Digital Drops Blog de Brinquedo

Google Earth antes de viajar

Por em 19 de março de 2007

Sempre admirei o Google Earth por várias de suas características, porém nunca havia usado ele na prática, era mais por curiosidade. Final de semana passado, fui a São Paulo de carro e pude notar a diferença que ele me fez dando uma boa olhada pelo Google Earth antes da partida.

Os mapas tradicionais são, sem dúvida, ainda muito úteis, porém um pouco limitados. Nos mapas você não sabe qual o sentido da rua (o que faz muita diferença para quem está de carro); não sabe se aquela rua é exclusiva para ônibus; ou se é um viaduto. Nestes pontos o Google Earth me salvou, principalmente para não errar as entradas nos cruzamentos em que há várias pistas e, se estiver na pista errada, já era. Além disso, as imagens do software passam muito mais segurança uma vez que você “meio que reconhece” o lugar em que está.

Apenas uma falha. Em se tratando de São Paulo, devia ter me prevenido e olhado também os principais pontos de alagamento. Uma rua alagada me fez esperar 30 minutos até que conseguimos passar :( Ideal seria um Google Earth onboard ali no carro :)

emInternet Produtividade

Google vai às compras

Por em 19 de março de 2007

Na última sexta-feira o Google anunciou a compra de dois serviços na web. O primeiro deles é o Trendalyzer, uma forma interessante de mostrar a informação em gráficos e apresentações. A segunda aquisição é AdScapeMedia, um sistema de anúncios voltado para videogames.

O Trendalyzer é um serviço que já havia chamado minha atenção anteriormente devido à forma inovadora e fácil que as informações em gráficos eram mostrados. Você pode ver uma demonstração e tirar suas próprias conclusões. A missão do Google é organizar toda informação do mundo. Com o Trendalyzer vai ficar mais fácil entendê-la.

Não é de hoje que o Google avança seus tentáculos na área de propaganda. Todos já conhecemos o Adsense e Adwords, aqueles anúncios contextuais tão comuns em blogs e nos resultados de buscas. Há experimentos do Google com propaganda em rádio, TV, mídia impressa, celulares, etc… E agora o AdScapeMedia, focado em anúncios em videogames. Se o Google vai dominar o mundo, será o mundo da publicidade.

[via Googling Google]

emGoogle

Não quero um MAC

Por em 19 de março de 2007

Reza a lenda que um MAC é o sonho de todos os usuários do Linux ou que o Linux é usado por quem não tem dinheiro para comprar um MAC.

Isso não é verdade, tirando o fator “Wow, você tem um MAC!” (que o Vista resolveu usar e daqui a pouco a MS patenteia), não vejo grandes vantagens em ter um MAC.

É um excelente produto, não há como negar, mas dai a dizer que todo usuário do Linux quer um, existe um grande exagero.

Todo sistema operacional possui suas vantagens e desvantagens (ok, alguns têm desvantagens demais), mas o fato da vida é que nenhum agradará 100% a todos os usuários.

Alguns motivos para eu não querer ter um MAC:

  • Já utilizo o Linux há mais de 10 anos, mesmo no Windows, me sinto desconfortável para fazer diversas coisas, em um MAC, teria que reaprender a fazer quase tudo.
  • Unix por Unix, fico com o que já sei como funciona, para mim não é nenhuma vantagem o MAC ser filho do Unix.
  • O MAC limita o que eu posso fazer com o computador, mesmo concordando que o sistema operacional deva ser fácil de usar, em um primeiro momento, não acho que as outras tarefas devam ficar escondidas, fazer alterações no modo como as coisas podem ser fitas em um MAC pode ser uma tremenda dor de cabeça.
  • Falta de versatilidade, aliado ao problema acima, um MAC foi feito para ser um MAC e fique contente com isso, querer usar um MAC como servidor, firewall, roteador, proxy transparente etc… está fora de cogitação, como desenvolvedor isso é um grande atraso.
  • Tirando os aplicativos para design, a quantidade de aplicativos existentes no Linux é muito maior que no MAC (bom, se tirarmos os jogos, o Linux ganha do Windows, também), como não sei desenhar nem um quadrado no Gimp ou qualquer coisa que valha, aplicativos para designers não me fazem a menor falta.
  • Todas as novidades “cools” do MAC, já existem no Linux ou podem ser conseguidas com mais ou menos esforço.
  • A falta de acesso ao Shell é um crime, pelo menos para mim, apesar de ser o Bicho Papão para 9,7 entre 10 usuários de computador, pergunte a qualquer usuário avançado do Linux qual a ferramenta predileta dele e a maioria responderá que é o Shell. Depois que você aprende a usá-lo, sua produtividade aumenta absurdamente.
  • Custo / benefício.

Deixei custo / benefício para último para poder explicar melhor.

