Digital Drops Blog de Brinquedo

Qual o consumo de energia de um PC? E o custo?

Por em 18 de fevereiro de 2007

Essa foi a pergunta mais comum dos leitores e para responder foi necessário usar um medidor, o Kill A Watt™. Para saber o consumo apenas da CPU, o aparelho ficou plugado entre a fonte de alimentação e o Uninterruptible Power Supply (UPS) ou nobreak como é chamado por aqui.

[nobreak/UPS]—>[Kill A Watt]—>[fonte de alimentação]

Isso significa que não estou contando o consumo do monitor e do próprio nobreak. Isso pode ser feito depois.

O equipamento também informa se a energia fornecida para o computador é de qualidade, ou seja, dentro das especificações e tudo parece normal: corrente, voltagem e freqüência. Ou seja, o nobreak está cumprindo seu papel.

Vejamos o consumo de energia em algumas situações (todos os números são aproximados):

Em 6:02h de uso, o consumo total foi de 0,90 kWh, incluindo a pesquisa na internet, leitura e navegação de websites, jogar por 2 horas, e escrever o post ouvindo música. O custo desse uso foi R$ 0,45 (quarenta e cinco centavos).

Revisando a conta de luz

Não precisa fugir. Prometo que vou ser gentil com a parte física. Precisamos apenas relembrar para que a conta de luz faça algum sentido.

Um (1) watt é a quantidade de energia elétrica consumida em um (1) segundo. No SI, 1 watt é igual a 1 joule por segundo.

A nossa conta de luz usa a medida quilowatt-hora (kWh). Isso significa o consumo de 1000 watts em 1 hora. Se você deixa ligado o seu aparelho de TV 5 horas por dia e ele usa 100 W, o consumo diário é 0,5 kWh por dia, 15 kWh por mês.

No Rio de Janeiro, incluindo todos os tributos, isso significa R$ 7,50 a mais na conta de luz.

Conclusão

PCFrank, ligado 6 horas por dia, todos os dias, das quais 2 horas jogando e o restante do tempo desligado. Quanto custa?

Resposta: R$ 18,84

Fontes:
Light – Conta de Luz de Dez/2006: 1 kWh custa R$ 0,50061
TIPLER, Paul A. Física para Cientistas e Engenheiros. 4 ed. Rio de Janeiro: LTC, 2000.

emHardware Miscelâneas

Microsoft e o poder do marketing

Por em 18 de fevereiro de 2007

Todo mundo fala bastante que a Microsoft possui um marketing poderoso. Isso é visto com a quantidade de banners espalhados em praticamente todos os websites de tecnologia para desenvolvedores.

Até mesmo em websites voltados para tecnologias como PHP e Java nós podemos ler sobre as vantagens do Visual Studio, Windows Presentation Foundation, Windows 2003 Server e por aí vai.

Conversando com o Cardoso, encontrei alguns dados antigos de 2003, mas que ilustram perfeitamente o músculo do braço de marketing da empresa.

Foram analisados entre Junho de 2003 e Julho de 2003, durante 3 semanas, a quantidade de visualizações de banners voltados para desenvolvedores da Sun e o total de banners da Microsoft.

A Sun exibiu 1 milhão de banners, dos quais 2% ou 20 mil banners sobre a tecnologia Java no período.

A Microsoft exibiu nada menos que 11 bilhões, repito, 11 bilhões de banners, no mesmo período. Dos quais dezenas de milhões voltados para desenvolvedores.

Propaganda, de fato, é a alma do negócio.

Fonte: FTPOnline

emIndústria

Water Cooler: Economize ao comprar o fluido

Por em 18 de fevereiro de 2007

Ao adquirir um radiador para a placa de vídeo do PCFrank, tentei ler o máximo possível sobre o assunto, desde as primeiras tentativas até os kits completos, vendidos hoje.

E algo que chama a atenção é o Coolermaster Thermal Conductivity Fluid ou o Thermaltake Coolant entre outros. Afinal, o que raios eles colocam na água para “aumentar a performance”?

Resposta: etano1,2-diol. Também conhecido como etileno glicol, usado em radiadores para automóveis.

O frasco com 500 ml do fluido da Thermaltake é encontrado por mais de 60 reais. Mas o mesmo produto é vendido em qualquer posto de gasolina do Brasil na forma de aditivo para radiadores de carro. E existem duas opções: os concentrados, onde você faz a própria mistura com água para bateria e a mistura já pronta para usar.

O melhor de tudo é o preço. Encontra-se fluido para radiador por menos de 10 reais o litro. E as lições de química acabam valendo a pena, anos depois. Então, não seja enganado com o produto importado, quando você pode usar o mesmo fluido usado em carros e de alta qualidade.

