Digital Drops Blog de Brinquedo

Resident Evil 3.5

Por em 20 de abril de 2007

Quando uma produtora está desenvolvendo um game, é muito comum os responsáveis não ficarem satisfeito com o resultado e cancelar a produção e começar tudo do zero. Poucas pessoas sabem, mas com o aclamado jogo Resident Evil 4 aconteceu isso.

Abaixo segue um vídeo de um beta do jogo, que a Capcom decidiu refazer. Algumas coisas chamam a atenção. Repare nos efeitos de luz, principalmente da laterna de Leon e no fantasma que ele enfrenta. Repare como a luz do cenário tem papel importante na batalha. Outro ponto que me chamou muito a atenção é o avançado estágio de desenvolvimento do game. Isso fica nítido no nível de detalhes do cenário, a música, enfim, parece um game acabado já.

Muitos vão discordar do que vou dizer, mas na minha opnião, a Capcom não fez a escolha certa.

emGames

Microsoft Student Innovation Suite. Só US$3,00 freguesa

Por em 19 de abril de 2007

Parece coisa de camelô, mas é o pessoal de Redmond, disposto a não perder mercado, e como o fator preço sempre foi o mais importante na escolha de plataformas, resolveram chutar o pau da barraca.

A Microsoft Student Innovation Suite é um programa para países em desenvolvimento que tenham programas de doação ou subsídio de computadores para estudantes básicos e secundaristas. O pacote custa três Dólares. Isso mesmo. Seis Reau. Mais barato que um CD pirata do Vista.

O pacote vem com:

  • Windows XP Starter Edition
  • Microsoft Office Home and Student 2007
  • Microsoft Math 3.0
  • Learning Essentials 2.0 for Microsoft Office
  • Windows Live Mail desktop

A blogosfera pinguinzística está pegando fogo. Steven Vaughan, do Desktop Linux falou com todas as letras:  “Bosta de touro! O objetivo é matar o Open Source!”. Eu discordo. O objetivo é não perder mercado, que é o que começa a acontecer, agora que as alternativas estão se tornando viáveis. Se a alternativa é o Open Source, ou o Wordperfect, ou o que quer que seja, não importa. É business. Nada pessoal. A MS agiu da mesma forma com o Quicken e outros concorrentes.

Eu não acho que o governo brasileiro vá se interessar, mas por via das dúvidas seria bom se o pessoal do pinguim começasse a se mobilizar para que o PC Popular passasse a vir com uma distro decente, o que ajudaria a controlar a evasão pro Windows, pirata ou de três dólares. Existe alguma petição online sobre isso?

PS: Na qualidade de um usuário que pagou quatrocentos e poucos reais pelo seu XP Home, não achei graça nenhuma nesse subsídio. Se for assim eu pago 10x isso (US$30) por um Vista Home. Tem jogo, Bill?

Via Desktop Linux

emIndústria

ADSL Residencial com problemas com a Brasil Telecom

Por em 19 de abril de 2007

O pessoal que usa o ADSL Residencial para autenficar sua conexão ADSL deve ter tomado um susto ao não conseguir mais acessar a internet. No site deles há um aviso para os usuários: “estamos temporariamente inaptos a efetuar a autenticação”. No texto explicativo diz que estão com problemas com a Brasil Telecom (nem precisava dizer né?) e que ainda estão em negociação.

Há algum tempo escrevi sobre a sacanagem que a Brasil Telecom estaria fazendo com os provedores. Basta saber se o problema do ADSL Residencial é relacionado com essa cobrança de taxas para a Brasil Telecom ou não. Se for o caso, terão que aumentar o preço da mensalidade, que é o grande atrativo da ADSL Residencial, se tornando um provedor como um qualquer em termos de preço.

Foi prometido um novo anúncio sobre a situação hoje pela manha, mas até agora nada de aviso e nada de internet para quem precisa autenticar por este provedor.

Update:

“Aviso de retorno de autenticação

Após um período de inconveniêntes problemas na autenticação, temos o prazer de anunciar que estamos novamente autenticando nossos usuários.

Em mais alguns dias estaremos informando como o ADSL Residencial procederá.”

Percebam que não são só os usuários que têm problemas com a Brasil Telecom. Até com os provedores eles encrencam

emInternet

Via lança placa-mãe pico-ITX, menor que seu salário

Por em 19 de abril de 2007

Sério. É minúscula, ridiculamente pequena. São 10cm x 7.2cm. Mas não é um microcontrolador, é uma solução completa, com arquitetura x86, usando um processador Eden, da própria VIA, com refrigeração passiva, sem ventoinha.

A fonte? Esse bichinho funciona com 30Watts.

Resto das especificações:

  • Processador: C7/VIA Eden V4 com clock de até 1.5GHz
  • Memória: SO-DIM até 1GB
  • Gráficos: Integrados, com aceleração 2D/3D, decoder MPEG2/4 e WMV9 por hardware, portas LVDS e DVI, além de uma VIP para overlay de vídeo
  • Armazenamento: Uma porta IDE e uma porta SATA
  • Áudio: VIA VT1708A 7.1, conector áudio out e SPDIF
  • Ethernet: Controlador VIA
  • TV: Saída SVHS
  • Portas: 1 USB com 4 saídas, 1 PS2, 1 VGA, 1 RS232, mais as listadas acima.

Quem queria um equipamento QUIETO para fazer um mini-media center, taí. Instale o LinuxMCE, espete um receptor infravermelho de controle remoto e aproveite.