Mesmo com a queda de preços de um MAC, não me parece muito sensato, a não ser que você realmente precise de um.

A primeira loja que achei que vende tanto MACs quanto PCs foi a FNAC e resolvi fazer uma comparação rápida.

MAC

Intel Core 2 Duo 1,83GHz – 512Mb de RAM – HD 60 Gb – Gravador de CD – Vídeo Intel GMA 950 (64Mb) – Tela 13,3″ – R$ 5.299,00

PC

Intel Core 2 Duo 2,0 GHz – 2 Gb de RAM – HD 120 Gb – Gravador de DVD – Vídeo NVIDIA G-Force 7600 (256 Mb) – Tela 15,4″ widescreen – R$ 5.999,00

Ou seja, por mais R$ 700,00, você tem um notebook com muito mais poder de processamento e de quebra ainda vem com o Wow da MS (que seria devidamente removido).

Para não dizer que não existe nada que me chame a atenção em um MAC, diria que a integração com o iTnes é algo que eu sentiria falta se tivesse um iPod (esse, sim, é um caso a se pensar).

emApple e Mac

Jott: voz para email

Por em 19 de março de 2007

Acabei de testar um serviço que pode ser muito útil. O Jott tem uma proposta simples: o usuário liga para um número (toll-free) e deixa uma mensagem de ate 15 segundos. O sistema identifica quem está ligando através do callerID, portanto não precisa de autenticação. Alguns minutos depois, esta mensagem é transcrita e vai para o email do usuário. No meu teste a mensagem que eu enviei demorou menos de 3 minutos para ser transcrita.

Minha mensagem apareceu na linha de assunto do email.

O serviço (como tudo nessa web 2.0) é beta, e por enquanto gratuito. Gostei muito da idéia, já ficou no meu speedial no celular. Atualmente o serviço só aceita números dos EUA.

emComputação móvel Produtividade Telecom

iTunes: Upgrade 7.1.1 para corrigir pequeno problema

Por em 18 de março de 2007

itunesCD.jpgO pequeno problema é a corrupção completa, inexorável e em alguns casos irrecuperável das músicas e vídeos de alguns usuários. Vários inclusive descobriram que como tinham músicas antigas, que não eram mais parte do catálogo da Apple, não puderam recuperá-las com um novo download.

O pacote tem no mínimo 28MB. Usuários de Mac, podem clicar aqui. O resto, use este link.

emApple e Mac

Chega de Conceitos

Por em 18 de março de 2007

disposable-camera.jpg

Antigamente os produtos chegavam às lojas e descobríamos as novidades nas vitrines. Depois começaram a aparecer nos anúncios de jornais. Eventualmente criaram o conceito de teaser, e dicas eram dadas, avisando que algo novo chegaria.

Depois as revistas passaram a receber com antecedência e publicar matérias sobre futuros lançamentos. Legal.

Também víamos discussões sobre novas tecnologias, seus possíveis usos futuros. Isso era excelente.

De uns tempos pra cá isso tudo não basta mais. Começaram a divulgar protótipos. OK, entendo isso na Indústria Automobilística, um carro-protótipo é algo que, mal-ou-bem funciona. Anda. Cumpre o que se propõe, não é vendido por questões geralmente econômicas.

Só que agora nem o protótipo mais adianta. Inventaram o “conceito”. Ao invés de desenvolver algo, você cria uma imagem no Photoshop, um modelo no VU-3D e solta na Internet, para um bando de nerds babarem. “oh, que lindo, que idéia duca, show…”

O iPhone foi uma praga em termos de conceitos. Teve gente fazendo vídeos, comercais inteiros baseados em idéias falsas, em um caso clássico de autopromoção. “vai que cola”, e a Apple oferece um caminhão de dinheiro pro cara.

Isso atrapalha a própria indústria, atrapalha que acompanha (e compra) produtos de verdade e atrapalha quem vende. Como você vai explicar pro sujeito que aquele telefone lindo saído de Jornada nas Estrelas é só uma imagem de Photoshop?

Por isso, irei boicotar Photoshops e “conceitos”, exceto quando venham dos próprios fabricantes. Chega de perder tempo com ficção científica disfarçada. Ter idéias é fácil, vou prestigiar quem as têm e rala para colocá-las no mercado.


emIndústria

Cama de Nerd

Por em 18 de março de 2007

camadenerd.jpg

Uma modificação na cabeceira permitiu a instalação de uma TV e um conjunto de som estereofônico. Bem legal, e resolve o problema de ver TV na cama e acordar com a coluna em U, dormindo sentado. Por definição o sujeito que pensa num negócio desses é nerd, mas altamente otimista, pois há lugar para três. Se bem que pensando bem, lembrando que ele é um nerd, o segundo travesseiro já seria otimismo…

Via Gizmodo

emHardware