Digital Drops Blog de Brinquedo

FPS medieval

Por em 31 de julho de 2007

Após uma enxurrada de jogos em primeira pessoa situados na 2ª guerra mundial, as produtoras estão visando diversificar seus lançamentos e pensando nisso, a pouco conhecida Offset Software irá lançar um FPS medieval. Com o nome proivisório de Project Offset o game vem impressionando pelos gráficos simplesmente fantásticos.

O jogo está sendo feito em cima de uma engine própria e deverá sair para PC, Xbox 360 e PS3 em uma data a ser anunciada. Agora é só torcer para a jogabilidade ficar a altura dos gráficos.

emGames

Microsoft cuidando de seus consumidores

Por em 31 de julho de 2007

Há muito se fala sobre a falha de desenvolvimento do hardware do Xbox 360 e apenas a pouco tempo a Microsoft decidiu assumir a culpa. Quase um mês após a ampliação da garantia do videogame de um para três anos, Steve Ballmer, CEO da Microsoft disse em entrevista a analistas que o anúncio foi um golpe doloroso na divisão de games da empresa, mas que eles tinham que zelar por seus consumidores.

A Microsoft acredita que gastará US$ 1,15 bilhão no conserto dos consoles além de ressarcir aproximadamente em US$ 140,00 cada usuário que pagou pelo conserto antes da expansão da garantia. É um valor bem alto a ser gasto, mas devemos levar em consideração o quanto sua imagem poderia sair prejudicada e o quanto afetaria as futuras vendas.

Particularmente sempre gostei da qualidade dos periféricos da MS e fico com a sensação de que esta falha de engenharia se deva a falta de experiência da empresa na fabricação de consoles. Antes que alguém diga que o Xbox já está na sua segunda geração e que eles tiveram tempo de sobra para evitar erros primários, basta lembrar que os dois primeiros videogames da Sony possuíam problemas críticos nos canhões de leitura dos CD/DVDs, assim como a primeira leva de PS2 Slims possuía problemas de super-aquecimento.

[via Daily Tech]

emGames

Resposta da Microsoft

Por em 30 de julho de 2007

Após a Sony anunciar que o seu console da nova geração teve um aumento significativo nas vendas, a Microsoft já prepara uma queda de preço para o Xbox 360 nos Estados Unidos. O que vinha sendo considerado apenas um rumor, a cada dia ganha mais força e agora duas grandes redes de varejo divulgaram material promocional onde consta uma redução de US$ 50,00 no preço do console.

Ainda não foi confirmado se esses preços serão praticados por tempo limitado, mas a expectativa é que seja uma redução definitiva. Portanto, se você estava pensando em comprar um X360, talvez seja uma boa esperar alguns dias, já que o desconto deverá começar a ser praticado a partir do dia 12 de agosto.

E pra mostrar que está mesmo afim de briga, a turma da MS irá baixar em US$ 20,00 o preço do acessório que permite ao Xbox 360 ler filmes em HD DVD. Como brinde, quem comprar o leitor entre agosto e setembro ainda ganha cinco filmes no formato.

Por outro lado, os defensores do HD DVD sofreram mais um duro golpe na última semana. Dessa vez quem decidiu optar pelo formato concorrente foi a loja Target, de agora em diante, nas lojas físicas da rede só serão vendidos filmes e players em Blu-ray.

[via Kotaku]

emGames

Dry Fire – Joguinho em Flash

Por em 30 de julho de 2007

Produtividade pra quê? Muito melhor usar um canhão pra lá de exagerado para matar, esmagar, destruir, obliterar soldados burros o bastante para avançar diretamente na sua linha de fogo. Até a 13a fase é fácil, depois complica, com tanques e helicópteros atacando em conjunto.

Clique na imagem e coloque seu headphone…

meiobit-dryfire.jpg

emAnúncios

Economia de mercado é complicado mesmo

Por em 30 de julho de 2007

Um grupo de tchecos resolveu protestar contra os preços dos computadores Apple na República Tcheca. Vejamos; impostos, protecionismo, frete, taxas governamentais?

Não, a culpa é da Apple.