Disclaimer: Foram omitidas 78 páginas de how-tos nos procedimentos do parágrafo anterior. Se serve de consolo em Windows ainda seriam 45 páginas de instruçòes.

links:

 

Fonte: Robots.net

emHardware

Ubuntu Free. Free até demais?

Por em 19 de abril de 2007

Richard Stallman deve estar tendo orgasmos (tente agora apagar essa imagem mental) pois a versão Free do Ubuntu será muito, muito mais free do que qualquer um imaginava.

A questão é: Será que algo assim é útil? Vejamos o que diz Mark Shuttleworth:

“Não vamos insistir apenas na liberdade para o software. Em muitos casos há software e conteúdo nas distros atuais – no Ubuntu e em outras distros como o Debian – que não é livre. Por exemplo, vários produtores de firmware disponibilizam seu código-fonte, então essa nova versão do Ubuntu não virá com nenhum firmware se não puder disponibilizar junto seu código-fonte.

Em relação ao conteúdo: Há tipos de conteúdo por aí – como arquivos PDF – que nào são editáveis mas que possuem um documento-fonte editável, e não iremos incluir esse tipo de documento (o PDF) a menos que incluamos o documento-fonte. Coisas como conteúdo em video: Bem, um vídeo editado é legal, mas que tal os materiais originais? Assim essa versão do Ubuntu não irá incluir nenhum arquivo de vídeo que não inclua ou os arquivos originais ou acesso a eles. Assim estamos ampliando o conceito de “liberdade” para cobrir não só aplicações de software, mas também firmware e conteúdo, que é muito mais do que outros distribuições cobrem.”

Assustador? Pois é. Só que o Mark Shuttleworth não é um OpenXiita. Ele é um empresário inteligente atendendo a uma demanda de mercado, pequena mas barulhenta.

Aos usuários normais, podem ficar tranquilos. O Ubuntu continuará vindo atulhado de drivers, arquivos, programas úteis, como sempre veio. Principalmente, a Canonical está preocupada com o usuário, não com ideologia, como fica claro na resposta do Shuttleworth sobre a ausência de desktop 3D como default no Ubuntu:

“Parece que uma das razões para não habilitar o Compiz no Feisty Fawn por default foi que os drivers free não eram bons o suficiente. Por quê você está confiante de que isso mudará na próxima versão?

(shuttleworth) Não foi o caso. O software em si – Compiz e Beryl- não é bom o suficiente. Se fosse, teríamos considerado usar os drivers proprietários, para que ele funcionasse”

Só espero que a Free Software Foundation respeite a liberdade de escolha do usuário que NÃO quiser usar a versão “Livre” do Ubuntu.

Fonte: DerStandart

emAndroid e Linux Open-Source

Lançado Ubuntu 7.04 – Feisty Fawn

Por em 19 de abril de 2007

Já está disponível, para os apressadinhos de plantão, o Ubuntu 7.04 (Feisty Fawn).

Mantendo o planejamento de lançamento de versões em dia, você já pode baixar sua cópia da nova versão do Ubuntu.

A não ser que você tenha algum hadware incompatível com as versões anteriores, não recomendo que faça o download hoje, os servidores estão sobrecarregados.

Até para abrir o site principal está demorando mais que o normal.

Um resumo das novidades que pude observar neste período em que estive testando o Beta:

  • Melhora geral no desempenho.
  • Drivers proprietários instalados com facilidade, sob demanda.
  • Desktop 3D nativo, caso seu hardware suporte.
  • Instalação automática de plugins no Firefox, ao exibir uma página que precise de plugins, será exibida uma caixa branca, com a mensagem no lugar onde deveria ser exibido o plugin, basta clicar e confirmar que o mesmo será instalado.
  • Instalação automática de codecs, ao tentar abrir uma mídia que precise de codecs não existentes no sistema, será perguntado se deseja instalar.
  • Java disponível para instalação automática no multiverse.
  • Novo GNome, muito mais atraente.
  • NetworkManager instalado por padrão (facilita a troca de redes, sejam com ou sem fio).
  • Suporte a um maior número de placas Wireless.
  • Migrador de dados do Windows (caso exista uma cópia do Windows instalado, recupera alguns dados de preferências).
  • Etc…

O sistema, mesmo no Beta, se apresenta muito maduro e com grande potencial de agradar mesmo usuários que nunca tenham tido contato com computador.

A única coisa que tive que configurar na mão, no Feisty Beta, foi o dual head, que ainda não é tão simples de configurar quanto no Windows.

Como a grande maioria não usa dois monitores, acredito que isso não seja, exatamente, um ponto a se preocupar.

emAndroid e Linux

Um gênio chamado Kojima

Por em 19 de abril de 2007

Hideo Kojima foi responsável por alguns dos jogos mais espetaculares já criados, como: Metal Gear, Policenauts e muitos outros. Hoje seu nome é tão respeitado que a poderosa Konami montou um estúdio batizado “Kojima Produtcions”.

O mestre Kojima sempre será lembrado como o homem que popularizou o estilo cinematográfico nos games com seu aclamado Metal gear Solid para PS1.

Os fãs do diretor podem visitar o site de sua produtora e seu blog, este último muito interessante, já que podemos ver vários textos da sobre a vida de Kojima.

Portanto se você tem bom conhecimento de inglês e quer saber um pouco mais sobre uma das maiores mentes dos games, não deixe de visitar seus sites.

emGames