essencial, do contrário você aparecerá pagando mico na mídia internacional, como este idiota da Austrália, que com 56 anos nas costas conseguiu se apaixonar por uma Africana, foi parar em Mali, um país cujo PIB é pago em vale-transporte, foi sequestrado, espancado e preso por bandidos por duas semanas. Ou este mané aqui que gastou US$1200,00 pra ir de Hong-Kong até Taiwan encontrar sua amada e descobriu que ela era homem. Pior, o sujeito entrou na Justiça pedindo o ressarcimento do dinheiro gasto. E perdeu.

emInternet

Vista portado para o Super Nintendo

Por em 15 de agosto de 2007

meiobit-super_nintendo_casemod.jpg

Quando vi essa preciosidade me lembrei daquela mania do pessoal portar Linux pra tudo que é equipamento, incluindo relógios, torradeiras e vibradores programáveis. (não confirmei este último, por puro medo de ser verdade). Mesmo alguns desenvolvedores mais “sérios” reclamam, mas o espírito hacker justifica esses experimentos. “pra ver se podia ser feito”. É legal, não importa que apareça gente dizendo que é inútil.

Vejam por exemplo o pessoal acima. Pegaram uma caixa de Super Nintendo, um PC basicão de US$189,99 na NewEgg (basicão pra , o processador é um Intel Core Duo) e adaptaram. Fizeram até um adesivo no cartucho para dar o ar de software “original” de Nintendo.

É o casemod mais bonito do mundo? Não, o mais bonito é o do Doom 3. Mas deve ter sido divertido, e bem melhor do que o gabinete vagabundo e sem-graça que uso pro meu PC.

PS: OK, a rigor o título é inexato, mas rodo o Vista em um AMD Sempron +2600 com 1,5GB de RAM e uma GeForce 6500 altamente questionável, o hardware mais barato que consegui montar (originalmente com 512MB mas aí era forçar a amizade) então pro Super Nintendo não há muita diferença…

Fonte: Technabob

emHardware

Campanhas e contra-campanhas

Por em 15 de agosto de 2007

Todo mundo que se expõe publicamente de alguma forma está sujeito a críticas. Normalíssimo, seres humanos julgam e rotulam absolutamente tudo, e geralmente levam para o lado pessoal. Quando estes mesmos seres humanos não possuem senso de humor e – vou levar pedrada agora – capacidade para interpretar ironias, a situação piora e emissor tem duas saídas: ou ele se atém às críticas e fica tentando agradar a grande massa de espectadores, ou dá risada com cada comentário que se ofende com suas criações e continua do jeito que sempre foi, e será conhecido como “causador”.

Pois bem, uma empresa de servidores foi altamente criticada por conta de uma campanha publicitária cujo texto, acompanhado de uma foto de uma modelo de grandes lábios vermelhos, diz “Don’t feel bad, our servers won’t go down on you either” – algo como “não se sinta mal, nossos servidores não vão ‘ficar caidinhos’ por você”, numa tradução bem-comportada, porque o trocadilho só faz sentido em inglês. Obviamente, o anúncio gerou furor entre as feministas e pessoas sem senso de humor que se ofendem com mulheres peladas em propagandas de cerveja. Mais ou menos o que aconteceu na campanha do Estadão.

Se ofender por isso é como se ofender quando alguém diz “meu sistema operacional é melhor que o seu”, e ainda reclamar porque o outro só falou isso pra provocar uma flamewar. Bobagem, e das grandes.

Fonte: Fake Steve

emMiscelâneas

A Censura vem aí. E Piorada.

Por em 15 de agosto de 2007

censuratv.jpg

Olhe bem a imagem acima. Se você tem mais de 30 anos, lembra bem dela. Se fica abaixo disso, eu explico, Gafanhoto: Os programas de TV, filmes, etc, eram avaliados previamente pelo Departamento de Censura de Diversões Públicas da Polícia Federal. A idéia era proteger a moral e os bons costumes, evitando que propaganda subversiva, conteúdo sexual inapropriado e similares fossem exibidos para as pobres pessoas quem ligassem sua tv.

Quando o programa continha algum conteúdo questionável, este era marcado para eliminação. Removido o conteúdo, o programa poderia ser exibido no horário solicitado.

Os responsáveis pela censura usavam uma lógica irrefutável: Se vocês não produzirem conteúdo questionável, nós só classificamos, não cortamos nada.

Não foi um dos períodos mais divertidos da História brasileira, mas como já foi bem-dito, quem se esquece da História está condenado a repeti-la.