Pela lógica deles o preço dos Macs deve ser proporcional ao salário médio do país, o que demonstra um desconhecimento de regras básicas de economia que só podem ser explicado se o país tivesse passado 40 anos sob regime comunista. Ops, passaram.

Assim vandalizaram uma loja da Apple, enchendo-a de cartazes perguntando “por quê?”. Cinco minutos com um professor de economia ou com um importador seriam suficientes, mas acho que o vandalismo é mais interessante. Fizeram inclusive um vídeo:

A música de fundo, Born in the USA é uma das mais incompreendidas pelo mundo histérico-que-não-fala-inglês. É uma canção dramática, fala dos veteranos do Vietnã, de como foram convocados quase à força e como depois que voltaram se tornaram incômodos e indesejáveis. Mas querer que entendam isso é demais.

Fonte: Fake Steve Jobs


emApple e Mac

Como ser expulso de um avião em uma lição

Por em 30 de julho de 2007

meiobit-autobutton.jpg

O brinquedo se diz inocente. É mais uma daquelas quinquilharias de pendurar no celular, com uso secundário de arranhar a caixa do bicho quando estiver tudo no bolso.

O “botão de autodestruição” quando apertado começa a piscar, cada vez mais rápido, terminando com um som de explosão. Custa US$10,00, mas o preço da fiança, depois que o pessoal da segurança no aeroporto reparar nele quando passar no Raio-X pode variar de juiz para juiz.

O brinquedo é excelente para festas e mesas de bar, mas não é recomendado se você pretender mesmo embarcar no avião.

Via NewLaunches

emCelular

Jesuítas invadindo o Second Life

Por em 30 de julho de 2007

meiobit-godjesus.jpg

Calma. Não precisa desconectar o seu priminho da Internet, nem fechar a porta do seu cyber-apartamento dizendo “não estou em casa”. Não é mais um caso de padres tarados ou pregadores irritantes. Estamos falando de Jesuítas, os Jedi do catolicismo.

Em um artigo na revista La Civilta Cattolica entitulado “Second Life: O Desejo de uma ‘outra vida´”, Antonio Spadaro faz a melhor resenha que já vi sobre o tema. Esqueça caça às bruxas, esqueça discursos “Second Life é coisa do demônio”.

“Não é possível fechar os olhos para este fenômeno ou correr para julgá-lo. Ele precisa ser entendido, e o melhor meio de entendê-lo é entrar nele”

Explicando desde o básico dos videogames, até termos como MMORPG e Machinima, ele passa por temas como instruções básicas, a economia do Second Life, iniciativas de Arte e Cultura, relações de amizade, parceria e, claro, sexo.

Na parte entitulada “Há (cyber) espaço para Deus?” o autor descreve o ecumenismo do ambiente, com templos das mais variadas religiões, inclusive uma réplica da catedral de Notre-Dame. Ele também investiga a validade da pregação dentro do ambiente virtual.

“O quê significa rezar no Second Life? É possível? Segue o testemunho de um muçulmano sueco, Muhammed Yussif Widhe: Eu coloco meu avatar em posição para rezar ao mesmo tempo em que rezo. A minha oração de verdade é válida e a minha oração online é simbólica”


O Second Life é tratado não como um ambiente “falso”, mas como um ambiente que pode ser na verdade até mais sincero que o mundo real, visto que as inibições e convenções sociais normais não se aplicam aos avatares. Mesmo assim, como o Second Life é uma metáfora para o mundo real, a necessidade de uma estrutura de aconselhamento espiritual é igualmente presente.

O autor chega a citar Snowcrash, o excelente livro de Neal Stephenson, uma das bíblias (sem trocadilho) do movimento cyberpunk.

Seria MUITO BOM se alguém traduzisse o texto completo. Serve para mostrar o Second Life como uma iniciativa legal, sem ser um antro maligno de satã, mostra como se escreve um artigo de verdade, com pesquisa, bibliografia, etc, e mostra um dos motivos da Igreja Católica estar aí firme e forte, depois de quase 2000 anos: A qualidade de seus quadros, principalmente os jesuítas, que sempre contaram com excelentes astrônomos e cientistas entre eles.

Via: Reuters e La Civilta Cattolica

emInternet