Mas atenção:

1. Cuidado com a viscosidade do líquido. Não deve passar de algo semelhante ao leite integral. Se estiver parecendo detergente, está concentrado demais e é preciso diluir. Para isso, basta comprar água desmineralizada, por 1,50 o litro e ir diluindo. A mistura não deve passar de 15%, ou seja, em 100 ml, deve haver 85 ml de água pura e 15 ml de aditivo.

2. E não esqueça, o etileno glicol é adocicado, venenoso e pode matar animais de estimação e pessoas. Então, todo cuidado ao manipular e guardar longe de crianças. Normalmente é adicionado um composto que o deixa com sabor desagradável, mas nunca se sabe. Lave bem as mãos após o manuseio.

emMiscelâneas Periféricos

Meio Bit agora com mais de 11 mil assinantes

Por em 17 de fevereiro de 2007

Hoje tive uma surpresa. O Feedburner estava relatando que o nosso feed teria mais de 11 mil assinantes. Depois descobri que era o Google Reader que passou a reportar corretamente o numero de assinantes, e por isso a contagem esta correta.

Agradecimentos a todos que acompanham o nosso site. Algo que começou como uma brincadeira chegar a este alcance é fenomenal.

emAnúncios

Meu Computador está virando um carro elétrico… ou uma geladeira

Por em 17 de fevereiro de 2007

Os PCs estão na era dos hot rods, carros ultra-modificados e envenenados. Da mesma forma que os carros em The Need For Speed Undeground podem ser melhorados, o mercado de PCs possui um leque enorme de opções. E várias delas emprestam os mesmos materiais usados em automóveis. Pinturas usando pigmentos e polimento carros no gabinete e modificações para personalizá-lo estão entre as mais comuns.

A outra modificação que torna-se cada vez mais popular é a refrigeração líquida, comumente chamada de water cooling. Apesar do nome em inglês, ele não passa de um radiador de carro compacto. O sistema de arrefecimento, usando água demineralizada + etileno glicol + aditivos que usamos no radiador, uma pequena bomba d’água e um bloco de cobre para ser colocado em cima do chip.

A placa de vídeo é um dos maiores vilões da dissipação términa atualmente. Existem várias opções importadas no mercado nacional, mas muito mais caras que seus pares no exterior. O Thermaltake Tide Water, um kit para placas de vídeo, que custa 60 dólares (~ 132 reais), custa em média 540 reais por aqui, 324% mais caro. confused smilie

Ainda com preços exorbitantes, os brasileiros estão aderindo aos poucos a essas modificações. Apenas passeando pelos fórums de hardware mais famosos, nota-se que o pessoal anda bastante entusiasmado com as melhorias de performance e possibilidades de overclock.

Para quem não tem idéia do que seja overclock, é o mesmo que usar um carro fora das especificações de fábrica. No caso de computadores, aumenta-se a freqüência de operação dos componentes, obtendo-se ganhos de performance. É algo como comprar um Gol 1.6 e deixá-lo com desempenho semelhante ou mesmo superior ao de um Astra 2.0.

E um país quente como o nosso, sistemas de refrigeração são um prato cheio. Alô Consul, Springer, Brastemp? Onde estão nossos gabinetes refrigerados com cafeteira de porta USB?

emMiscelâneas Periféricos

Palavras mais pesquisada no Google Brasil em Janeiro

Por em 17 de fevereiro de 2007

Acabei de ler no Google Discovery, a lista das 15 palavras mais pesquisadas em Janeiro.

  1. detran
  2. rbd
  3. claro
  4. mega sena
  5. receita federal
  6. bbb7
  7. naruto
  8. flamengo
  9. vivo
  10. tam
  11. carnaval
  12. corinthians
  13. harry potter
  14. xuxa
  15. britney spears

Com exceção das 2 últimas e da TAM, as demais eram esperadas e previsíveis, alguém sabe dizer por que essas 3 entraram na lista?

emGoogle

Proteção contra roubo no OLPC

Por em 17 de fevereiro de 2007

[img_assist|nid=10327|title=|desc=|link=none|align=right|width=400|height=300] O TGDaily divulgou a notícia de que o laptop de cem Euros ( OLPC - O LaPtop de Cem euros ) terá uma proteção contra furtos: a cada vez que ele se conectar à internet, um processo se comunicará com um servidor central e obterá uma licença de uso, por tempo determinado.

No caso de roubo, o número serial daquele laptop sairá do sistema que, terminado o período da licença, não conseguirá uma nova validação. Destino: lixo.

Isso, claro, até algum hacker bem-intencionado, pensando “no absurdo que é colocar algo que limite as potencialidades de um equipamento com software livre”, quebre a proteção e faça a alegria dos camelôs.

[via TGDaily]

emHardware Indústria