Há vários projetos em votação no Congresso propondo idéias muito ruins, claramente criadas por gente que lembra (talvez com saudade?) da velha censura, e não entende nada de Internet.

Um deles, o Projeto de Lei 2231/99, do deputado José Carlos Elias (PTB-ES) obriga que os responsáveis por sites informem a “classificação indicativa” de seu conteúdo. Já o PL 1264/03 obriga fabricantes de navegadores e provedores de acesso a fornecerem programas para controle e limitação de acesso para crianças e adolescentes. Sim, o Estado-Babá quer que o UOL e a Microsoft distribuam o Net-Nanny.

O pior deles é o Projeto de Lei 2842/03, “que obriga os provedores a manterem registro e fornecer classificação indicativa do conteúdo veiculado. Essa última proposta também determina que os provedores que veiculam conteúdo inadequado a menores de 18 anos condicionem o acesso a essa informação à identificação prévia do usuário e à comprovação de sua idade.”

Pergunto eu: Quem fará essa classificação? Como garantir que ela seja consistente? Quem quer apostar que logo, logo teremos um Departamento Federal especializado em avaliar sites e classificá-los de acordo com seus próprios critérios? Quem quer apostar que sites que falem de assuntos que desagradem ao governo, como a famosa Google Bomb do “Déspota Cachaceiro”, que levava direto para o site oficial do [censurad]?

Depois disso, alguém da TPF vai levantar a bola de que não adianta classificar depois que está no ar, e teremos um grande Webservice onde nossos textos serão enviados para “algum lugar”, e retornarão com classificação, cortes e tudo mais.

Acham que estou exagerando? Já aconteceu antes. Podem pesquisar. Mas rápido, enquanto ainda há sites falando do assunto.

Fonte: IDG

emInternet

Nintendo DS é coisa do capeta!

Por em 15 de agosto de 2007

Depois o pessoal diz que eu sou fanboy do PSP.

Bill Nye, também conhecido como “the Science Guy” é um americano que apresenta um programa sobre ciência para crianças. Em um dos episódios, ele fala sobre o perigo de se jogar videogames portáteis, pois o aparelho fica muito próximo dos olhos da pessoa. O uso continuo muito próximo ao olhos os deixam cansados, assim como o cérebro. O problema que também pode ocorrer com usuários de notebooks é conhecido como Síndrome da Visão de Computador (em uma tradução literal de Computer Vision Syndrome, ou CVS).

Até aí tudo bem, mas ao vermos o vídeo com a matéria notamos que todas as crianças aparecem jogando Nintendo DS. Seria o PSP seguro então? Ao jogar Game Boy Advance as pessoas estariam a salvo?

Bom, das duas uma, ou o fanboy em questão não sou eu, ou a equipe do Mrs. Nye não encontrou uma só criança jogando PSP pelas ruas. Seria esta uma prova de que a BigN estaria dominando o mundo?

Pelo menos o notebook que aparece na matéria não é um iBook.

[via Kotaku]

emGames

VHDL é fácil, tio…

Por em 14 de agosto de 2007

carson.jpgSeria mais ou menos o que Carson Page, de apenas 8 anos, diria se você perguntasse sobre a dificuldade do seu maior hobby: programar FPGAS em VHDL.

O moleque já rodava aplicações no PC da família aos 18 meses… aos quatro anos, instalava o Sistema Operacional ( não devia ser o Slack ). No último Natal, ganhou um osciloscópio de presente! Isso que dá, ser filho de engenheiro…

Ele, obviamente, não faz códigos complexos como um especialista com vinte anos de experiência, mas já é bom o suficiente para ser contratado pela Actel, para testar o software compilador VHDL deles ( e ainda achar vários “bugs” e opiniar sobre a usabilidade ).

Imagino o quê esses meninos estarão pedindo de Natal em dez anos…

[via EETimes]

emHardware Indústria Miscelâneas

Lenovo rejeita Vista nas Olimpíadas de Pequim

Por em 14 de agosto de 2007

A Lenovo, responsável por fornecer as máquinas das Olímpíadas de 2008, que acontecerá na China, não usará o Windows Vista, a versão mais recente do sistema operacional da Microsoft. Motivo: o OS ainda não está maduro e estável o suficiente, e por conta disso, o Windows XP será usado em seu lugar.

Como se pode ver, a despeito de Linux, de Apple, do que for, o Windows XP ainda é o principal adversário do Vista, e pode ser que sua popularização comece depois do lançamento do Service Pack. Ainda não foi dessa vez, mas pode ser que o Vista, que para a Lenovo é deficiente, consiga uma vaguinha nas Paraolimpíadas no ano que vem…

Fonte: Winajuda

emIndústria